EUA citam Brasil como referência para banco de apoio às exportações de suas empresas

Da Agência BNDES

O congresso dos EUA aprovou no final do ano passado a criação da U.S. International Development Finance Corporation (USIDFC), instituição que visa promover o desenvolvimento em países emergentes a partir do fomento a empresas americanas. O projeto, que aguarda a sanção presidencial, propõe a transformação da já existente Overseas Private Investment Corporation (OPIC), pequena agência governamental criada em 1971, em um banco com mais poder de atuação, capaz de financiar investimentos privados americanos em mercados internacionais, especialmente em aliados estratégicos dos EUA.

A proposta de criação da nova instituição financeira, elaborada pelo Center for Global Development (CGD) ainda em 2011, destaca que, ao unificar diversos instrumentos e agências já existentes no país em uma nova empresa, o governo americano ganhará em eficiência, sem necessidades adicionais de orçamento.

Ainda segundo o documento, o novo banco poderia atuar em países de renda-média, como Índia, Tailândia, Turquia, Nigéria e México, ampliando mercados e oportunidades para classes empreendedoras e, assim, garantindo prosperidade e estabilidade para essas economias. Já em países com problemas mais sérios de segurança e governabilidade, a exemplo de Afeganistão, Somália e Iêmen, a instituição complementaria o apoio humanitário prestado pelos EUA, estimulando investimentos capazes de gerar empregos e criar oportunidades de negócios.

O novo banco de desenvolvimento deve oferecer um pacote completo de produtos e serviços, que incluem: empréstimos, garantias, capital semente para fundos de investimento, participações em empresas, além de serviços de consultoria e estudos de viabilidade para projetos. A iniciativa toma como exemplo as instituições financeiras de países emergentes que atuam como agência de financiamento à exportação, tais como o BNDES, no Brasil; o Exim-Bank Malaysia, na Malásia; e o Turk Exim Bank, na Turquia, além de entidades multilaterais, como o New Development Bank, também conhecido como Banco dos BRICS.

Leia a íntegra da proposta de criação da USIDFC (em inglês)

Do Center for Global Development

USDFC

Trazendo o Financiamento do Desenvolvimento dos EUA para o Século 21: Proposta para um USDFC de Serviço Completo e Sustentável

Benjamin Leo e Todd Moss

O imperativo para o financiamento do desenvolvimento dos EUA aumentou significativamente devido a vários fatores na última década. Há uma demanda crescente por investimentos privados e finanças de empresas, cidadãos e governos em países em desenvolvimento. Dada a escala de desafios e oportunidades, especialmente na promoção de investimentos em infraestrutura e expansão dos setores produtivos, existe uma necessidade cada vez mais reconhecida de promover soluções baseadas no setor privado. Instituições europeias de financiamento do desenvolvimento (DFIs) bem estabelecidas fornecem agora serviços integrados para empresas que cobrem financiamento de dívida e capital, mitigação de risco e assistência técnica. Muitos de seus governos abraçaram abordagens financeiramente autossustentáveis ​​para promover os resultados do desenvolvimento, que não impõem custos líquidos aos contribuintes. Separadamente, vários atores de mercados emergentes – incluindo China, Índia, Brasil e Malásia – aumentaram drasticamente as atividades de financiamento em várias regiões em desenvolvimento, como a América Latina e a África Subsaariana. Isso inclui também o estabelecimento de várias novas grandes instituições financeiras multilaterais, como o BRICS Bank e o Asian Infrastructure Investment Bank.

Em contraste, os esforços atuais de financiamento do desenvolvimento dos EUA não foram implementados de maneira eficiente ou estratégica devido a autoridades desatualizadas, recursos de pessoal insuficientes e dispersão de ferramentas em um grande número de agências governamentais. O principal veículo de financiamento para o desenvolvimento do governo dos EUA é a Corporação de Investimento Privado no Exterior (Opic), que fornece aos investidores financiamento de dívidas, garantias de empréstimos, seguro de risco político e apoio a fundos de investimento em private equity. No entanto, com poucas exceções, a OPIC não evoluiu desde sua criação em 1971. Além da OPIC, há vários outros programas modestos dentro das agências de ajuda dos EUA, como a Autoridade de Crédito para o Desenvolvimento da USAID, fundos empresariais da USAID e a viabilidade da Agência de Comércio e Desenvolvimento dos EUA. estudos e assistência técnica.

Dentro deste contexto, avaliamos a necessidade de uma Corporação Financeira de Desenvolvimento dos EUA (USDFC) e fornecemos uma série de opções para como ela poderia ser estruturada de maneira consistente com o apoio bipartidário do Congresso. Isso inclui uma visão geral das instituições e programas existentes do governo dos EUA que apoiam abordagens de desenvolvimento baseadas no setor privado, incluindo quaisquer lacunas ou redundâncias entre elas.

Com relação ao DFC proposto, nos concentramos em várias questões centrais, incluindo: (1) produtos, serviços e ferramentas; (2) tamanho, escala e requisitos de pessoal; (3) estruturas de governança, bem como funções de supervisão e prestação de contas; (4) métricas de desempenho; e (5) estrutura de capital e modelos de sustentabilidade financeira. Finalmente, concluímos com um roteiro de implementação nocional que inclui as ações executivas e legislativas dos EUA.

PDF

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome