Lei do Teto, ou como transformar a economia em um jacaré, por Luis Nassif

Quando a economia está desaquecida, não há o repasse. Simplesmente porque não é a mera emissão de moeda que gera a inflação, mas as condições objetivas na ponta

Anos atrás, o programa do Gugu, no SBT, trouxe uma falsa entrevista com um membro do PCC. Nele, o suposto miliciano ameaçava o governador do Estado e outras autoridades. Descobriu-se que a entrevista era uma montagem. O programa foi autuado em cima de uma lógica férrea:

  1. Se fosse notícia falsa, espalharia o pânico em cima de uma falsificação.
  2. Se fosse verdadeira, concretizaria a chantagem.

De fato, a chantagem só se consuma quando há a publicidade da chantagem. Porque a chantagem é uma ameaça e, no caso do PCC, a ameaça dependia diretamente da publicidade recebida.

Mal comparando, é o que ocorre com o terrorismo em torno da Lei do Teto.

Hoje, na primeira página de O Globo, há uma ameaça estendida.

A notícia tem hierarquia. Títulos, chamadas de primeira página, têm peso muito maior, ou seja, impactam muito mais o público, do que o conteúdo em si. 

Como se sabe, o governo Macri, na Argentina, eleito sob aplauso geral do mercado e da mídia, levou o país a uma crise imensa, especialmente devido à escassez de divisas externas. A Argentina quebrou por falta de dólares, o que levou a uma explosão do câmbio que gerou uma enorme inflação e desarranjou o tecido econômico e social do país. 

A analogia com o Brasil não se sustenta já que o país, desde o governo Lula está sentado em cima de reservas cambiais robustas que preveniram as crises recorrentes desde os anos 80. Então, como estabelecer essa comparação?

Simples: recorre-se ao “suponhamos que” e estará resolvido. Suponhamos que o ponto inicial da crise da Argentina foi o descontrole fiscal e, pronto!, já podemos montar nossa analogia.

Um parágrafo interno do artigo ameniza a manchete.

“Isso não significa que o Brasil vá quebrar como a Argentina em tão pouco tempo, mas indica que há uma tendência de deterioração fiscal que pode acabar em descontrole, como no caso argentino, e com a consequente ruína política do presidente”.

A mensagem do PCC era a de que “ou solta nossos líderes ou mataremos todos”. A mensagem do “mercado” é, ou respeita o Teto ou haverá o destino manifesto de repetir a Argentina de Macri. E sua voz chegou ao poder através da pitonisa Malu.

Pouco importa se o manifesto do PCC é falso ou se não há relação causal entre estouro do teto e inflação. O que importa é o efeito da ameaça, que não será amenizada por um parágrafo com três linhas. É a mesma coisa que o jacaré da vacina, de Bolsonaro. Se o distinto público acreditar, pouco importa se a relação é falsa. Basta acreditar, para se atingir o efeito de fugir da vacina.

No caso da Lei do Teto, se não houvesse a chantagem explícita da mídia, não haveria efeito nenhum sobre a inflação. 

O jogo da inflação

Vamos por partes, para entender o jogo.

Qualquer teoria, para ser correta, precisa passar pela “prova do pudim”. Isto é, conferir o que se passa no mundo real, se os agentes se comportam como a teoria preconiza.

Há três universos a serem analisados: o das moedas em circulação, o da dívida pública e o dos bens e salários da economia. Para financiar o estouro do teto, o governo tem dois caminhos: 

  1. ou emitir mais moeda ou 
  2. emitir mais títulos. 

No primeiro caso, o governo não paga juros; no segundo caso, paga.

Vamos ao segundo esqueminha: os três mecanismos que pressionam os preços, provocando inflação.

Mecanismo 1 – Custos de produção.

Mecanismo 2 – Demanda.

Mecanismo 3 – Expectativas.

Para emitir mais títulos, o governo aumenta os juros. Aumentando os juros, aciona o Mecanismo 1, o dos custos.

Vamos a uma continha bem simples para exemplificar.

Uma empresa gasta R $500 para produzir, R $1.000 para adquirir matéria prima. Como precisa adquirir a matéria prima antes de receber pela venda, toma crédito para capital de giro. Se paga 2% ao mês e o giro do estoque é de 3 meses, o custo será de R$ 61,21. E o custo final será de R$ 1.561,21.

Caso a taxa de juros aumente para 4% ao mês, o custo financeiro aumentará para R $124,86 e o custo final para R $1.624,86. 

Suponhamos que sua margem de lucros seja de 10% e ela produza 1.000 produtos. No primeiro caso, o preço final será de 1,72; no segundo, de 1,79, um aumento de 4,08% unicamente devido ao fator financeiro. Obviamente não somamos os aumentos das matérias primas também influenciadas pelo custo financeiro.

Custo de produção500,00500,00500,00500,00
Matérias prima1.000,001.000,001.000,001.000,00
Custo do estoque2%4%
Giro361,213124,86
Custo1.561,211.624,86
Margem10%156,1210%162,49
Preço1.717,331.787,35
Produção1.000,001.000,00
Preço de venda1,721,79
Aumento4,08%

Aí se entra no Mecanismo 2, a demanda. Ou seja, será que haverá consumidores em condições de pagar por esse aumento?

Se não houver, a única alternativa será reduzir a margem de lucro do produtor. Ela terá que cair para 6,08% para manter o mesmo preço do produto. Se não for suficiente, terá que derrubar mais ainda a margem. Se, ainda assim, não conseguir vender, quebra.

Pior: essa reação à alta de juros não se restringe à empresa em si, mas a toda a economia. Devido ao aumento de juros, toda a economia estará pior do que no momento anterior. Então não basta voltar aos preços do Momento 1 para conseguir colocar seus produtos. O desconto terá que ser maior, ou então, não se vende.

E ainda não se incluiu na história o Mecanismo 3, as expectativas. Incluindo, viramos todos jacarés.

Eu sei que não há demanda para alta de preços. Mas se o jornal diz que os preços vão aumentar, se eu não antecipar meus aumentos, serei apanhado no contrapé e não conseguirei repor os estoques. Quanto mais vender, maior será o meu prejuízo na hora de repor os estoques.

Quando Malu Gaspar diz que o estouro da Lei do Teto levará o Brasil a repetir a Argentina, pouco importa se a afirmação tem ou não base científica. Se a maioria acreditar, a profecia se realiza. E irão tratar de aumentar seus preços, mesmo vendendo menos, simplesmente porque acreditam que todos os preços estarão mais altos quando for repor os estoques. Então preferem aumentar os preços – e vender menos – do que manter os preços e as vendas.

Os juros e o jacaré da vacina

Assim como a vacina não torna as pessoas jacaré, a emissão de moedas não gera inflação em si. Sem a intervenção de Malu Gaspar, isso só ocorreria nas seguintes circunstâncias:

  1. A economia já está aquecida.
  2. A emissão provoca uma expansão no crédito, de empresas querendo ampliar ainda mais a produção.
  3. Com a economia aquecida, a ampliação da produção aquece mais ainda, impacta os salários e as matérias primas gerando inflação. E por que a inflação? Justamente porque, por suposto, a economia está aquecida, isto é, vendendo muito e permitindo o repasse dos preços.

Quando a economia está desaquecida, não há o repasse. Simplesmente porque não é a mera emissão de moeda que gera a inflação, mas as condições objetivas na ponta: isto é, a presença ou não de consumidores em condições de comprar produtos com preços reajustados. A não ser no caso da profecia auto-realizada da Malu Gaspar.

E quem pratica essas altas? Especialmente as empresas que têm poder de mercado.

Em suma, há uma enorme discussão teórica sobre os (não) efeitos da emissão de moedas sobre a inflação, em economias desaquecidas. Assim como uma enorme discussão científica entre vacinas e hidroxicloroquina.

Quando a discussão transborda para a discussão leiga da mídia, todos viramos jacarés.

Em 1929, o velho Joseph Kennedy dizia que, quando o engraxate de Wall Street começou a dar palpites de ações, a explosão estava próxima. No caso brasileiro, quando a Lei do Teto transborda até para as colunas políticas é hora de se pensar na diferença entre ciência e crendice.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Marcelo

- 2021-10-29 12:08:40

Concordo com a crítica ao uso da midia para validar ideias se fundamentação. Porém o mecanismo inflacionário se dá também porque não se pode abrir mão de produtos essenciais , logo a demanda é diferente de acordo com o tipo de produto ou serviço ofertado. Não existe produto substituto para agua luz telefone e comida básica. A inflação se dá pela combinação de aumento de custo progressivo nos setores essenciais e expectativa de mercado. Se a taxa de juros sobe em ambiente recessivo ou há grande emissão de moeda os setores que podem, obviamente repassam os preços e provocam o mesmo mecanismo inflacionario que vivemos na decada de 80. A qualidade dos gastos de governo/endividamento é o ponto fundamental, tratores são uteis para quem?

André-Kees Schouten

- 2021-10-27 08:05:08

"... uma enorme discussão científica entre vacinas e hidroxicloroquina. Quando a discussão transborda para a discussão leiga da mídia, todos viramos jacarés... é hora de se pensar na diferença entre ciência e crendice."

Sooppy

- 2021-10-26 19:58:01

Primeiro, a esquerda deveria definir o que o mercado quer, manter o teto de gastos ou juros altos, ambos não dá.. segundo, é inequívoco, a partir do teto de gastos os juros caíram, com o fim eles sobem, precisa desenhar? Nassif infelizmente aprendeu economia com conceitos errados. desde o começo, não muda mais.

daniel castro

- 2021-10-26 11:21:49

mas qual o erro dela? imagino que escrever sobre o que aconteceu a respeito do furo do Teto de Gastos é algo que qualquer jornalista deve ter feito. ela procurar informações para falar sobre não é errado, ou é? quando os operadores do mercado querem falar, eles falam, vide: https://braziljournal.com/opiniao-auxilio-populismo-e-a-falacia-do-10-x-0 são estes que devem ser rebatidos.

Maria Cecília louzada

- 2021-10-26 08:05:03

Pelas análises do "mercado" que tenho acompanhado parece que o discurso dos "especialistas" é uníssono em favor do atual governo, apesar das críticas (bem atenuadas) ao estouro do teto. Tipo ruim com ele, pior sem ele (leia-se com o PT). Óbvio não podem faltar os jargões tradicionais para iludir os incautos e dar aparência de credibilidade.

João Adolfo Barbosa Amaral

- 2021-10-25 14:41:45

Tem Malu, Aline, Mirian(globonews), e tantas outras e outros, com essa tática da catástrofe econômica se a Lei do Teto for descumprida. Porta-Vozes do "mercado".

Marco Vitis

- 2021-10-25 13:07:56

Nassif: a Malu Gaspar foi a "trombeta" dos tais "economistas" que defendem o Teto. Ela revela quem são os tais "economistas" ? Parece que não. Então, pergunto: por que Malu Gaspar permite ser instrumentalizada ? Não seria mais ético se ela entrevistasse os tais "economistas" e estes dessem a cara pra bater ? Tipo: o economista Zé da HP disse que... o economista João Excell disse que... Uma reflexão: qual a real contribuição dos jornalistas para a assunção das FakeNews ?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador