Operação revela aparelhamento da saúde na gestão Anastasia, por Luis Nassif

Deflagrada hoje em Minas Gerais pela Polícia Federal, a Operação Amphibia bateu em um dos esquemas de financiamento do grupo de Aécio Neves, e comprova o aparelhamento da gestão do ex-governador Antonio Anastasia.

A operação investigou desvio de recursos da Secretaria de Saúde do Estado no período 2012-2016. As duas empresas envolvidas têm participação direta em campanhas eleitorais, a Varkus para a campanha de Pimenta da Veiga ao governo do Estado, em 2014; a SP Evento Promocionais em campanhas para vereadores em Juiz de Fora, reduto do então Secretário de Saúde, deputado estadual Antônio Jorge, do PPS.

Os primeiros indícios das fraudes foram levantados pela Controladoria Geral do Estado (CGE). Depois, foram aprofundadas pela Controladoria Geral da União (CGU) e constaram de um relatório sobre a legalidade, economicidade e eficácia dos recursos federais no Estado. A análise identificou desvios e falta de efetividade na distribuição dos insumos, o que teria levado ao aumento dos casos de dengue no período.

As fraudes foram cometidas em eventos relacionados ao combate ao virus da dengue.

Uma das atividades do contrato consistia em promover eventos de campanha de combate à dengue em mais de 100 cidades.

Nessa modalidade de licitação, é contratada uma empresa incumbida de subcontratar eventos, sendo remunerada por taxa de administração.

A SP Eventos foi contratada em um leilão presencial. Perícia nas catracas eletrônicas da Secretaria da Saúde confirmaram 15 visitas de pessoas da SP no período imediatamente anterior à publicação do edital. Depois, mais de 90% das subcontratações foram com a empresa Varkus.

O referencial dos preços dos serviços, que serve de base para a definição do orçamento, se baseou apenas contratos das próprias Varkus e SP Promoções.

Investigações constataram elos entre ambas as empresas.

A gestora do contrato – e ordenadora de despesas – era a própria assessora de comunicação social da Secretaria, que era prima de um dos gerentes da Varkus. Por sua vez, a filha de um dos sócios da Varkus era sócia da SP Promoções.

Além do superfaturamento dos eventos, o golpe maior consistiu na simulação ocorrida na prestação de contas.No mesmo período, a Secretaria de Saúde e o Ministério da Saúde, através da CEMAIS, realizavam a mesma atividade, em campanhas contra dengue. Parte do golpe consistia em marcar os eventos da Varkus nos mesmos locais da CEMAIS. Na prestação de contas, fotografam o evento da própria CEMAIS e prestavam conta como se fossem da SP-Arkus. Só nesse tipo de golpe, desviaram R$ 27 milhões, dos R$ 68,58 milhões empenhados no projeto.

Até agora, a saúde era uma das vitrines da suposta gestão superior do governo Anastasia, que foi permanentemente contaminada pelos compromissos políticos do grupo de Aécio..

Psiquiatra, Antônio Rogério fez carreira no funcionalismo público, sempre na saúde pública. É um caso raro de militante da saúde pública envolvido em desvios de verbas

A assessora Gisele continua lotada em seu gabinete, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

 

6 comentários

  1. sendo do PSDB, merece uma

    sendo do PSDB, merece uma notinha no portal UOL, que desaparece em duas horas e nunca mais ouviremos falar. 

  2. Qual simulacao????
    Tipo

    Qual simulacao????

    Tipo “investir” um bilhao de reais na desesgotizacao do Rio das Velhas precisamente ao momento que eu esperei onibus por quase 1 hora ao lado dele com minha irma e estou farejando o cheiro de bosta o tempo todo?

    Foi essa?

    Ou foram as varias simulacoes com a Cemig?  Incluindo a simulacao na qual a Cemig perdeu varios bilhoes “investindo” em uma compania que menos que um mes depois perderia multiples milhoes em um “investments” especificamwnte arquitetado para ela perder dinheiro?

     

    Qual “simulacao”?  Qual delas???

     

     

     

  3. Antes do secretário citado já havia roubo

    Procurem saber sobre a gestão do deputado federal de extrema-direita, Marcus Pestana, na Secretaria de Estado da Saúde de MG.

  4. Errata: nome do secretário é Antonio Jorge não Antonio Rogério

    Errata: nome do secretário é Antonio Jorge não Antonio Rogério conforme publicado.

  5. Errata
    O nome do Deputado não está nas investigações. O Estado de Minas publicou uma errata: “Em um primeiro momento da divulgação desta notícia, o em.com.br citou o deputado Antônio Jorge como investigado na Operação. A informação não corresponde à verdade. Em contato com o parlamentar, Antônio Jorge afirmou que “não sou alvo da investigação” e que “sou a favor da apuração integral da denúncia, na vida pública temos de nos pautar pela transparência”. O deputado afirmou ainda que “se houve qualquer tipo de ilícito, que os envolvidos sejam punidos”.”

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome