Xadrez da reação da política e do início do fim do ciclo Lava Jato

 

Cena 1 – o quadro político atual

Têm-se um presidente, Michel Temer, com 5% de aprovação e com viés de baixa, apresentado a toda Nação como chefe de uma organização corrupta, que há vinte anos chantageia presidentes eleitos. Têm-se, também, o Congresso mais corrupto da história, ambos unidos para enfiar goela abaixo do povo reformas profundamente antissociais.

Além disso, um governo que não tem um plano de voo para recuperar a economia, reeditando práticas da ditadura, de manipulação de índices (https://goo.gl/lZG9Ud) .

Sem a menor sensibilidade política, Temer alardeia não ter popularidade, mas ter o Congresso na mão.

Monte a equação:

Governo corrupto, com 5% de aprovação + Congresso corrupto + reforma da Previdência com 90% de desaprovação + declarações de desprezo pelo eleitor = Xn

Onde

X = nível de agitação popular

n = a gradação dessa agitação

O X1 foi o quebra-quebra da policia civil no recinto da Câmara.

Qual será o X2? Invasão do Congresso pela turba? Cerco ao Supremo? A própria segurança do Planalto aderindo às manifestações?

Como reagirá a opinião pública vendo uma súcia desmontando o Bolsa Família, o Ciência Sem Fronteiras, o Luz para Todos e, ao mesmo tempo, fazendo negócios ilimitados nos Ministérios e no Congresso?

Esse repúdio a Temer, às reformas e à inação da política econômica está se estendendo para vários setores da sociedade organizada. Hoje, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que deu pleno endosso ao golpe, emitiu uma nota conjunta com a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) condenando a maneira como está se dando a reforma da Previdência.


 

Espera-se que estendam seu olhar misericordioso sobre a parcela não organizada da sociedade, os muito vulneráveis amparados pela seguridade social.

Cena 2 – a volta do pêndulo da política

O desgaste irreversível do esquema Temer está promovendo uma mudança no pêndulo da política.

Divulgada ontem, a pesquisa Vox-CUT (https://goo.gl/wUZ9Kr) explica em parte esses movimentos. E também a nova ofensiva da Globo contra Lula.

A pesquisa assustou pelos dados imediatos: Lula venceria no primeiro turno, seja qual for a composição de adversários.

Mas é mais significativa pelas informações adicionais.

Há sinais nítidos de que o movimento atual, em direção a Lula, não se arrefecerá mesmo com a nova onda da Globo. Aumentou para 66% (em dezembro era 58%), o percentual dos entrevistados que acham que Lula cometeu erros, mas fez muito mais coisas boas pelo povo e pelo Brasil. E caiu de 34% para 28% os que acham que ele errou muito mais do que acertou. Entre os eleitores radicalmente anti-petistas, Lula consegue 8% de aprovação, mais do que qualquer candidato individualmente, embora seja natural a dispersão entre os diversos candidatos da direita.

Volta-se de modo irreversível, segundo avaliação de Marcos Coimbra, do Vox Populi, ao velho leito do rio: um terço do eleitorado de esquerda, um terço anti-PT e um terço no centro. E há sinais nítidos de que os centristas caminham em direção a Lula. Tudo isso pela absoluta falta de legitimidade e de projetos do esquema Temer e do grupo de tecnocratas que assumiu a área econômica.

O que se pretende sem um projeto político minimamente viável? Tirar pela segunda vez o direito ao voto nas eleições de 2018, com a inabilitação de Lula? Ou começar a se pensar em um pacto que envolva um cenário de respeito às eleições?

Cena 3 – o retorno para o centro

Há sinais de que a elite empresarial paulista começa, finalmente, a se dar conta dos riscos embutidos nessa demonização da política e no desmonte social.

Leia também:  Não há produção de provas contra Lula em ação dos EUA contra a Petrobras, aponta MPF

Ontem, o mais influente – e discreto – dos líderes empresariais, Roberto Setúbal, no seu discurso de despedida da presidência do banco Itaú, falou sobre a importância de se reabilitar a função política e as diferenças fundamentais entre o gestor e o político (https://goo.gl/N0yoPB) . “Política é para políticos. Não dá para imaginar que um gestor competente vai solucionar os problemas do Brasil”, disse ele.

Há outros sinais no ar.

Associações empresariais influentes, como a ABDIB (Associação Brasileira da Indústria de Base) e a Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas) já se deram conta da destruição imposta ao país. Institutos influentes, como o IEDI (Instituto de Estudos de Desenvolvimento Industrial) voltaram ao leito da indústria, depois da gestão desastrosa de Pedro Passos. E em breve se tornará mais explícita a reação dos associados da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) em relação a um presidente aventureiro e irresponsável.

Estão se dando conta de que a destituição de uma presidente legitimamente eleita – mesmo com todos seus erros – e a tentativa de destruição de um partido político, desequilibraram todo o sistema político institucional do país, eliminaram os amortecedores para a Lava Jato, permitindo a maior destruição de riqueza da história. E abrem espaço para que um poder maior se apresente. Vestindo coturnos.

Enfim, começa a nascer uma consciência de que a radicalização levará a uma situação insustentável. O que significa que o ciclo Lava Jato bateu no teto e começa a refluir. A incógnita é o ritmo em que se dará essa volta à racionalidade, sem soar como perdão aos corruptos.

São os primeiros indícios, por enquanto. A ojeriza em relação a Dilma, que se apossou do empresariado, ainda é um obstáculo relevante para as propostas de pacto nacional.

E há os grupos de interesse para manter o status quo penal.

Cena 4 – os fatores de resistência: o MPF

O primeiro grande fator de resistência é a própria Lava Jato e a Procuradoria Geral da República. No início, não se bicavam. Depois, quando o PGR Rodrigo Janot abandonou definitivamente o barco de Dilma Rousseff, se deu conta que precisava da Lava Jato para preservar sua influência na PGR. Hoje, a Lava Jato conduz e Janot é conduzido. Mas ambos tocam a mesma partitura.

Como cada PGR tem o poder de indicar uma boa quantidade de procuradores para cargos de confiança, a mudança do Procurador Geral significaria a substituição de toda a equipe. Cria-se uma solidariedade em torno de interesses do grupo, que acaba alimentando a radicalização e contaminando toda ação da PGR.

Na medida em que pressentem o fim do ciclo, observa-se a perda de rumo nítida, cujo ponto de ruptura foi a vingança do juiz Sérgio Moro contra o blogueiro Eduardo Guimarães.

Ontem, quase com certeza a PGR vazou para o Estadão os tais inquéritos sigilosos do Ministro Facchin. Depois, virão as delações da OAS e Andrade Gutierrez, a de Antônio Palocci. Hoje, a notícia do pedido de prisão de Cláudia Cruz visando pressionar o marido Eduardo Cunha a abrir o bico.

Não tenho a menor simpatia por Cunha, acompanho e denuncio sua história de corrupção desde o governo Collor, sou alvo de três ações judiciais dele. Mas, convenhamos, o método empregado pela Lava Jato é o mesmo dos torturadores. Aceitar essa atitude é convalidar a posição do TRF4 e do inacreditável Ministro Luís Roberto Barroso, hoje o principal apologista do obscurantismo penal e da ofensiva contra o Estado de Direito 

O problema é que cada vazamento produz um estrondo que é abafado, no decorrer da semana, por outros fatos, dentro da rapidez que caracteriza esses tempos de jornalismo online. Então há a necessidade de produzir cada vez mais fatos, comprometendo cada vez mais a imagem do MPF e abreviando o ciclo punitivo.

Leia também:  Vaza Jato: o lobby de Deltan com a amiga de Eike Batista

Após a bomba atômica irresponsável dos inquéritos vazados da tal lista de Janot, tudo o que vier depois é track.

Por outro lado, a irresponsabilidade de Janot nos vazamentos deu coragem para o Senado acelerar a aprovação do projeto de lei contra os abusos do Judiciário. E de autoria de um senador, Roberto Requião, imune a ameaças e chantagens.

A reação dos procuradores da Lava Jato, insuflando a opinião pública contra o Senado, é típica desses ianques na corte das celebridades, que não conseguem pensar estrategicamente o dia seguinte, limitando-se a descarregar automaticamente o trabuco em qualquer vulto que passe na porta do saloon.

Sua ação contra o Senado é uma desmoralização não do Senado, mas dos órgãos superiores do próprio Ministério Público, expondo de maneira ostensiva a falta de instrumentos internos de controle tanto do Conselho Superior do MPF quanto do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público). O MPF cindiu-se em vários coletivos atuando autonomamente, sem nenhuma forma de controle interno.

 Que corporação resiste a uma indisciplina dessa grandeza? Em algum momento, os conselhos superiores terão que interromper essa escalada irresponsável de Janot. Cada demonstração de força, cada vazamento é um prego a mais no caixão da autonomia do MPF.

A atual geração de procuradores já carregará, para sempre, a mancha de ter sido responsável por um estupro da Constituição. Arrisca-se a ser responsabilizada, no futuro, pelo fim da autonomia do Ministério Público.

De qualquer modo, a aprovação da Lei Anti-Abuso colocará um pouco de ordem na gafieira, obrigando juízes e procuradores a falar apenas nos autos.

Peça 5 – os fatores de resistência: a rede Globo

esultado de imagem para Capas de Veja

O fator de resistência maior, no entanto, continua sendo a Globo.

Na mídia, Veja e Folha, mesmo mantendo a postura agressiva com o PT, começam a emergir do pesadelo em que se meteram, quando aboliram qualquer veleidade de princípios jornalísticos para exercitar o pior jornalismo de esgoto que o país testemunhou desde os anos 50. Até a Época refluiu na competição por escândalos com a Veja.

Nesses anos todos, a Globo emergiu como a maior vencedora, conduzida pelo talento – reconheça-se – de Ali Kamel. Esqueçam Noblat, Merval, Mirian e bancada da Globonews. A orquestra é comandada com mão de ferro por Kamel, que impõe a partitura, o andamento, o espaço para o solo de cada um, errando muito pouco no período.

Escrevi certa vez que a Globo era a maior não apenas pelo tamanho, mas pela visão estratégica.

Nesses anos de chumbo, o trabalho sujo era realizado preferencialmente pela Veja e Folha, um pouco pelo Estadão. A Globo limitava-se a repercutir no Jornal Nacional, preservando não a isenção, mas ao menos a qualidade jornalística.

Enquanto todos os grupos jornalísticos experimentavam profundo desgaste, e se esfalfavam disputando o mesmo público de ultradireita, perdendo o leitor mais qualificado, sem a menor visão de estratégia comercial – como a da Folha nos anos 80, jogando no contra-fluxo – a Globo se apropriou de fatias cada vez maiores do bolo publicitário e se tornou, de longe, a maior influência jornalística, inclusive no meio dos leitores mais qualificados.

A grande incógnita é saber o que ela quer. Levar o país a uma situação insustentável? Convalidar a parceria cada vez mais estreita entre a Lava Jato e movimentos de ultra-direita, como o MBL (Movimento Brasil Livre)? Expor ainda mais seus superpoderes? À medida em que Abril, Folha e Estado definham, aumenta exponencialmente a sensação do poder absoluto do grupo.

Para onde a Globo for, ela arrastará parte do Ministério Público e alguns Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), como Luís Roberto Barroso, cuja visão de mundo tem a profundidade de um programa de debates entre jornalistas da Globonews.

Leia também:  Receita para aguardar 2021 e a reconstrução do multilateralismo, por Luis Nassif

Até o momento, ela continua firmemente empenhada no jornalismo de guerra.

Peça 6– fora Temer!

O primeiro passo para um ensaio de reconciliação, que permita eleições livres em 2018, e a diluição da guerra fratricida atual, será a saída do esquema Temer do poder.

Qualquer coisa é melhor, um governo de transição, um sucessor anódino ou ativo. A manutenção da camarilha de Temer, a esta altura, é irresponsabilidade geral.

No período do impeachment, o Supremo recusou-se a analisar o mérito da posse, alegando que não havia o chamado periculum in mora, os riscos advindos de uma decisão tardia.

Agora se tem um quadro nítido, não apenas de um governo não eleito impondo uma agenda rejeitada pela maioria dos eleitores, mas um assalto escancarado ao país, sendo abertamente negociado no Congresso e nas estatais e um país partido ao meio, jogando fora o grande legado político das últimas décadas, que foi a incorporação dos movimentos sociais ao quadro institucional.

Há duas maneiras de extirpar o estigma Temer.

Uma delas seria o Supremo acolher a manifestação de José Eduardo Cardoso, incluindo a admissão de Temer na entrevista à TV Bandeirantes, de que a abertura do processo de impeachment foi um ato de vingança de Eduardo Cunha.

A segunda, o julgamento pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Em vez de pressionar para aprovar medidas que colocam fogo no país, se poderia aproveitar a fragilidade do Congresso para objetivos mais nobres do que as possíveis chantagens da PGR com sua lista infinita e poder de escolher quem será processado. Por exemplo, impor a reforma política.

No pé do post há duas entrevistas importantes sobre o tema, com Aldo Arantes, do Comitê de Mobilização pela Reforma Política, e o procurador da República Augusto Aras, especialista no tema.

Os pontos centrais da reforma são:

  1. A instituição de barreiras de entrada, para impedir a proliferação de aventureiros.
  2. Regras claras de democratização dos partidos, acabando com as comissões provisórias, que controlam a maioria absoluta dos diretórios municipais.
  3. Proibição de coligações proporcionais e de comercialização do tempo de televisão.
  4. Só então, instituir a lista fechada.

Peça 7 – o pacto Lula-FHC

O passo seguinte será a definição de alguma forma de acordo entre Lula e Fernando Henrique Cardoso.

Lula terá o desafio de reunificar parte das esquerdas e movimentos sociais. FHC, o desafio de desarmar a direita e, principalmente, de abrir os olhos da TV Globo para a boca de jacaré que está se abrindo na opinião pública.

A parte mais aguerrida do PT foi afastada com o mensalão. Os templários do PSDB – Serra, Aécio, Aloysio -, com a Lava Jato.

Esse movimento de aproximação é previsível, mas ainda não se deu. A Folha prestou um desserviço supondo um pacto que ainda não houve.

Hoje, em Lisboa, FHC deu um passo graúdo, ao defender a legitimidade do voto como fator essencial de recuperação da credibilidade da política.

É um início tênue, mas um sinal sólido de que está se chegando ao fundo do poço. E o país só reage quando confrontado com o precipício.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

105 comentários

    • Apesar do discurso em

      Apesar do discurso em Portugal, desconfio que um pacto LULA-FHC em favor do Brasil não está previsto no PACTO.

      Praticamente consumada a pilhagem e o desmonte de direitos, pode até surgir um movimento de louvação a governo legitimado pelas urnas.

      E aí, nas urnas, está o “x” da questão.

      O ouro não será devolvido.

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

      • Se FHC mandou esquecerem o

        Se FHC mandou esquecerem o que ele escreveu, imagina um discurso rss  Os que mandam no país (Globo a frente) vão fazer passar as reformas que eles querem. As mudanças que vem ocorrendo com a proposta original do governo é o mesmo que dizer que o projeto original era construiur Aushiwitz, mas vai sair, pra tristeza de Miriam Sadenberg e afins, um presídio de Pedrinhas. Não dá pra dizer que isso é uma vitória. Os que mandam agora estão pensando é em pôr alguém que não irá desfazer essas reformas. Logo, Lula e Ciro não podem de jeito nenhum ganharem as eleições. Por isso os que mandam estão numa busca pra quem possa bater Lula nas urnas – e assim manter a fachada de democracia. Claro que, em um ano, Lula continuar nesse ritmo e mostrar que sua candidatura tem chance real de vencer, aí eles entram com uma impugnação via ficha limpa. Mas pra mim é muito claro = pros que mandam, Lula não volta nem morto à presidência. Se o preço disso for uma guerra civil, pouco importa. 

  1. LAVA JATO: DELAÇÃO OU

    LAVA JATO: DELAÇÃO OU CONVERSA PARA BOI DORMIR?

     

    Por Daniel Menezes, no Novo Jornal

     

    A delação da Odebrecht ganhou ares de novela. Seus executivos, instados a incriminar políticos, casta agora responsável por todos os males brasileiros, foram tranquilamente para as suas casas com planos sobre como gozar viagens nababescas e alegre aposentadoria. A estória está cheia de buracos e de emendas porcamente alinhavadas. A narrativa é de folhetim porque juntaram venda de projeto de lei com reles relatos de “bom relacionamento” e colocaram no mesmo bolo. Algo nada coerente, mas com claro propósito de colocar todo mundo em pacote semelhante e dobrar o sistema político.

    É impressionante, a levar em consideração os depoimentos dos delatores – ou como foram editados pela operação -, como bastava pagar propina ou doar grana em campanha para tudo acontecer. Todos os contratos superfaturados se abriam. Tem como acreditar neste papinho? Não há praticamente nenhuma referência a um jornalista – que relata tudo agora como se estivesse diante de flagrantes novidades. Por exemplo, foi um mistério descoberto só em 2017 pela imprensa que candidatos nânicos se vendiam em debates para afagar os mais chegados -, juiz, membro de tribunal de contas e do ministério público. Ninguém mais atravessava o caminho da construtora. No jardim da infância das delações judiciário, ministério público, imprensa, etc, são instituições imunes.

    As obras bilionárias da odebrecht foram todas aprovadas pelos tribunais de contas. Hoje, sabemos que os critérios contábeis eram bastante precários. Aditivos, valores duplicados, obras que se arrastavam não despertaram qualquer suspeita. As cortes de contas, ministério público e o judiciário não perceberam nada? Ninguém reparou nelas? Ao pagar para o político, ele entrava de madrugada nos prédios dos entes reguladores e mexia nas planilhas sem ninguém perceber? Na lógica da delação da odebrecht, o entrave para roubar estava apenas na política. 

     

    A tese aparentemente autocrítica da ex-ministra do STJ, Eliana Calmon, apresentada em entrevista neste último final de semana ao jornal Folha de São Paulo é sintomática. Funciona assim: a lava jato ainda não alcançou os togados e precisa chegar. O judiciário foi poupado, ela mesmo reconhece. Mas é bom que seja assim, diz a candidata derrotada ao senado em 2014. Primeiro os políticos. Depois o judiciário, fala ela com ares estratégicos de combate à corrupção. Essa história de primeiro um e depois outro lembra a lorota: primeiro a Dilma depois os outros. Deu no que deu. Vale não suavizar que ela recebeu 300 mil da odebrecht quando candidata na Bahia. Só que no caso dela é diferente, argumenta. Na situação dos demais é tudo igual?

     

    Nem o homem dotado da mais inquebrantável fé encontra elementos para confiar na teologia salvacionista odebrechtiana. A Odebrecht organizou placidamente um departamento de propina. Mas nas suas delações a diferença entre o estado de natureza da política, onde o homem é o lobo do homem, contrasta com um mundo civilizado no qual a Odebrecht, patrocinadora dos principais eventos de juízes e gigante da publicidade em blogs, portais, rádios e tvs, fez tudo dentro da maior legalidade. Nunca, nunca uma propaganda foi posta numa tv ou num portal por pedido de terceiro ou por pressão alheia. Apenas a revista Carta Capital, crítica da operação lava jato, é citada. Eventos eram bancados pela empresa com fins superiores, conforme pode-se entrever na possível omissão de fatos e acontecimentos nas demais searas de atuação da construtora. De acordo com os relatos só na política há corrupção. 

     

     

    A aparente “faxina” perpetrada pela operação Lava Jato embala algo mais profundo: uma mudança no eixo de poder no Brasil. Os crimes são muito graves e merecem punição objetiva. Mas há uma agenda sendo empurrada por aqueles que empunham vassouras. É onde mora o perigo. 

    Os critérios da escandalização são bastante seletivos. Não há problema no fato da política ter sido jogada no lixo. Porém, um terço do primeiro escalão de Temer está envolvido em acusações de recebimento de propina, venda de medida provisória, etc. Muitos com várias acusações em diversas escalações. Os ministros estão feitos bebados em ladeira. Basta empurrar que eles saem rolando e fazendo estrago. Só que agora não interessa. A faxina deixa alguns cômodos sem ver limpeza. 

    Querem um governo e um congresso enfraquecidos, mas que votem projetos sem qualquer anteparo eleitoral. Nenhum candidato com a agenda hoje patrocinada por Michel Temer chegaria sequer ao segundo turno, muito menos ganharia. Como Temer não liga para voto, a moeda da democracia, segue mudando o Estado ao arrepio do que pensa o cidadão. E eles irão tentar sobreviver, votando e muito. As reformas serão aceleradas e não o contrário. O fosso entre o representante e o representado só aumenta. É a senha para serem poupados do canal de lama construído pela cobertura sobre à Lava Jato. É a essa correlação de forças que colocar todo mundo no mesmo pacote interessa. Fazer com que gente sem voto tenha mais poder sobre quem tem voto. 

     

    É uma covardia, cito uma situação específica, “listar” Katia Abreu junto com Renan Calheiros. Ele é acusado de vender aprovação de projeto de lei. Ela de receber caixa 2 com uma reclamação do delator de que nunca o ajudou em nada ilícito. Além de enfraquecer a atividade política, beneficia quem de fato cometeu crimes de maior poder ofensivo. Calheiros foi livrado pela estratégia de divulgação de meros investigados ainda.

    (A ironia está aí. Todo político foi posto na lama. Por um lado, são pintados como capachos de empreiteiras. Por outro, não tem problema algum que eles continuem votando e privatizando a partir de uma agenda de reformas sem qualquer apego ao ente que endossa o poder soberano – o povo)

    Vamos pagar muito caro pela forma como a Lava Jato está sendo encaminhada – privatizações, venda de ativos e reformas serão empurradas por trás dessa história, com clara preservação de potentes corporações que receberam sinal verde para depenar ainda mais o Estado. Os privilégios gozados pelo Ministério Público e o Judiciário, defendidos a luz do  dia com um lobby desavergonhado – no que aplicar o abate teto salarial como manda a constituição irá atrapalhar à Lava Jato? -, fazem o roubo da Odebrecht parecer coisa de menino buchudo.

    As próximas gerações terão um elevado custo para arcar com o processo de demonização do Estado. E quem vai lucrar serão os que plantam inferno para colher o paraíso para eles que representará agora não cultivar nenhuma preocupação com proteção social e combate à desigualdade. O tempo é senhor da razão e quando a sanha histérica que acomete o Brasil revelar a arapuca que significou o seletivo desenrolar de uma importante operação investigativa teremos a exata dimensão do estrago. Vamos pra frente.

    • Se todos os traidores da

      Se todos os traidores da pátria fossem mortos, seriamos 90 milhões em ação de novo fácil, fácil !!!

      O Povo Brasileiro MERECE no mínimo, O DOBRO de tudo o que está passando.

      Pena que eu terei que pagar com esse povo calhorda, lesa pátria e cretino.

      Se o Brasil tivesse povo, Temer nem era presidente.

       

  2. O butin seremos nós o povinho

    Acordo, pacto, negociação, seja que diabo for entre FHC e Lula ou quem quer que seja terá como butin a ser retalhado, nós!

     

  3. Lula x FHC

    Acho muito difícil Nassif a união entre esres dois personagens políticos.Lula é um homem bom, de origem pobre, inteligente, mas simples. FHC é intelectualizado, soberbo, extramamente vaidoso. Seus partidos defendem lados opostos. aliás foi o Aécio, derrotado nas urnas que não aceitou a derrota e ingressou com um pedido de anulação da chapa Dilma -Temer no TSE,E agora, se esquece tudo isso? Lula precisaria ter a grandesa de um Gandhi, de um Buda,de um Prestes para depois de ser magoado,humilhado,aceitar fazer acordo com o responsável pelo seu sofrimento que já dura 3 anos. É pedir muito dele.

    • Marcia, Lula não precisaria

      Marcia, Lula não precisaria só ter uma grandeza a la Gandhi. Teria que achar que FHC não o trairia no meio desse pacto. E pra  crer nisso, Lula teria de se valer de uma ingenuidade igual a que ele teve de acreditar que, dando o dinheiro que a globo queria, via verba estatal de publicidade, ela não faria o que vem fazendo com a imagem dele. Um pacto Lula e FHC só prejudicaria Lula. Muitos que vêm apoiando e sofrendo com o que ele passa veriam isso como uma traição e deixariam de apoia-lo. Como já escrevi aqui, pacto Lula-FHC lembra a fábula do escorpião que pediu ao sapo para levá-lo para o outro lado do lago. O sapo disse que não porque o escorpião o picaria. O escorpião explica que não teria sentido fazer isso, porque se ele matasse o sapo, os dois afundariam. O sapo viu lógica na explicação e concordou. No meio da travessia, o sapo sentiu a picada e afundando pergutnou por que o escorpião fez isso e ele explica que não pode fugir à sua natureza. 

       

  4. saída legítima

    Só acredito na saida legítima que é a anulação do golpe,fortalecimento da DEMOCRACIA com Dilma anulando todos os tresloucados atos de Temer, refazendo o ministério, colocando Lula na Casa Civil, e os dois preparando a eleição 2018, ganhe quem tiver mais votos. ISSO É O CAMINHO CERTO !

  5. Pacto com gilmar ( psdb mt )

    Pacto com gilmar ( psdb mt ) e o moro ( psdb pr ) atuando livremente? Assim não pode,assim não da!

  6. Mais uma brilhante análise,

    Mais uma brilhante análise, Nassif. Parabéns! E só quero deixar registrado que enquanto a Globo existir a democracia entre nós sempre estará sob ameaça. E digo mais, enquanto a Globo reinar não haverá país viável!

  7. Mais uma brilhante análise,

    Mais uma brilhante análise, Nassif. Parabéns! E só quero deixar registrado que enquanto a Globo existir a democracia entre nós sempre estará sob ameaça. E digo mais, enquanto a Globo reinar não haverá país viável!

  8. Pacto FHC-Lula?  Dois

    Pacto FHC-Lula?  Dois morto-vivos políticos?  Seria uma ressurreição satânica retirarmos do  Lula e FHC – esse casamento do analfabetismo econômico com o obsoletismo ideológico – do lixo da história para o palco do poder. Isso já foi feito em 2005 e o resultado está aí para todos ver.

  9. Globo e Lemann

    Nassif,

     

    tenho uma sensação, apenas uma sensação, que a Globo não se move por causa de seu patrocinador maior, Lemann, que está envolvido até o pescoço na criação dos grupos que ajudaram a fomentar o golpe. Creio que vale uma investigação sobre o papel deste bilionário querendo impor sua visão de mundo ao Brasil.

    • Alias esta demorando a

      Alias esta demorando a botarem as mãos nesse Lemann.Esse é envolvido até o pescoço com o serra.

    • Grupo Ultrapar

      Outro grande patrocinador que lembrei é o grupo Ultrapar (passa no posto ipiranga!). Estão recebendo a distribuidora da Petrobras na mão grande e foram grandes apoiadores dos golpes (64 e 16). Outro grupo que deveria ter uma lupa colocada em sua atuação.

  10. Pacto entre FHC soa como a

    Pacto entre FHC soa como a fábula do escorpião que pede ao sapo pra ele levá-lo nas costas na hora de atravessar o lago. Não preciso dizer quem é o sapo e quem é o escorpião. 

    E cá entre nós = que força tem FHC em influenciar a Globo? A Globo sabe muito bem o que quer e o custo que isso pode ser ao país. E um objetivo da Globo é claro = Lula e Ciro não chegam ao poder e ponto final. 

  11. Nao interessa o que voce

    Nao interessa o que voce oferecer a escorpioes, Nassif.  Voce vai sempre ser ferroado:  eh a natureza deles.  Yeah…  eu vi com os proprios olhos.

    Que Lula se lembre disso quando esse “pacto” com FHC aparecer.

  12. Eu também, um dia, acreditei

    Eu também, um dia, acreditei que algum tipo de pacto com essa gente fosse possível. 2016 provou categoricamente que não. Eles devem ser destruídos a qualquer custo. Enquanto eles viverem o Brasil jamais será uma nação.

  13. Xadrez confuso e colorido demais

    O jogador do outro lado da mesa se esconde, mas, as ações e fatos convergem para um único ponto, assim como também ocorre em outros países da América latina, onde está em jogo a democracia popular em países em vias de desenvolvimento. No tabuleiro de xadrez há pião, torres e até rei e rainha, de cores diferentes e confusas, mas assim e tudo há uma mente por trás que dirige o jogo, como o “X0” da equação do Nassif, que se crava no eixo e faz de pivô para as outras variáveis gerarem o polinômio dinâmico da realidade virtual. Mas, como dito, falta a origem.

    Não há lógica local (entendida apenas localmente) para um governo tão impopular e um congresso tão desligado da sociedade vir a empurrar goela abaixo do povo este tipo de reformas. O único que explica é a pressão de outro poder, que não o poder do voto popular. Congressistas de rabo preso perderam o medo do voto popular e agem com medo do verdadeiro poder que manda no Brasil, cujo rosto é da rede Globo, cujas mãos são da lava-jato, e cujo cérebro (e bolso) está fora do Brasil.

    O jogador por trás

    Nenhuma reação será bem sucedida se não é corretamente identificado o jogador que está por trás das peças do xadrez, no outro lado do nosso tabuleiro. O resto é só consequência, e tudo caminha para o mesmo lugar: acabar com movimentos de esquerda nacionalista, aprofundar com o neoliberalismo, impor as reformas neoliberais (que pelo voto popular nunca sairiam), preparar este e outros países-colônia para a nova fase de dominação mundial que surge no mundo, depois da crise da globalização e da perda de controle do poder financeiro, estando este ainda posicionado dentro de território dos EUA. A união Europeia e a China geraram regiões autônomas deste poder global; os países árabes se resistem ao shopping Center, sobrando América latina como receptor natural de consumo de bobagens, visitantes de Disney, e de provisão de matérias primas.

    A nossa bandeira unificada

    O único que poderia responder à altura e, ainda, com chances reais de vencer em favor do Brasil e os brasileiros de coração, é o povo unido com uma bandeira focada e enxuta, como a do Brizola, de 30 anos atrás. Bandeira que foi herdada de Getúlio e Jango, mas que foi sendo um pouco desfigurada com o tempo, paradoxalmente (e espertamente), pelo próprio poder global que combatemos.

    A bandeira do Brasil, o “X0” da nossa equação, recebeu complicadores da esquerda global (que é a quinta coluna do neoliberalismo), aquela esquerda de boteco em Paris. Estas correntes foram tirando parte da base popular e levando o povo, inconscientemente, para a direita local (que não é a mesma direita dos países desenvolvidos). Pelo lado verde surge a candidatura da fadinha da floresta (Marina), embora bem apoiada pelo Itaú e Natura. Pelo lado arco-íris, são turbinados os movimentos de esquerda comportamental, matando dois coelhos de uma vez, tornando uma esquerda dividida e caricata, cuja ação gera exatamente o efeito contrário, qual é afugentar o povo pobre mais conservador (dos setores evangélicos), e que hoje apoiam gratuitamente o Bolsonaro. O xadrez está confuso, falta definir bem as peças brancas e as pretas.

    A Luz sobre o Jogo

    Ao retirar aqueles vetores coloridos X1 e X2, assim como outros (Xn), do nosso lado da equação, fortaleceríamos a nossa bandeira e teríamos chances reais de ganhar, de salvar o povo, de salvar a nação brasileira. No futuro, com a pátria salva e desenvolvida, viveremos conversas simpáticas, de gente de diversas cores, num boteco de Leblon, que poderia ter até três banheiros e cardápio de comida natural. Aí poderíamos brindar.

    Mas, para chegar até lá, devemos primeiro entender a origem que nos une, assim como tentar entender a origem das forças que hoje tentam dominar o Brasil. Para vencer devemos jogar luz sobre as trevas que escondem com cores estranhas tanto o poder que nos domina como os nossos próprios sonhos de libertação.

    • Xadrez da reação da política e do início do fim do ciclo Lava Ja

      o problema não está no multicolorido do xadrez, e sim em escolher a bandeira errada.

      -> Nenhuma reação será bem sucedida se não é corretamente identificado o jogador que está por trás das peças do xadrez, no outro lado do nosso tabuleiro.

      não seria exatamente um exagero considerar toda a economia formal como mera fachada para um vasto e profundo mercado negro mundial, do qual o sistema financeiro faz a legalização dos lucros e deles se apropria em sua quase totalidade. ou seja, o Black Market é propriedade da Tirania Financeira Global.

      é nestas raízes profundas do Deep State e de USA Incorporation, e em sua ramificação pela lumpenburguesia brasileira, que se encontrará o mapa do caminho do golpeachment. seus formuladores, seu objetivo, sua estratégia, seus patrocinadores e seus operadores. todos integrantes do mega cartel globalizado do grande business mundial.

      -> é o povo unido com uma bandeira focada e enxuta, como a do Brizola, de 30 anos atrás. Bandeira que foi herdada de Getúlio e Jango,

      correto, desde que a bandeira seja atualizada. não mais o nacional-desenvolvimentismo, e sim uma plurinacionalidade geradora de qualidade de vida. não mais o crescimento econômico e sim o Bem Viver.

      abaixo o colonialismo e o patriarcado. não ao extrativismo e ao racismo. por Direitos Humanos e Direitos da Natureza articulados numa igualdade biocêntrica.

      esta é a grande questão para a fundação de um novo Brasil: uma profunda mudança de paradigmas.

      p.s.:

      vindo de baixo e indo à Esquerda, assim será fundado o Brasil.

      vídeo: De Chiapas ao mundo: a mensagem de apoio do subcomandante

      [video:https://www.youtube.com/watch?v=jl8cupSakw%5D

      .

      • Utopia vs realidade

        Você prega a bandeira “.. não do nacional-desenvolvimentismo, e sim uma plurinacionalidade geradora de qualidade de vida. não mais o crescimento econômico e sim o Bem Viver”.

        Existe algum país no mundo que tenha atingido o nível do “bem viver”? Será isso possível?

        Acho que, considerando os atuais problemas do país, devemos “baixar a bola” e achar uma saída mais prática para nossos problemas.

        • Xadrez da reação da política e do início do fim do ciclo Lava Ja

          -> Acho que, considerando os atuais problemas do país, devemos “baixar a bola” e achar uma saída mais prática para nossos problemas.

          que tal você “baixar a bola” e se informar sobre o que é sumak kawsay, já que provavelmente esta é a primeira vez na vida que se deparou com a expressão.

          .

      • Marinou Arkx ??
        Eu até

        Marinou Arkx ??

        Eu até acredito que não-crescimento possa ser possível, mas não creio que isso seja aplicável ao BRasil.

        Para o Brasil ter uma economia que proporcione educação de saúde e qualidade, falta PIB e renda per capita.

        Acho que isso é uma discussão para Canadá, Suécia, Noruega… aqui ainda faltava muito antes de 0% do PIB terem virado pó nos últimos 3 anos, agora então, nem se fala.

         

        • Xadrez da reação da política e do início do fim do ciclo Lava Ja

          nada a ver o O Bem Viver com Marina e sua baboseira enganosa de “Capitalismo Verde” – o qual não passa de algo como os “bombardeios humanitários” dos EUA em sua “ajuda” à população do Afeganistão, Iraque, Líbia, Síria, Somália, Iêmen e, por que não dizer, Brasil.

          o sumak kawsay é um resgate dos saberes tradicionais dos povos andinos. foi traduzido como O Bem Viver, mas em bom idioma brasileiro deveria ser “De Bem com a Vida”.

          não falta PIB ao Brasil, como também não há déficit na Presidência. o que falta é melhor repartição de renda e patrimônio.

          qualquer proposta conseqüente de Esquerda deve considerar o sumak kawsay. aliás, Oswald de Andrade já sabia muito bem disto:

          “Contra a realidade social, vestida e opressora, cadastrada por Freud – a realidade sem complexos, sem loucura, sem prostituições e sem penitenciárias do matriarcado de Pindorama.”

          .

           

          • Bom, não sei muito sobre

            Bom, não sei muito sobre o sumak kawsay (PAra ser sincero, não sei nada).ACredito que poderia ser bse de uma experiência socialista totalmente diferente das que já existiram, mas creio que seria mais provável que isso viesse ocorrer em um país andino de fato (Pode ser uma sequencia de uma possível tentativa de golpe no equador).

            Quanto ao PIB, acho que é o tipo de coisa que não tinhamos para termos os tais hospitais padrão-fifa (acho que seria interessante ver comparação de PIB e renda per-capita do Brasil com a antiga URSS para ver se seria possível termos algo do tipo com o pib e renda per capita que temos hj). Mas se a bastilha dos bancos for invadida, vai sair um país tão diferenteque fica até dificil imaginaro desfecho…

          • Xadrez da reação da política e do início do fim do ciclo Lava Ja

            -> mas creio que seria mais provável que isso viesse ocorrer em um país andino de fato (Pode ser uma sequencia de uma possível tentativa de golpe no equador).

            prá você ver como estamos defasados no Brasil. o sumak kawsay não só não é nenhuma tentativa de golpe, como está na Constituição Equatoriana.

            “Nós, o povo soberano do Equador, reconhecendo as nossas raízes milenares, forjadas por mulheres e homens de distintos povos, celebrando a natureza, a Pacha Mãe, da qual fazemos parte e que é vital para a nossa existência, invocando o nome de Deus e reconhecendo as nossas diferentes formas de religiosidade e espiritualidade, fazendo apelo para a sabedoria de todas as culturas que nos enriquecem como sociedade, como herdeiros das lutas sociais de libertação diante de todas as formas de dominação e colonialismo, e com um profundo compromisso com o presente e o futuro, decidimos construir uma nova forma de convivência cidadã, em diversidade e harmonia com a natureza, para alcançar o bem viver, o sumak kawsay; uma sociedade que respeita, em todas as suas dimensões, a dignidade das pessoas e das coletividades; um país democrático, comprometido com a integração latino-americana – sonho de Bolivar e Alfaro -, com a paz e a solidariedade para com todos os povos da terra; e, no exercício da nossa soberania, na Cidade Alfaro, Montecristi, província de Manabí, assumimos a presente Constituição”

            Preâmbulo, Constituição Equatoriana

            .

  14. Pela Reforma Urgente do

    Pela Reforma Urgente do Capítulo IV, Seçãi I, Do Ministério Público da Constituição Federal (arts. 127 a 130) e pela reintrodução do texto da Constituição democrática de 1946 que lhes garantia suficientemente a permanência e independência funcional necessárias ao mister desenvolvido.

    Dentre os eqúivocos da CF atual quanto ao MP podemos assinalar:

    1 – tese corporativa e retórica emplacada

    2 – criação do que se acostumou chamar de um “monstro” (Sepúlveda Pertence, PRG – na ocasião da constituinte – foi o autor do capítulo concernente no (confuso, extenso e cansativo) AntreProjeto Afonso Arino

    3 – origem de um MP com poderes único no mundo democrático onde o governo, representando a vontade popular, decide as prioridades de ação do Ministério Público.

    “A responsabilidade da decisão é do político. Cabe ao funcionário público executá-la. O político responde publicamente por essa decisão, o funcionário público, não” (Fábio Kerche. Pesquisador da Fundação Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, e autor de Virtude e Limites: Autonomia e Atribuições do Ministério Público no Brasil :Edusp. Hoje em artigo no site Brasil 247).

    4 – simetria injustificável com a Magistratura

    5 – descaso com à Defensoria Pública, Procuradorias, Advocacia e Delegados de Polícia

    6 – d . escontrole admiinistrativos, governamentais, poíticos, democráticos e, consequente, politização da justiça abrindo fendas e brechas na imprescindível imparcialidade do Juiz

    ****

    Tudo isso deu causa a que a Lava Jato (politizada) permitisse a “maior destruição de riqueza da história”, o maior “assalto escancarado ao país” e, ainda, lançou “fora o grande legado político das últimas décadas, que foi a incorporação dos movimentos sociais ao quadro institucional”. Deu-se, indubitavelmente, o maior ataque à Soberania Nacional de toda a nossa história, antiga e recente.

    • E quanto ao judiciario,

      E quanto ao judiciario, Nilo?

      A maior burrada da CF eh o tal “transito em julgado” que causou engarrafamentos homericos nos ja esfarrapados trapos da justica brasileira.

      Ninguem no Brasil se deu ao trabalho de pesquisar constituicoes de outros paises pra saber em quantos deles isso existe!

      Em nenhum.  De fato, nao tem nem traducao pro ingles.

  15. Mais do que o prejuízo

    Mais do que o prejuízo causado pela aristocracia arrogante do MP tenho que o maior perdedor no final do processo de autofagia institucional atual será o poder judiciário, a aliança com a mídia e o justiceiro do califado de curitiba expôs o país a total insegurança jurídica.

    Não existindo democracia o primeiro cadáver é a lei, quem esquecerá a decisão do TRF4 de Porto Alegre decretando que moro pode tudo porque estamos numa situação de exceção? Essa decisão é como tatuagem nas costas do judiciário que deixa claro que o Brasil é um país irremediavelmente condenado a ser uma eterna republiqueta sul-americana.

    Por outro lado, não vejo no horizonte lideranças capazes de dar um basta a essa novela chata e pouco produtiva em cartaz há 3 anos chamada lava a jato, se a globo quisesse acabaria amanhã com o folhetim mas é pouco provável que os irmãos marinhos educados sob a batuta do patriarca anti-comunista histérico o faça a não ser que seja para salvar-se a si própria.

  16. Pois bem, assim o Ustra

    Pois bem, assim o Ustra morreu na paz, cercado de mesuras e rapapés, o pessoal do ministério público e judiciário também sairá dessa assim? A gente singanô, a gente não sabia direito? É isso, nos fodem e saem como enganados ultrajados?

    • o pessoal do ministério

      o pessoal do ministério público e judiciário também sairá dessa assim?

      Com certeza. Se a coisa feder, ou rola anistia, ou eles vão par Miami serem protegidos pelo governo americano. PAra prendê-los, só invadindo os Estados Unidos (Não vai rolar né ???)

      Se eu brigar e passar uma noite na delegacia, vou passar mais tempo na cadeia que todos os golpistas de 64 passaram juntos pelo golpe. 

      Ninguém vai ser preso. Nem todos vão morrer em paz por que na disputa entre eles, alguém fica pelo caminho, cai de avião, etc… mas os grandes vencedores, com certeza vão sair assim.

  17. Migalhas

    Pacto social e político remete à ideia de manutenção do status quo da plutocracia em troca de migalhas para as classes E, D e C, migalhas que são retiradas quando da menor ruptura do “pacto”.

    Isso foi mais ou menos o que aconteceu no Lulismo. Repetiremos a metodologia?

     

  18. Xadrez da reação da política e do início do fim do ciclo Lava Ja

    -> O X1 foi o quebra-quebra da policia civil no recinto da Câmara. Qual será o X2?

    o momento X2 já aconteceu: a Ordem do Mérito Militar concedida a Sérgio Moro, Dória, Luciano “Hulk” e William Waack. enquanto isto o Almte. Othon apodrece 43 anos na masmorra do condecorado. só mesmo uma cleptocracia ZioCon que perdeu totalmente o senso de realidade para agir assim. estão implorando: “Bastilha!  Guilhotinas!”.

    ->A pesquisa assustou pelos dados imediatos: Lula venceria no primeiro turno, seja qual for a composição de adversários.

    lamentavelmente o assunto Lula é praticamente impossível de ser tratado nesta área de comentários, dada as paixões raivosas que desperta em sua viúvas.

    é preciso distinguir com total clareza o político Lula (a pessoa não está em questão) do símbolo Lula. o que Lula simboliza quase sempre é antagônico ao político Lula. a popularidade que o político Lula desfruta no momento é tributária do que simboliza. mas como o político Lula concretiza muito pouco (o que tende a se agravar no cenário atual) do que simboliza, o apoio recebido não se sustentará, redundando apenas no aprofundamento da crise.

    -> Enfim, começa a nascer uma consciência de que a radicalização levará a uma situação insustentável. O que significa que o ciclo Lava Jato bateu no teto e começa a refluir. 

    São Paulo Ltda. jamais se convencerá que é o grande obstáculo para o amadurecimento do Brasil enquanto Nação minimamente viável. do mesmo modo o PT quatrocentão não tem a menor intenção de assumir-se como a grande pedreira no caminho de uma autêntica Esquerda brasileira (aliás, sem a qual o Brasil também não se viabiliza).

    portanto, é vital a perda de centralidade tanto de SP quanto das obsoletas lideranças Lulistas, a começar pelo próprio.

    ->A grande incógnita é saber o que ela [a Globo] quer. Levar o país a uma situação insustentável? 

    desde sua origem na Ditadura Militar, a Rede Global é uma agência de psi-op a serviço da Tirania Financeira Global. é comandada pelos ZioCons. seu maior negócio evidentemente não é mídia, e sim as mais profundas camadas da economia subterrânea.

    além disto, seu poder exclusivamente midiático é propositadamente hiper dimensionado pela Ex-querda, como um inquestionável álibi para justificar sua capitulação voluntária.

    o projeto de país da Rede Global é fazer do Brasil uma nova Síria, para que dê lugar a um mix de México com Porto Rico. destruir tudo para dos escombros erguer um sub-país. algo impossível de se viabilizar dadas as características do Brasil (extensão territorial, complexidade econômica, diversidade sócio-cultural).

    ->Há duas maneiras de extirpar o estigma Temer.

    ->É um início tênue, mas um sinal sólido de que está se chegando ao fundo do poço. E o país só reage quando confrontado com o precipício.

    tanto pelo STF quanto pelo STJ, ou qualquer que seja a via, só há uma possibilidade de superação da crise: a nulidade do impeachment. só que disto decorre também a nulidade de todos os atos do governo usurpador.

    não haverá recuperação da economia sem a adoção das duras, urgentes e necessárias “medidas populares”. só assim se viabiliza um novo pacto social: com patos e marrecos pagando a conta para colocar dinheiro no bolso da população.

    caso contrário, ainda haverá muito fundo neste precipício no qual continuamos nos despencando.

    .

  19. “Como reagirá a opinião

    “Como reagirá a opinião pública vendo uma súcia desmontando o Bolsa Família, o Ciência Sem Fronteiras, o Luz para Todos e, ao mesmo tempo, fazendo negócios ilimitados nos Ministérios e no Congresso?”

    “Por essa praia, essa saia, pelas mulheres daqui
    O amor malfeito depressa, fazer a barba e partir
    Pelo domingo que é lindo, novela, missa e gibi
    Deus lhe pague”

    A “opinião pública” tá nas mãos do Plim-plim.

  20. Meu palpite

    Meu humilde palpite é que o tal escorpião da fábula aprendeu a nadar num curso lá no exterior, faz tempo, e não está nem aí se o sapo se afogar…

    • O palpite pode até ser

      O palpite pode até ser humilde.

      Mas é certeiro.

      O “escorpião”  aprendeu a nadar e trabalha afinado com o pessoal do “curso lá no exterior”

  21. “FHC deu um passo graúdo, ao

    “FHC deu um passo graúdo, ao defender a legitimidade do voto como fator essencial de recuperação da credibilidade da política.”

    É fácil falar isso depois de conseguido o golpe desejado. Pena que FHC não era tão democrata quando o PT estava no poder ??

    FHC, depois que passar isso tuido, se for um democrata de verdade, enfia uma bala na própria cabeça por traição a nação.

    FHC é um traidor. Se Lula fizer um pacto com ele, que rompa, e o mande pra a forca que ele tanto merece.

    Afinal, o negócio de FHC era entregar o pré-sal. Depois de entregue e sem possibilidade de recuperação, e com sua política econômica escrita a ferro e fogo na constituição, é fácil querer paz…

    “Ei Lula, que tal desarmas os espíritos e garantirmos a paz ??? Agora que seu legado esta destrúido, o meu consolidado por décadas, e o pré-sal entregue. Mas não vá incomodar meus amigos estrangeiros querendo rasgar contratos. Bem menino, toma um ossinho.”

     

    • Parabens.
      Falta ao povo

      Parabens.

      Falta ao povo objetivo claros do que pretendem, foram às ruas como boiada e cegos seguindo um ponteiro que não disse para o que veio enem para onde iam.

    • Concordo.
      FHC não é o único

      Concordo.

      FHC não é o único que merece uma bala na cabveça ou uma ponta de corda no pescoço.

      Tem muitos no judiciário, na política e principalmente na globo.

      Não acredito que teremos eleições em 2018. as, se tiver e o Lula puder disputar e vencer, penso que ele deveria imediatamente cassar a concessão da globo e mandar prender os marinho.

      Crimes cometidos por eles é que não faltam como foi descoberto agora com a ajuda da própria lava rato.

      Alguns: sonegação, evasão de divisas, ocultação de patrimonio, destruição de área de preservação, conspiração, etc etc

  22. Vamos realizar outra

    Vamos realizar outra “redemocratização” sem punir os golpistas e parceiros da ditadura branca que se implantou a seguir? Não vai dar certo, é pedir outro golpe no futuro. É preciso escolher: ou se mandam às favas os escrúpulos e se destrói a globo, ou isto aqui nunca deixará de ser republiqueta de bananas. Destruindo a globo, muita coisa podre será levada junto.

    • Exato. Globo, Folha, OESP,

      Exato. Globo, Folha, OESP, Abril, FHC, Janot etc., golpistas em geral, são irrecuperáveis. Deixar que essa turma continue atuando é garantia de novas edições do mesmo golpe contra a independência, a prosperidade e a soberania nacionais. É preciso despedir-se das fórmulas que já se mostraram ineficazes com determinação monástica, saber cortar fora a mão que peca para não acabar sem mão nenhuma.

  23. Nassif, me perdoe,

    mas antes de ler teu texto, vou protestar e fazer um pedido:

    – por favor, não nos torture com a imagem deste boquinha de ânus de galinha botando ovo na capa do teu post.

    Obrigado.

    Agora vou ler o texto.

  24. Fomos acabar no Iraja…

    Pode ser que uma parcela da politica, empresarial e até da imprensa queira agora, que a agua bateu nos joelhos deles também, um pacto para que o Brasil saia do rumo que tomou. Mas conhecendo o Capital, eles não estão preocupados com democracia, estado de direito, constituição; nada que não tenha correlação com ganhos, não os interessa. Na França neste momento, muitos estão temerosos do resultado das eleições, porque tem-se a possibilidade de um segundo turno entre os extremos: direita e esquerda. E conhecendo os velhos burgueses ex-aristocratas e o Mercado, posso apostar meu picolé de piqui que eles serão capazes, ainda que indiretamente, sublinarmente, de apontar Marine Le Pen como melhor candidata, “mais confiavel” que Mélenchon. Ha alguns dias, fiquei surpresa com um comentario de François Hollande no tele-jornal da France 2, se dizendo temerario com o “populismo de Mélenchon”. No entanto, Hollande não disse o mesmo sobre Le Pen e o jornal também não… Nunca vi a direita suportar a esquerda, menos ainda apostar no que chamam de extrema-esquerda.

    Não acredito em Centro. O Nassif até pode desejar que se faça um centrão para colocar ordem neste momento nesse jogo que se desviou da politica e foi acabar no “Iraja”, mas não acredito em Centro para mudar nada. O Centro sempre foi aquele que ou cede a um lado ou cede ao outro. Uma espécie de PMDB.

    Neste quadro, qual o pacto que FHC proporia a Lula? Se o PSDB aposta todas as suas fichas na condenação de Lula para que possa então eleger seu candidato. Tanto faz se Alckmin faz parte dos grandes propineiros do Pais e que tenha, como muitos dentre eles, enriquecido ilicitamente.Tanto faz se Doria não passa de um boneco pernostico, o qual diria não estar tão distante assim de um pequeno vaidoso Mussolini.

    Esperar que haja manifestação nas ruas contra Temer e contra o possivel cancelamento das eleições 2018? Esperava reação contra o golpe final em Dilma e ela não veio… Com a Globo envenenando o brasileiro médio contra Lula e ainda tentanto salvar as aparências do errante navegante Temer, nos não teremos manifestações de massa em todo o Brasil.

    Para isso, seria preciso a união de varias classes, colocando nas ruas uma imensidão de pessoas e de entendidades para que se ponha fim ao moribundo governo Temer e se coloque um governo para organizar e dar as condições democraticas para que se realize as eleições de 2018.

  25. Ah, Nassif, brincadeira!

    Você ainda acredita que a “opinião pública” vai reclamar do fim de Bolsa Família, de Ciência sem Fronteiras, de Luz para Todos? Até parece que você não sabe que a opinião maciça dos coxinhas que promoveram e sustentam o Golpe é que Bolsa Família é bolsa-esmola, é compra de voto de vagabundo. Ciência sem Fronteiras é dinheiro público pra comunistinha universitário passear no exterior e Luz pra Todos é programa pra pobre do interior, eles que se explodam. Veja o caso de São Paulo, a Coxinholândia: se o Dória fizer fila pra dar na cara do povo é aplaudido, Haddad fez as ciclovias e foi escorraçado.

    O quebra-quebra no Congresso ontem foi localizado, foi uma demonstração de força das polícias, que conseguiram o que queriam, um alívio pra categoria na reforma da previdência. E só. No Serviço Público a reforma é tratada com no máximo piadinhas do tipo “meu enterro vai sair da repartição!”, mas ninguém esboça a menor reação ou indignação. Estão todos satisfeitos, se esse é o preço a pagar pro delenda PT, então eles pagam com alegria.

    Indignação com a corrupção era só com o PT. Tirado o PT, qualquer um pode fazer o que quiser que ninguém liga…

  26. Não sei se o FHC faria tal

    Não sei se o FHC faria tal gesto, que seria de uma grandeza que jamais demonstrou. Na democracia tal qual era antes do golpe, o PSDB não retomaria o governo tão cedo.

    O eleitorado tucano está na elite da burocracia estatal, este é o “colégio eleitoral” que elege tucano. Nem que seja por eliminação. Vão inabilitando daqui e dali até sobrar só Dória e os decorativos, entre eles a Marina e a idiota da Luciana Genro

  27. Refém

    A Globo também é refém do golpe.

    Lembram, no início da lava jato, o estouro das investigações da CBF e FIFA ?

    Ali a Globo entendeu o recado: dar suporte aos cruzados da moralidade.

    Custe o que custar.

  28. Quem vier depois e quer reverter as barbeiragens

    nas quais há, hã, “compradores” do patrimônio nacional, pode perfeitamente anular essas negociatas, com um argumento simples: estes negócios são nulos e sem direito a indenização alguma porque uma das partes é bandida.

    • Infelizmente, duvido que Lula

      Infelizmente, duvido que Lula seja homem para isso.

      Teve oportunidade para desfazer o legado de FHC e não odesfez.

      Taí a LEi Kandir, e a Vale que não me deixam mentir…

  29. “Qual será o X2? Invasão do

    “Qual será o X2? Invasão do Congresso pela turba? Cerco ao Supremo? A própria segurança do Planalto aderindo às manifestações?”

    Se o brasileiro não fosse um tremendo de um bunda mole ignorante o pau já tinha quebrado e estes golpistas da lava rato, PF, MPF mídia e federações empresariais já estariam todos na ponta de uma corda. 

    Pelo bundamolismo temos o que merecemos: F _ _ _ O.

  30. As doutrinações

    Há alguns anos atrás li uma matéria sobre a doutrinação dos americanos aos latinos onde falavam que o grande mal da corrupção na américa latina eram o executivo/legislativo gerenciarem e possuirem todo o poder e dinheiro no país o que obrigava as empresas a entrar em algum esquema de propinas para oferecerem seus serviços

    O mote pra acabar com a corrupção no país seria simples: passar todo o gerencimento dos recursos públicos pra iniciativa privada (não haveria mais razão para comprar políticos) e deixar o mercado auto-ajustar o país

    A ingenuidade do pensamento não me chamou a atenção na época, mas vendo todos os fatos recentes acredito que o judiciário brasileiro tenha comprado a idéia, isso explicaria muita coisa, incluisve o silêncio sobre a dilapidação do patrimônio público, a começar pela petrobrás e as reformas da previdência e trabalhista, cujos serviços passarão a ser realizados também por empresas (aposentadorias privadas e terceirizados)

    Como o Congresso se parece com um bando de ratos prontos a saltar para o mar para salvarem seus próprios rabos, a ideologia do entreguismo parece ser a mais condizente com a opinião do judiciário brasileiro, que domina o Congresso e a presidência, portanto, com a eleição de Lula esse projeto afundaria, e por isso o empenho da Globo (globo overseas investment bv) e do judiciário pra manter o ritmo das reformas e do repasse do patrimônio dos brasileiros à iniciativa privada e a demonização da iniciativa Lula para 2018

    O que não deixa de ser uma forma de corrupção mais elevada, porque o privado compra algo inestimável do público por uma ninharia e não deixa quase nada em troca no país, principalmente as multinacionais, contribuindo em muito pra nossa mexicanização…

     

     

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/09/1812830-temer-anuncia-concessoes-e-privatizacoes-para-2017-e-2018.shtml

    http://www.esquerdadiario.com.br/Wikileaks-EUA-criou-curso-para-treinar-Moro-e-juristas

    http://www.bbc.com/portuguese/brasil-38172725

    http://www.jb.com.br/pais/noticias/2017/01/10/brasil-e-o-pais-mais-espionado-pelos-eua-na-america-latina-afirma-julian-assange/

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/203590/OCDE-corrup%C3%A7%C3%A3o-eleva-licita%C3%A7%C3%B5es-em-at%C3%A9-50-no-Brasil.htm

    https://www.conversaafiada.com.br/abc-do-caf/globo-overseas-investment-bv

    http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2016/02/vale-registra-prejuizo-de-r-442-bilhoes-em-2015.html

    http://www.poder360.com.br/economia/carf-livra-itau-de-pagar-r-25-bilhoes-em-impostos/

    http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2017/03/23/terceirizacao-e-reforma-trabalhista-podem-piorar-situacao-da-previdencia/

    http://www.redebrasilatual.com.br/economia/2015/06/2018elites-sempre-fizeram-politica-tributaria-conveniente-a-seus-interesses2019-6638.html

     

     

  31. A destruição golpista

     

    …”Têm-se um presidente, Michel Temer, com 5% de aprovação e com viés de baixa, apresentado a toda Nação como chefe de uma organização corrupta, que há vinte anos chantageia presidentes eleitos. Têm-se, também, o Congresso mais corrupto da história, ambos unidos para enfiar goela abaixo do povo reformas profundamente antissociais.”…

    …”Há sinais de que a elite empresarial paulista começa, finalmente, a se dar conta dos riscos embutidos nessa demonização da política e no desmonte social.”…

    …”Associações empresariais influentes, como a ABDIB (Associação Brasileira da Indústria de Base) e a Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas) já se deram conta da destruição imposta ao país.”…

    As inquestionáveis sinalizações acima, somadas as incontáveis outras mais, indicam o estado de aprofundada decadência econômica, política, social e moral do governo golpista.  

    Por conta da afoita desonestidade entreguista dos golpistas, em velocidades nunca vistas, o povo está acordando, desnorteado e temeroso diante do brutal desemprego. A certeza de arranjar um bom emprego dos tempos dos governos Lula/PT e de Dilma/PT, deixou de existir. Ficou na saudade.

    Como se esse pesadelo já não bastasse para deixar os trabalhadores, os pais de famílias e os jovens que estão se formando, apavorados e sem dormir – o povo – alienado e despolitizado, já está percebendo as traiçoeiras investidas golpistas visando rápida destruição de seus direitos trabalhistas e sociais. Duramente conquistados em várias décadas de muitas lutas, para serem suprimidos, de um dia para o outro por um governo golpista – simplesmente –  buscando acrescentar mais mecanismos de acumulação de riquezas em mãos das já abastadas elites bancárias e empresariais. Tudo, com descarado apoio do Congresso e da Justiça. A confiança, foi para o espaço.

    Fora Temer!

     

  32. Quem disse que o FHC tem interesse em algum pacto?

    Quem disse que o FHC tem interesse em algum pacto? A política implementada pelo golpista Michel Temer é rigorosamente a mesma concebida pelo próprio FHC e o PSDB. O desmonte do Estado e a agenda neoliberal são os objetivos maiores dessa coalizão golpista.

    O Lula só tem a perder numa eventual conciliação com esses traidores. O que o Lula deveria estar fazendo era liderando o povo para derrubar o governo golpista.

    Sinceramente, o Lula é muito manso. Por isso, sou contra ele se candidatar em 2018 para propor uma conciliação com os golpistas. Não há clima para esse tipo de política cínica e hipócrita. O momento agora é construir um projeto nacional sem a interferência dessas oligarquias arcaicas que aprisionam o país ao atraso representada pelo PMDB e o PSDB.

    O FHC não é nem um pouco confiável. É o típico traidor oportunista. Deve ser tratado como inimigo. Ele não tem nada a oferecer.

    É nessas horas que vejo em Ciro Gomes a melhor resposta para a atual conjuntura. Tenho certeza que o ex-ministro da integração nacional não ia perder tempo com FHC e muito menos com o PSDB.

    Chega de conciliação!

    Ciro 2018!

    • Ciro não tem votos. Ciro

      Ciro não tem votos. Ciro consegue ter menos votos que um sujeito escroque e raso como Bolsonaro ou do que a Tartaruga sem caráter  e sem casco.

      Ciro quer moleza.

      Ciro quer ser eleito com os  votos de Lula.

      Ciro apoia o Udenismo e a Lava-Jato se for para tacar Lula na cadeia para ver se votam nele.

      Ciro não quer conquistar os eleitores. Ciro quer ser votado como medida desesperada. 

      Lula é frouxo ?? É. Mas o que esperar de Ciro se elegendo por um partido que apoiou o golpe e que apoiou  TODAS as medidas lesa-pátrias de Temer !!!

      Quero ver ciro governando com a PEC do Teto. E como ele vai conseguir derrubâ-la se o partido dele foi a favor.

      Como Ciro vai rasgar contratos do pré-sal que seu partido apoiu a entrega ???

      Quem vai ser o líder de Ciro no Senado ??? Lasier Martins ?? O da CBS ???

      Ciro lutou porcamente contra o golpe. Apoia o estado de exceção desde que este o proporcione votos.

      A agenda neoliberal foi integralmente apoiada pelo PDT. PDT é o mais fiel aliado de Temer. No senado, Vota tudo a favor dele em troca de nada !!! ATÉ O PMDB faz mais oposição a Mishell do que o PDT. 

       

       

  33. Eu concordo que a situação do

    Eu concordo que a situação do país vinha mal no governo anterior. O problema é que continua aquem. De fato o mais louvável, nesse momento, é reflexão e um plano de ação entre todos os líderes políticos. O revanchismo acirrado estagna o país todo e afeta a todos. E tem muito petista criticando a atuação dos nossos parceiros dos USA, mas seu carro é chevrolet, fuma marlboro com isqueiro zip, veste jeans lewis, pagou para falar inglês, curte rock, prefere produtos GE, é fã de filmes norte amercanos, adora uma macdonalds, só abastece esso, prefere cerveja budweiser ou miller e é viciado em coca cola. Bom feriadão a todos.

    •   Duarttttte, o seu

        Duarttttte, o seu comentário é uma miscelânea de pensamentos.

        Tirando meia dúzia de três, ninguém critica os EUA por fabricarem produtos X ou Y, mas por TRAVAREM ou mesmo SABOTAREM o nosso desenvolvimento, para não falar de nossa Democracia. Será que você consegue entender algo tão básico?

  34. O que nunca entendi nem vou

    O que nunca entendi nem vou entender é como inúmeras pessoas e entidades embarcaram no golpe. “Elite” empresarial de quase todos os ramos; idem religiosa de diversos credos; militares; judiciário; intelectualidade, lista enorme ! ” Ah ! quem assumiu o poder são os corruptos e quem apoiou tinha interesses” !  Não, não vou fazer julgamento moral !  Fosse apenas isso teríamos a possibilidade do “rouba mas faz”, para mim melhor, muuuuito melhor do que tudo o que estamos presenciando, um gritante “ROUBA E NÃO FAZ” !  Nem a côrte imperial era tão incompetente ! Os midiotas do MBL e quejandos terem caído no engodo vá lá, pode-se alegar em defesa que mal conheciam os temeres e seus ministros, mas a “Elite” ? Disposta a golpear com qualquer um ?  Não falo de corrupcão, isso é, ou deveria ser,  com a polícia e o judiciário, falo de INCOMPETÊNCIA. E por falar em incompetência, não aceito isso como motivo para tirar uma presidenta eleita. Tivesse sido um golpe militar ( não que seria defensável) ainda poderíamos dizer (impropriamente) que veio para garantir uma estabilidade (que não estava sendo ameacada). Mas um golpe civil, “democrático” (todas as instituicões funcionando), judiciário ? Onde as “Elites” estavam com a cabeca ? Tem Elite mais incompetente do que a nossa ? Confesso que eu ignorava isso. Não age com a cabeca, só quando o bolso á atingido, como estão percebendo agora, todos perdendo e tentando encontrar o possível caminho de volta. Talvez um dia aprendam que uma presidenta ou presidente incompetentes são retirados com voto, mas de todos, numa eleicão agendada. Não “por uma assembléia de bandidos presidida por um bandido”. E comparar a incompetente Dilma com presidentes incompetentes anteriores… não tem comparacão !

  35. A imagem da degradação de nosso pais

    Como puderam permitir a uma figura tão rude, partidarizada, golpista, egóica e lesa-pátria como Moro fazer o que fez: os prejuizos à nossa economia estao na casa das centenas de bilhões de reais, fora a destuição total da imagem do pais e do povo brasileiro perante o mundo, uma situação que fez com que os brasileiros fossem vistos de forma otimista e positiva quando se encontravam fora do pais, isso graças ao empenho de Lula, essa grande chance desprezada por uma burguesia sovina e golpita, aliás, tudo o que Moro encarna…

  36. Cena 1-Como reagirá a opinião
    Cena 1-Como reagirá a opinião pública vendo uma súcia desmontando o Bolsa Família, o Ciência Sem Fronteiras, o Luz para Todos e, ao mesmo tempo, fazendo negócios ilimitados nos Ministérios e no Congresso? Alguns vão dormir, outros vão criticar, mas a crítica fica muito Áquem da crítica a Dilma. Ninguém vai mover um milimetro contra. E muitos estão aplaudindo. A própria OAB que pediu desesperadamente a cabeça de dilma critica, mas tb não critica muito, por que ela é a favor dese governo e só é contra em coisinhas pontuais. Cena 2 – O que se pretende sem um projeto político minimamente viável? Tirar pela segunda vez o direito ao voto nas eleições de 2018, com a inabilitação de Lula? Ou começar a se pensar em um pacto que envolva um cenário de respeito às eleições? Vão impedir Lula e fazer tudo para eleger o joão trabalhador. A candidata da “esquerda” será a tartaruga sem casco e sem caratér. Vão obrigar a esquerda a votar nessa bosta. Ciro não tem votos. Cena 3 – A incógnita é o ritmo em que se dará essa volta à racionalidade, sem soar como perdão aos corruptos. Será lento o suficiente para que o estrago seja irreversível por décadas e décadas. Se duvidar, por mais de um século.  Pré-Sal ??? tchau !!! Cena 6 – Acho fácil Temer sair. Acho impossível é que suas medidas sejam desfeitas !!! E acolher pedido do CArdozo ?? Impossível !!! A propósito, Cardozo é um que merece uam forca também !!! Cena 7 – PActo entre FHC e Lula não seria um pacto, mas uma rendição negociada. Lula não vai para a cadeia em troca de manter os contratos lesivos de Temer, de manter a PEC e toda a política de FHC escrita a fogo na constituição, de manter FHC feliz e aposentado e de não sair candidato, abrindo caminho para os tucanos continuarem no poder. É uma espécie de assalto. Me dÊ tudo e não vá para a cadeia.

  37. Peça 5 – os fatores de resistência: a rede Globo

    Fico pensando se não poderíamos acrescentar mais um fator explicativo para a persistência desse comportamento do grupo globo: ele poderia estar sendo achacado por autoridades que detem informações advindas da operação zelotes e do panamá papers. Em parte, a globo pode estar acuada pelo poder que algumas instituições investigativas teriam de usar esses elemento contra a emissora, caso ela resolvesse mudar de rumo e caminhar para um grande pacto com o sistema político (que sempre a protegeu). Mas não tenho qualquer informação sobre isso, mera desconfiança.

  38. Por causa de “pactos”

    Por causa de “pactos” anteriorers (alô alô anistia), ainda somos vulneráveis a Golpes de Estado praticado por uma cambada de aventureiros.

    Não há mais espaço para pactos.

    Faz-se necessária uma conciliação, é verdade, mas que a mesma~não exclua a punição à todos os agentes e respónsáveis pelo Golpe, incluindo políticos, mídia, empresários e rentistas, e fundamentalmente, ativistas encastelados no Judiciário e demais orgãos públicos.

    Não vejo com otimismo conciliação sem que seja feita qualquer coisa punitiva contra Janot, Moro e os Dallagnóis, aecistas da PF, empresários que financiaram o golpe, a Rede Globo, entreguistas que estão nomeados hoje nas nossas estatais, os MBLs da vida e os políticos que fazem parte da camarilha do Temer e os mercadores do Congresso Nacional.

    Faz-se muito necessária uma lei específica para a Lawfare.

  39. acordo

    Concordo com quase tudo. Só não com algo que inclua fegacê. Acordo com fegacê é criar problema maior pela frente. E perder a pureza. Porque esse fegacê não vale nada e vai trair na primeira oportunidade. É um pavão nada mysterioso que só engana pseudo catedrático. Esse traira vai trazer a globo junto, na sua sombra no primeiro momento, para depois cumprir as ordens dali emanadas. Além do que ajudou muitíssimo no golpe contra a democracia. Canalha e dissimulado!

    Em 2038 vote: ÇERRA45, vice fegacê….viiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiixe! 

  40. Eu acho que a ameaça de

    Eu acho que a ameaça de prisão da Cláudia Cruz foi por causa da votação de ontem. O Cunha deve ter ficado ensandecido.  Percebam como vários mudaram seus votos. 

  41. A globo é um antro de

    A globo é um antro de mafiosos. A visão estratégica dela e extorquir políticos,, juizes e quem mais seja para deixá-los de joelhos e facilitar o seu caminho na rapinagem dos cofres públicos. 

  42. Pacto Político

    Nassif…

    nenhum pacto político será possível sem a destituição imediata e inadiável dos atuais ministros/as do STF e da exoneração dos moleques fascistóides do MP e da Justiça Federal.

    No caso do STF, é preciso pensar seriamente em sua extinção! Talvez, com sua substituição por uma Corte Constituicional com poderes limitados (extremamente limitados), membros com mandatos previamente definidos e proibidos de estarem atuando como atores da Globo! (Onde encontraíamos esses? Nos curso do IDP?)

     

     

  43. Pacto com FHC?

    Tenho muitas dúúvidas de sequer pensar na possibilidade de um pacto com FHC.

    Ele não é confiável, Nassif.

    Melhor seria Lula tentar fazer um pacto com a parcela das instituições da sociedade civil que não enraram com tudo no golpismo, e com as que eventualmente perceberam a furada que foi colocar essa súcia no poder.

  44. A GLOBO mata ou morre

    A situação da Globo é irreversível . 

    Foram tantas difamações , ameaças , um bando de telejornalistas escrotos gritando mentiras noite e dia , tudo isso initerruptamente durante 13 anos , que a situação dela é a mesma de um desses chefes do PCC que cometeu tantas atrocidades e agora , mesmo arrependido , sabe que não adianta se penitenciar . Se o pegarem de jeito , lhe arrebentam. Então , só resta lutar até o fim , é matar ou morrer . 

  45. Quem está na mão de quem?

    Continuo vendo uma câmara completamente guiada pelo judiciário, que é guiado por alguém que por sua vez guia a rede Globo. Afinal de contas em dois dias diferentes termos uma votação contra a urgência e outra a favor da urgência da reforma trabalhista é muito suspeito.  A rede Globo, passa uma serie falando da corrupção na ditadura, faz campanha para um outsider ( Hulk ou Doria), e faz uma campanha destrutiva contra Lula. E uma campanha também destrutiva contra a Oderbrecht. Tudo dentro da hipocrisia padrão Globo. Afinal sonegadores monstros que são , e participantes de inumeras falcatruas que os beneficiaram, junto com uma chantagem constante que fazem devido ao poder  de exposição, me aparecem os hipocritas ( fantasiados de jornalistas, ancorando programas e afundando a economia do país.) Mas mantenho a pergunta do Nassif, além de si mesmo, que interesses defende a rede Globo.  Um país destroçado e sem rumo  não deveria favorecer nem mesmo a rede Globo. Mas fica a pergunta:   quem ela está defendendo.

    Os deputados estão entre a cruz e a caldeirinha. Temem a reforma da previdência, mas solicitam pegadinhas e falsas notícias, para encontrar uma justificativa para o voto. Temem as urnas e as ruas, mas continuam fiéis a quem os comanda. A reforma trabalhista ainda não explodiu, mas a da previdência sim.  Sabem que não podem continuar com Temer, mas já fizeram compromissos demais. Procuram desesperadamente a porta de saída, mas não sabem para onde ir. Podem neste meio tempo comprometer o Brasil ainda mais.

    No momento temos um senado e camara, sem saber para onde ir. Os ratos querem fugir do navio, mas o navio não está no porto. 

  46. Excelente análise.

    Mas FHC é pouco confiável.
    Está ganhando tempo, esperando pra ver o que acontece com Lula. Não pensa no país.
    Enquanto isso posa de estadista.
    Mudou rapidamente o discurso. Um dia estava assinando livros e pisando em Dirceu. No outro, com seu nome na “lista”, não falava mais grosso.
    Seus planos eram outros. A esta altura, pensou, estaria com a esquerda batida nas eleições, Golpe em Dilma finalizado, governo interino implementando as medidas impopulares e PSDB pronto para correr pro abraço em 2018.
    Só não combinou com os astros o momento da conjunção.
    Nunca pensei que iria gostar tanto da Odebrecht.
     

    • Desde de antes de colocar

      Desde de antes de colocar suas “nádegas indevidas” na cadeira que Jânio Quadros desinfectou, soube de fonte muito séria que FHC era o homem da social-democracia americana no Brasil – Brizola era o homem da social-democracia européia e seus adjacentes. Traduzindo, através do National Endowment for Democracy (NED), o braço que a CIA controla no partido democrata americano, projetaram FHC e aglutinaram em torno dele como o cavaleiro dos interesses do neoliberalismo operacionalizados pela CIA e adjacências (outras agências de espionagem americanas, inglesas, israelenses, sauditas, alemãs, etc)

  47. Na França tb cortarão asas de juizes e procuradores midiaticos:

    >> Cada demonstração de força, cada vazamento é um prego a mais no caixão da autonomia do MPF. A atual geração de procuradores já carregará, para sempre, a mancha de ter sido responsável por um estupro da Constituição. Arrisca-se a ser responsabilizada, no futuro, pelo fim da autonomia do Ministério Público.

    *

    Nassif,

    Como tenho comentado na minha cobertura das eleições da França (primeiro turno no domingo… com empate técnico… quádruplo!! :-O ), também houve lawfare nítido – para quem tem quantidade minima de neuronios para sair da narrativa da grande mídia local.

    Contra tres candidatos:

    – François Fillon (direita tradicional);

    – Marine Le Pen (extrema direita); e

    – Sarkozy (ainda na fase de pre-candidatura).

    Uma parceria Judiciário/mídia tentou implodir as candidaturas.

    Tentavam eleger Emmanuel Macron.

    Domingo saberemos o desenlace final.

    *

    Mas, para mim, as raposas da politica francesa entenderam bem o recado.

    Creio que caso quem chegue ao poder – ao fim e ao cabo – seja Fillon, seja Le Pen, (ou até o muito vivo Melénchon!) investirá contra o uso politico-midiático de processos e investigaçoes para detonar candidaturas que “nao podem chegar” à eleiçao.

    Seja por inabilitaçao, seja pela destruiçao deliberada das intençoes de voto com o massacre midiático ~novelizado~ em capítulos.

    Pelo que vi do debate, ainda muito prematuro, aqui há, por um lado, a proposta de uma “imunidade temporária” judicial para os candidatos a contar de um certo tempo para a eleiçao (digamos, “6 meses”…); e, por outro, uma legislação punindo abusos de juizes e procuradores, caso fique comprovado o uso leviano e a instrumentalizaçao politica de seus poderes.

    Note que as duas pre-propostas nao sao excludentes!

    *

    Mais detalhes:

    http://www.romulusbr.com/2017/04/alerta-na-franca-e-brasil-quando-midia.html

     

  48. Apoio agora a lavajato e
    Apoio agora a lavajato e MPF,pq foram pra cima de tucanos,besta quem acredita em “refluxo das elites”,oh estão com dó do país,da esquerda”,ACORDEM, Nassif não gosta,mas tem q ser nós contra eles,eles romperam com td e a esquerda?Não rompe com nada!?Só apanha!Aí fica “dormindo no barulho da direita!Cadê a ousadia?Logo agora q está ficando favorável aos progressistas,vem essa conversa mole!
    OBS:EM PROTESTO VOU FICAR DUAS SEMANAS SEM POSTAR AQUI(Será q aguento?)

  49. Não há mais espaço para
    Não há mais espaço para análises acadêmicas teóricas, mesmo com a profundidade que Nassif fundamenta seus artigos.

    O fato é que o governo Temer é um enorme sucesso sob o ponto de vista prático.

    Para se chegar a esta conclusão é suficiente se perguntar qual o objetivo do grupo que ascende ao poder.

    Ficou claro, até para os apoiadores​ mais ingênuos do impeachment de Dilma, que a função para a colocação de Temer na Presidência da República era exatamente fazer o que ele tem feito.

    Não fosse a preguiça da nação em ler, saberia, e registrado lá está, que o memorando “Ponte para o Futuro” estabelece de forma límpida cada uma das “maldades” que estão sendo feitas pelo governo.

    O sucesso do governo Temer é tamanho que consegue aprovar na casa do povo – o legislativo – cada um dos itens que destroem a seguridade social e trabalhista
    do país.

    O respeito ao governo Temer é tamanho que o STF e o PGR não ousam questionar o atual presidente.

    O sucesso do seu governo é tão grande que a mídia majoritária aplaude de pé os atos governamentais.

    Os atos de governo parecem tão justos e corretos que sequer a venda de grande parte do patrimônio da Petrobras está sendo questionado pelas instituições e nem sequer pelos próprios sindicatos dá classe trabalhadora da petroleira; a então fortíssima FUPE quedada de quatro, inerte.

    O governo Temer surfa com tanta liderança que, mesmo o seu nome sendo incluído em várias das delações, ainda assim, ele fou condecorado pelo exército, recentemente, juntamente com o juiz da própria “lava Jato” que, pelo próprio processo, sabe do seu envolvimento com o crime.

    Faltou o povo?
    Esqueçam o povo, e para entender o que isso quer dizer basta analisar cada um dos movimentos realizados pelas instituições do país que antecedem a vitória de Dilma nas últimas eleições até o desfecho do impeachment. O povo é mero acessório descartável.

    O que mais é liderança neste país do faz de contas, das decisões de camarote, do patíbulo para a “Senzala” e guilhotina nas mãos da “Casa Grande”, navegando em sentido inverso das correntes evolucionárias escritas na história?

  50.  Encontro-me afastado das

     
    Encontro-me afastado das redes sociais,especialmente desse Blog,onde me permitiu desenvolver e apresentar o melhor de mim.Meus erros,e meus acertos.O universo do desencanto com o apodrecimento do Pais,levando de roldo todas as suas Instituições,levaram-me ao mais profundo desencantamento.Apesar de tudo, permaneço inarredavel aos meus permanentes ideiais.Em nome deles,abraço Luis Nassif,o Moreno de Poços de Caldas,o maior e mais brilhante jornalista de sua geração. Sem timidez,é o unico jornalista que ainda consegue me emocionar.Para ele,meu mais afetuoso abraço,afirmando-lhe peremptoriamente,que o texto que ele escreveu sai das paginas vibrantes do seu Blog,e passa a ser parte indelevel da nossa historia. 

  51. Serio Nassif ?

    Em geral gosto de suas analises…  mas dessa vez acho que voce esta meio nas nuvems. Pacto Lula-FHC !!!? Lula com 80% dos votos, FHC com popularidade negativa… voce vem me falar em pacto de Lula com FHC. Se liga cara…

     

  52. 7 cenas, 7 comentários

    Esse Xadrez merece ser comentado cena a cena, né?

    Cena 1

    Temer se agarra ao apoio do Congresso porque ele sabe que a sua presidência é o ápice do sistema de governo que saiu da intervenção sarneyzística na Constituição de 1988: um presidencialismo capenga e com um impeachment que se transformou em uma moção de censura informal.
    (Aliás, comparem com a África do Sul, cujo presidencialismo é, digamos, uma versão bem-feita do preconizado na Constituição de 1988. Na Wikipedia em inglês: https://en.wikipedia.org/wiki/President_of_South_Africa#Electoral_system )

    Então ele não precisa do povo, porque ele sabe que não depende do povo, depende apenas da capacidade de abrir o feirão de cargos aos congressistas. Ele não vai se preocupar se, por exemplo, o desemprego voltou a subir em março, ou se a recuperação econômica só existe nas viagens astrais do Henrique Meirelles e da GloboNews, porque a preocupação dele (e de Eliseu Padilha, de Moreira Franco…) é o varejão das indicações políticas, é os ministérios com porteira fechada (campo fértil pra construção de caixas 2).

    Temer vai ver sua popularidade cair a zero e não vai estar nem aí enquanto estiver bem protegido. E, qualquer coisa, ele se torna um presidente refugiado no Jaburu, sem sair até pra ir despachar no Planalto, enquanto o país arde em chamas.

    Cena 2

    A pesquisa Ibope-Estadão de hoje foi absolutamente destruidora, a única notícia boa pro golpismo foi que a candidatura do Bolsonaro começou a desidratar a partir do momento em que o Dória e o Huck começaram a corrida rumo a ser o Berlusconi brasileiro.

    Bom, tem a postergação das eleições “até conseguir inabilitar o Lula”, mas isso todo mundo já entendeu como objetivo de grande parte do golpismo. O golpismo, seja ele judicial/midiático ou parlamentar, não vai pra uma eleição correndo o risco de ver um Lula eleito no primeiro turno e puxando uma agenda de reforma constitucional que não interessa.

    Cena 3

    Agora que a desindustrialização do Brasil se completou, fica claro que não há como manter um país do tamanho do Brasil apenas exportando soja e minério de ferro in natura, mesmo que você jogue as leis trabalhistas no lixo na esperança de atrair (o que ainda sobra de) setores econômicos intensivos em mão-de-obra e de baixa remuneração (não acho que vá).

    E não por acaso o Roberto Setúbal foi o primeiro a se manifestar: o Itaú está na linha de frente de quebradeira bancária na primeira grande crise cambial em uma economia primário-exportadora.

    Cena 4

    O MPF, vamos lembrar aqui, é parte e líder da tentativa em curso das corporações estatais de darem um golpe dentro do golpe e assumirem o poder numa democracia tutelada.

    Por outro lado, encontraram um adversário formidável e suficientemente kamikaze para tocar e galvanizar o Parlamento em torno da Lei de Abuso de Autoridade, coisa que eles não esperavam. Então partiram pro que eles sabem que funciona: o jogralzinho-jardim-de-infância milimetricamente talhado para circular nos facebooks e whatsapps da vida.

    O risco? Com a lista fechada e seus penduricalhos, o Congresso perder qualquer medo de reação do eleitorado e aprovar a lei. Aí será o início do fim do MPF como conhecemos.
    (E, espero, o início do fim da maneira que o Estado contrata pessoal para suas carreiras estratégicas hoje em dia; é necessário que os concursos públicos não beneficiem quem tem apoio financeiro para virar concurseiro em tempo integral.)

    Cena 5

    Grupo Globo vai ser um problema que a reconstrução do Brasil terá que finalmente deixar de fingir que não existe.
    Ou melhor, como desmontar o Grupo Globo e evitar que surjam outros Grupos Globo no futuro.

    Cena 6

    Qualquer presidente que venha após Temer VAI TER QUE convocar uma Constituinte.

    Cena 7

    FHC tem um ego do tamanho de uma galáxia. Uma disputa Dória vs Huck no PSDB significa que ele, FHC, vai ser escanteado. E, para FHC, nada dói mais que a irrelevância e o esquecimento. Então ele PRECISA ser avalista de um pacto político de volta a uma normalidade pra continuar a ser um prócer com voz ativa no PSDB e na direita.

    Agora… acho, mas só acho, que ele não vai conseguir.

  53. Xadrez da reação da política e do início do fim do ciclo Lava Ja

    aproxima-se a hora da verdade.

    por um lado, a Lava Jato & Associados arma seu bote fatal contra a Jararaca. do outro, os patos (São Paulo Ltda.) e marrecos (PT Quatrocentão) movem desajeitadamente as peças do xadrez do golpe em busca da impossível saída de uma crise por eles mesmos gerada.

    conseguir-se-á enfim o Pacto à La Brasil? como num idílico The End hollywwodiano, FHC e Lula viverão felizes para sempre?

    o Lulismo marchará em direção ao bunker fascista para impedir quer “o cara” seja encarcerado nas masmorras da Guantánamo de Curitiba? ou continuarão manifestando sua idolatria apenas pela web? enfrentarão as bombas de efeito moral, spray de pimenta e o gás lacrimogêneo com Paz, Amor e muita conciliação?

    ou todos enfim se reconciliarão com a realidade, aceitando que o Brasil tal qual o conhecíamos está morto, e só nos cabe enfrentar o desafio de juntos construirmos um outro Brasil?

    .

  54. Continuo achando que o Nassif

    Continuo achando que o Nassif é otimista demais, porque:

    1. Claro está que a nossa tal “zelite” empresarial é extremamente obtusa. Impressiona a maneira como não soube reconhecer os sinais do desastre representado pela demonização de Lula e do PT. Atribuo isso ao preconceito natural dessa gente e aos anos de doutrinação neoliberal que recebem de institutos empresariais que pipocam por aí. Impressiona o egoísmo, a burrice e o despreparo político dessa gente;

    2. O setor financeiro capturou o setor produtivo. Não creio que vá faltar dinheiro para corromper as pessoas dos postos chaves do governo;

    3. A Globo manda e desmanda nessa joça. As pessoas negam, mas reproduzem as sensações e impressões emitidas pelo Jornal Nacional. Claro está que a Globo pouco se importa com o país, uma vez que ela tem suas raízes fincadas no Grupo Time-Life e obedece ao comando central nos EUA;

    4. O povão mal entende o que está acontecendo, acredita na Globo e já foi pro abatedouro sem se dar conta;

    Reação? Não acredito, tal o nível de estupidificação das pessoas. Mas acho que muita coisa vai depender da Greve Geral do dia 28 e do depoimento de Lula no dia 3/05. Se houver grandes mobilizações há possibilidade de haver refluxo, caso contrário o país já era.

    Mas uma coisa eu sei: quanto mais a coisa a avança mais clara fica a real “alma” do brasileiros. E não é nada daquilo que nos ensinam os livros de antropologia e sociologia.

  55. a velha mídia à frente e a solução não-mágica

    JÁ FOI DITO AQUI

    A velha mídia tem os maiores gurus de psicologia de massas da história, porquanto, de que vale a discussão ‘fora temer’ se o jornalismo ‘status quo’ já engembra o sucessor do MT, e mais o sucessor do sucessor em 2018?

    Por isso, acredito ser tardio a dedicação de forças para a deposição do presidente mais impopular do Brasil de todos os tempos. Também, é notório a manobra persuasória da velha mídia em pós-reformas antipovo, contemplar o NJ ou um ‘out sider’.

    INSISTO NA TESE

    O TSE segue o termômetro dos justiceiros/mídia/ibope para cassar o MT. Por essa probabilidade, a velha mídia segue duas vertentes para inviabilizar o poder das esquerdas:

    1. conceito de terra arrasada pós-adm do MT, inviabilizando um progresso caso o eleito seja um esquerdista;

    2. conceito de flexibilizar as reformas pós-adm do MT, viabilizando a popularidade de um ‘outside’ no poder.

    SOLUÇÃO NÃO-MÁGICA

    A princípio, costurar um acordo breve para colocar um presidente parlamentar ‘tipo talabarte’ para segurar o povo do fundo do poço que pode ser ainda mais profundo;

    Eleições 2018, investimento em divulgação dos votos de congressistas golpistas e pré postos, principalmente via redes virtuais. (sem a maioria no parlamento a esquerda cai em 2019).

     

     

     

     

  56. Xadrez da reação da política e do início do fim do ciclo Lava Ja

    Luiz Nassif, faz um overwiew, uma visão geral do que está acontecendo na política e possíveis cenários, dá gosto de ler suas matérias e a linguagem jornalística. E no xadrez do golpe é mais fácil sacrificar os peões, o povo brasileiro.

  57. O redesenho do sistema e a hipocrisia

    Excelente análise de Nassif, como de hábito. Uma divergência que tenho diz respeito ao viés, digamos assim, um tanto otimista.

    Estamos verificando, de modo claro e inquestionável, reformas que vão modificando estruturalmente o sistema institucional que condiciona a reprodução da relações de produção do país. O exame que tínhamos dessa transformação inicialmente, de que se tratava de um retorno à agenda dos anos 1990, foi superado e mostrou-se absurdamente ingênuo. Em verdade, estamos em uma rápida trajetória de retorno ao início do século, em um período pré-keynesiano de extração institucional neoclássico e aristocrático. Principais características desse padrão institucional regulatório da reprodução das relações de produção: primazia das finanças e do rentismo; desregulação dos mercados, em especial do mercado de trabalho; orientação a favor da sustentação e ampliação da propensão à poupança consolidada da sociedade, dentre outros elementos. Todas essas características constitutivas implicam na concepção que dominara por mais de um século as convenções e, mais do que isso, entraram em colapso no bojo da crise de 1929, do nazi-facismo e de duas guerras que devastaram o core do sistema capitalista mundial e o refizeram em outras bases.

    De fato, o Brasil atualmente se redesenha sob a liderança do grande capital em operação no país  (do qual essa criatura desprezível e venal nominada Roberto Setúbal é representativo) para restabelecer esse mundo perdido. E nessa subescalada, a reforma constitucional que limitou os gastos primários da União pode ser considerada a principal peça, a mãe de todas as reformas subsequentes, que promovem os ajustamentos necessários nas demais engrenagens do aparato que regula a reprodução das relações de produção. Reformas da Previdência, da CLT e as novas regras de terceirização são reformas importantes, mas de encaixe.

    A pergunta relevante, então, é saber se esse processo será detido e revertido. O Golpe foi feito para implentá-las. A sociedade não está atenta para essas mudanças, porque é intencionalmente manipulada pela Globo. Assim, no algoritmo de Nassif, as variáveis X e N equivalem a zero. Levará um tempo, longo, na minha visão, para que X e N tornem-se números positivos superiores a uma unidade. 

  58. Caro Nassif, muito obrigado

    Caro Nassif, muito obrigado por partilhar conosco, seus leitores, suas análises sobre a conjuntura pollítica e econômica nacional, além de suas reflexões sobre mídia brasileira atual. Você faz um trabalho admirável. Que bom que podemos contar com você. 

  59. O Programa Farmácia Popular…

    “Como reagirá a opinião pública vendo uma súcia desmontando o Bolsa Família, o Ciência Sem Fronteiras, o Luz para Todos e,…”

    Nassif!

    Reagirá apenas com a incredulidade e a dor estampadas no rosto, como vi ontem no jornal local da Record ao entrevistar pessoas que utilizam o Programa Farmácia Popular diante da notícia que o mesmo acabava de ser extinto pelo Governo Temer para economizar em torno de 80 milhões anuais com aluguéis, pessoal que será demitido etc., segundo nota do Ministério da Saúde.

    Confesso que fiquei estarrecido com a reportagem porque foi de doer o coração ver as pessoas usuárias contínuas dos medicamentos vendidos nessas farmácias a preços realmente baratos atônitas com a infame notícia.

     

  60. >> Cada demonstração de

    >> Cada demonstração de força, cada vazamento é um prego a mais no caixão da autonomia do MPF. A atual geração de procuradores já carregará, para sempre, a mancha de ter sido responsável por um estupro da Constituição. Arrisca-se a ser responsabilizada, no futuro, pelo fim da autonomia do Ministério Público.

    *

    Nassif,

    Como tenho comentado na minha cobertura das eleições da França (primeiro turno no domingo… com empate técnico… quádruplo!! :-O ), também houve lawfare nítido – para quem tem quantidade minima de neuronios para sair da narrativa da grande mídia local.

    Contra tres candidatos:

    – François Fillon (direita tradicional);

    – Marine Le Pen (extrema direita); e

    – Sarkozy (ainda na fase de pre-candidatura).

    Uma parceria Judiciário/mídia tentou implodir as candidaturas.

    Tentavam eleger Emmanuel Macron.

    Domingo saberemos o desenlace final.

    *

    Mas, para mim, as raposas da politica francesa entenderam bem o recado.

    Creio que caso quem chegue ao poder – ao fim e ao cabo – seja Fillon, seja Le Pen, (ou até o muito vivo Melénchon!) investirá contra o uso politico-midiático de processos e investigaçoes para detonar candidaturas que “nao podem chegar” à eleiçao.

    Seja por inabilitaçao, seja pela destruiçao deliberada das intençoes de voto com o massacre midiático ~novelizado~ em capítulos.

    Pelo que vi do debate, ainda muito prematuro, aqui há, por um lado, a proposta de uma “imunidade temporária” judicial para os candidatos a contar de um certo tempo para a eleiçao (digamos, “6 meses”…); e, por outro, uma legislação punindo abusos de juizes e procuradores, caso fique comprovado o uso leviano e a instrumentalizaçao politica de seus poderes.

    Note que as duas pre-propostas nao sao excludentes!

    *

    Mais detalhes:

    http://www.romulusbr.com/2017/04/alerta-na-franca-e-brasil-quando-midia.html

     

  61. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome