Senadores querem filtros para não acabar com foro privilegiado

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
 
Jornal GGN – A proposta que prevê o fim do foro privilegiado, a PEC 10/2013, enfrenta semana decisiva no Senado Federal, com emendas de parlamentares que tentam a modificação. O texto retira a competência do Supremo Tribunal Federal (STF) para julgar políticos e autoridades, incluindo o presidente da República.
 
De autoria do senador Alvaro Dias (PV-PR), o texto enfrenta resistência entre as principais lideranças da Casa sobre a intenção de extinguir por completo o foro para as infrações penais comuns, como corrupção, homicidios, furtos, e lesão corporal, por exemplo.
 
Assim, a PEC recebeu nos últimos dias diversas emendas de senadores, visando modificar o texto original, que poderia já estar pronto para ser votado pelo Plenário da Casa. “Não podemos fazer uma lei que, eventualmente, tire o direito ao foro privilegiado dos deputados e senadores e prejudique 37,5 mil autoridades do Judiciário”, disse o líder do PSDB, Paulo Bauer (SC).
 
O objetivo dos parlamentares é fazer as mudanças sem alterar o mérito da PEC, para não expor os senadores e evitar as repercurssões negativas. Por outro lado, os dispositivos pretendem colocar filtros, como por exemplo, exigir que a decisão final sobre aceitar ou não denúncias contra políticos seja de tribunais superiores, como o STF ou o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Essa mudança foi sugerida pelo senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE).
 
Ainda, integra as sugestões a criação de varas especializadas para julgar os deputados, senadores e detentores de foro privilegiados. Os titulares e suplentes destas varas seriam escolhidos por ministros do Supremo.
 
Diante dos receios da Operação Lava Jato, de centralizar processos contra políticos nas mãos do magistrado do Paraná, Sergio Moro, o senador Airton Sandoval (PMDB-SP) propôs uma emeda que a ação seja encaminhada à Justiça de primeira instância, mas referente ao domicílio ou residência do investigado, e não ao local de ocorrência do crime.
 
Além de casos não ficaram centralizados em uma única Vara, os políticos seriam julgados em seus Estados, onde possuem maior influência. 
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Demagogia barata

    O, infelizmente, senador do paraná está fazendo demagogia barata. Essa história de chamar a prerrogativa de foro de foro priviegiado surgiu pelos abusos tomados pelo Congresso em outras oportunidades.

    Há necessidade de haver algum filtro, pois todo ex-presidente ou ex-político irá ficar na mira de juízes, promotorese policiais que se deixam levar pela ideologia e por influências de nações imperiais. Ou mesmo por dinheiro.

    Isso está sendo muito bem demonstrado pela perseguição ao pres. Lula e demais membros do PT, vários acusados e depois liberados por falta de provas, como Luis Gushiken e Guido Mantega. É preciso coibir a perseguição ideológica, clasista, racista e quaisquer outras e não se pode deixar casos importantes nas mãos de juízes suspeitos.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome