Antes de discurso, Abin alertou Bolsonaro de 5.571 mortos por coronavírus em duas semanas

Agência Brasileira de Inteligência (Abin) calculou que 5.571 brasileiros irão morrer nas próximas duas semanas por Covid-19, a doença do novo coronavírus

Jornal GGN – A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) calculou que 5.571 brasileiros irão morrer nas próximas duas semanas por Covid-19, a doença do novo coronavírus, em relatório sigiloso que foi entregue ao presidente Jair Bolsonaro.

O The Intercept Brasil obteve estes informes da Abin e trouxe detalhes do documento em reportagem divulgada na noite desta terça-feira (24), pouco depois do polêmico discurso do mandatário em rede nacional, que ao invés de apresentar medidas concretas para evitar a propagação da doença no Brasil, optou por fazer ataques contra a imprensa, a ciência e governadores que vêm tomando medidas de prevenção.

O documento da Agência Brasileira de Inteligência, assinado na noite desta segunda (23), pediu justamente que o presidente adote as medidas de contenção, usando como exemplo os resultados positivos conquistados por países: “Coréia do Sul, Irã e China conseguiram mudar a direção da reta, provavelmente depois da adoção de medidas de contenção”.

Ao contrário do que afirmou Bolsonaro, a Abin alertou que a “baixa” taxa de letalidade pelo Covid-19 no Brasil se deve ao fato de que o país “se encontra no início da pandemia”. A conclusão é que se nada for feito e o novo coronavírus se propagar com a mesma velocidade que países como a China, Itália e Irã, teremos 5.571 mortos e 207.435 casos confirmados da doença no dia 6 de abril.

Já se seguir o ritmo da França e Alemanha, nações nas quais foram adotadas medidas de contenção, ao contrário do Brasil, o Covid-19 mataria 2.062 pessoas em duas semanas. Além disso, o cenário da saúde no Brasil não é menos preocupante: o coronavírus demandará uma média de 17,4% dos leitos disponíveis no Brasil para casos graves, chegando entre 30,4% a 46,3% em estados mais afetados, como Acre, Santa Catarina, Distrito Federal e Ceará.

Leia também:  Espanha: o reforço dos Estados, da indústria, da saúde e dos vulneráveis

Entretanto, a atual taxa de leitos de UTIs ocupados no país é de 80% a 90%, dados que evidentemente mostram que faltará espaços de atenção nos hospitais para o surto do coronavírus.

 

Leia os três relatórios obtidos pelo The Intercept Brasil:

Abin-Documento-23-MarçO

 

Abin-Documento-22-Março

 

Abin-Síntese-Internacional-23-Março

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Jogou pra plateia!
    Safou-se, momentaneamente das resultantes da acefalia porque passa o pais, jogando o povo contra seus governadores e demais instituições, numa preparação à forte quebradeira dos pequenos que virá a tona daqui a oito dias. Ao invés de preparar um Gabinete de Crise, mantém-se na infame campanha política de jogar tudo nas costas dos outros, seguindo a natural irracional inquietação com o futuro imediato e suas percepções simplórias.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome