A saída da crise através de novas eleições, por Tereza Cruvinel

Do Brasil 247

A saída pelas urnas

Tereza Cruvinel

O discurso do Governo logo depois da derrota na Câmara – através dos ministros Jacques Wagner e Eduardo Cardoso – sustentou que o processo de impeachment em curso é um golpe e que a presidente vai resistir até o fim demonstrando sua falta de base jurídica.  É verdade que no Senado o ambiente não será o de “pega, mata e esfola” verificado na Câmara, especialmente no tocante ao direito de defesa. Mas o que está posto é uma luta de poder e não um julgamento propriamente dito.  Por isso,  antes de mais uma batalha inglória, Dilma pode ser convencida a aceitar a “saída pelo povo”. Vale dizer, a renúncia a dois anos de mandato, com reforma política e eleições presidenciais em outubro, junto com o pleito municipal. O presidente do Senado, Renan Calheiros, é o candidato natural a articulador desta solução e ele tem considerado esta possibilidade.
 
No Senado, já existe um ambiente favorável. Nesta segunda-feira pela manha, um grupo de senadores independentes, vale dizer, nem do PT nem do PMDB, vai defender hoje a proposta “Nem Dilma nem Temer, diretas imediatamente”. Dele fazem parte os senadores Walter Pinheiro (sem partido, ex-PT), Cristóvam Buarque (PDT), Randolfe Rodrigues (Rede),   João Capiberibe (PSB), Lidice da Mata (PSB), Paulo Paim (PT).

 
Se Renan aceitar o desafiante papel de articuladores do acordo nacional, terá que obter em primeiro lugar a anuência de Dilma. A proposta não pode partir dela, inclusive para não parecer que está fugindo do julgamento. Terá que ser uma iniciativa do Senado, costurada com diferentes partidos.  O PT deve aceitar, até porque tem um bom candidato, Lula.  A alternativa é enfrentar o processo no Senado, sem garantia de vitória, consumindo energias com recursos ao STF e defesas jurídicas que cairão sobre ouvidos moucos, como na Câmara. E no final, se perder, entregará o govrno de bandeja ao conspirador Temer. Com as diretas, ele e sua turma veriam o doce golpista cair da boca.
 
E o PSDB? Se fizerem as contas, os tucanos concluirão que nada têm a ganhar apoiando um governo Temer que carregará a marca do golpismo, que será contestado nas ruas e não terá autoridade para enfrentar e solucionar a crise. Com diretas, pode lançar um de seus candidatos.
 
Depois vem a constelação de partidos secundários, que não terão candidatos mas poderão, novamente, negociar apoios para ter lugar num futuro governo.
 
Esta é uma fórmula que, daqui para a frente, pode tomar corpo. Seu êxito dependerá do desprendimento de Dilma, que perde dois anos de mandato mas sai por cima, livrando da humilhante e injusta condenação. Dependerá de Renan, de Lula e muito do PSDB. Fora dela, teremos  o prolongamento da crise até à conclusão do rito no Senado e, no final, uma solução que não será solução.  Dilma, que obteve apenas 137 votos em sua defesa na Câmara, se absolvida teria enormes dificuldades para recompor a governabilidade. E Temer, por tudo que já foi dito,  não será garantia de estabilização. No máximo, fará um mandato tampão conflagrado pela contestação.

33 comentários

  1. Pareis de ler aqui: “Dele

    Pareis de ler aqui: “Dele fazem parte os senadores Walter Pinheiro (sem partido, ex-PT), Cristóvam Buarque (PDT), Randolfe Rodrigues (Rede),   João Capiberibe (PSB), Lidice da Mata (PSB), Paulo Paim (PT).”

  2. Supondo que Dilma aceitasse,

    Supondo que Dilma aceitasse, o que fazer como resto? Todos osparlamentares renunciam ou é eleição só pra presidente? Se for só pra presidente, quem for eleito, governa como congresso que Cunha já tem no bolso, é isso?  Não tô entendendo muito bem, que diferença vai fazer o presidente a essas alturas. Quem tá governando é o Cunha protegido pelo judiciário. Aí sai a Dilma e entra o Papa Francisco pra não conseguir aprovar nada no congresso comprado pelo Cunha.

    Acho que não entendi muito bem essa coisa de novas eleiçõe, ainda.

  3. Não existe a minima

    Não existe a minima viabilidade politica para uma operação dessa envergadura neste ambiente conflitivo, só a discussão para formatar uma PEC dessa importancia levaria seis meses e NÃO há lideranças politicas de peso para conduzir um processo

    desse peso. Não temos mais Ulysses e Tancredos para liderar mega operações politicas. Para que fazer espuma?

  4. o Brasil do faz de conta

    Saída é sempre a legalidade, outros artifícios somente quando de guerras, revoluções, não estamos nesta situação, neste momento é apenas uma justificativa para legalizar a republica bananeira cu-nhista. 

  5. Boa proposta

    Só tem um problema: não passa nem a peso de soco. Para quê o PMDB vai entregar um governo que está praticamente nas suas mãos?

    Por altruísmo, por republicanismo, por amor ao Brasil ou para colaborar com o fim da crise?

    Quem acreditar nessas hipóteses acima, dê meus cumprimentos ao Papai Noel e ao Saci Pererê e fique sonhando com isso…

  6. Iriam imediatamente fazer a
    Iriam imediatamente fazer a “lava-jato” achar um jeito de prender Lula e qualquer candidato de esquerda. Isso se Cunha não virar a mesa e declarar uma ditadura (eu sei que é uma hipótese lunática, mas no Brasil ficou claro que está valendo tudo).

  7. Pelo que entendi, seria só

    Pelo que entendi, seria só para presidente a nova eleição. Mas como operacionalizar isso ? Temer teria que entrar no acordo e renunciar também junto com Dilma. Não creio que ele esteja disposto a fazê-lo. Mas a coisa não para por aí. Na hipótese de  os dois renunciarem, sabe quem assume ? Pois é, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ele mesmo. Nenhuma chance de termos eleições limpas e tranquilas com um cara desses na presidência da república. Ele teria que renunciar à presidência da câmara e haver um acordo lá para colocar alguém minimamente neutro na presidência da câmara e por conseguinte da república. Acho muito difícil de isso ser operacionalizado. Temer e Cunha acabaram de receber um presente e dificilmente vão deixá-lo escapar assim tão fácil. Isso sem contar que na oposição, há inúmeras divisões entre o que deveria ser feito, pois uma ala acha ruim ter eleições agora enquanto que outra acha melhor pois o “recall” a favoreceria. E não bastasse tudo isso, o tempo corre a favor deles também. Tudo teria que ser viabilizado em poucas semanas, até junho/julho no máximo quando começa o período de campanha eleitoral, do contrário a solução perde validade. É menos de 5% de chances de rolar.

  8. Tereza Cruvinel

    Sempre gostei de seus artigos desde a época que você escrevia no Globo. Aliás era a melhor colunista do Globo. Você saiu cancelei minha assinatura neste jornal.Mas não concordo com você, neste momento. O Temer deve entrar, vai sofrer pela falta de popularidade , reação dos sindicados, reação dos artistas, da classe intelectualizada,, mas o povo também vai sofrer. Toda perda é um aprendizado.  Vamos ver os que receberam os benefícios sociais do governo Lula e Dilma vendo estes beneficios serem congelados ou paralizados.Você sabia que muitos que receberam estes benefícios acham que foi porque Deus ajudou ou foi por esforço deles próprios? Vamos ver agora quem vai ajudá-los.A humanidade é assim mesmo , só aprende com a dor. O sistema de bem estar social adotado pela Europa só foi criado após a 2º guerra e foi aceito pela elite porque ela também teve perdas com a guerra.Precisamos iniciar a campanha para prefeitura e presidencia desde já com um programa muito bem elaborado.

  9. Eleições antecipadas só se

    Eleições antecipadas só se for para o Legislativo e Executivo, apenas executivo de nada adiantará.

    E mesmo assim tenho cá muitas dúvidas. Não creio nem que o PMDB e PSDB aceitem essa proposição. Outro entrave pode ser o TSE que pode, sob a presidência de GM, alegar que não há recursos para uma eleição desse porte conjuntamente com a eleição para Prefeitos.

  10. Aviso aos navegantes:Agora é que a briga ficou boa.Saravá!
      

    Segunda-feira, 18 de abril de 2016 às 14:13   (Última atualização: 18/04/2016 às 16:07:58)

    Presidenta Dilma está confiante na luta contra o impeachment no Senado, dizem deputados

    Os deputados elogiaram a postura otimista da presidenta após a autorização do processo de impeachment na Câmara dos Deputados. Foto: Marcelo Camargo/Blog do Planalto

    A presidenta Dilma Rousseff está confiante. É o que relatam deputados da base aliada que a visitaram na manhã desta segunda-feira (18), no Palácio do Planalto. Segundo os deputados, a presidenta está certa de que poderá defender seu mandato no Senado, para onde seguiu o processo de impeachment aprovado pela Câmara dos Deputados na noite de domingo. Para seguir, ele terá de ser aprovado pela maioria simples da casa.

    “Dilma foi temperada na adversidade, na dificuldade, e ela está com muita firmeza. Já está juntando este grupo para enfrentar o novo passo da batalha”, disse Jandira Feghali (PCdoB-RJ). O encontro também teve a presença do ministro-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República, Jaques Wagner.

    Em conversa com o Blog do Planalto, Jandira afirmou que a presidenta se mostrou firme para continuar lutando contra o impeachment. Segundo ela, a sociedade enxergou os acordos espúrios dos parlamentares favoráveis ao impedimento, o que vai intensificar a atuação da população e do governo contra o golpe.

    “Nosso foco agora é ganhar a batalha no Senado. Principalmente porque nós, deputados, as ruas, e a própria presidenta estamos com muita condição de enfrentar essa batalha”.

     

  11. como já declarei que não pretendo me decepcionar novamente…

    aguardarei sonhando com a possibilidade de uma outra solução:

    em vez de “saída pelo povo”, “saída pela lava jato”

    fazer o mesmo que fizeram com delcídio com pelo menos mais 20 senadores

    seria uma novidade histórica a interrupção de um golpe por falta de políticos honestos para julgá-lo

  12. É GOLPE!

    Tanto quanto o golpe de ontem. Só que é uma outra variedade de golpe. Qualquer coisa fuja do cumprimento normal do mandato de Dilma até o último dia de 2018 é GOLPE! Chega de falar em “eleições antecipadas”!

  13. OU A BURGUESIA golpista se enquadra ou vá p/ Miami

    . Os brasileiros devem aprender a respeitar o voto. A começar pela burguesia velhaca e safada deste país.

    Vamos criar vergonha na cara não é de novas eleições, que precisamos se não sabemos acatar o resultado das urnas.

    Já votamosem 2014  e a eleita foi Dilma Rousseff. Ponto final.

    Se a burguesia que continuar com a SUBVERSÃO POLÍTICA, SOCIAL, ECONOMICA, MIDIATICA E JUDICIAL,

    não resta alternativa, ou deixa o país e vai para Miami, ou implante uma nova ditadura com DOI-CODi e nova operação OBAN,

    a Fiesp tem know. para isto. 

  14. Novas Eleições: Meu Voto “Não Vale Nada”…
    Boa tarde.
    … mas sou “instado” a votar, de novo, para legitimar um processo que acabou de ser jogado no lixo, com o simulacro de impeachment de ontem.
    Por Deos, pela Eliete, pela Corrinha, pela Suzete e por todas as lindas terminadas em ete: se não respeitam meu voto, respeitem, ao menos, meu senso de ridículo.
    Eleições em 2018 e Lula Lá, contra os “éticos”…

  15. Amigos, quem conhece a

    Amigos, quem conhece a história da república bananeira do Brasil sabe que diante do atual quadro até as eleições de 2018 estão ameaçadas, lembram do golpe militar que prometeu eleição para logo que durou 21 anos?

    Se você analisar a proposta pela ótica da política de ‘redução de danos’ é uma boa proposta mas o PT deve estudar bem as suas conveniências, o partido ganhou um palanque, bandeira e discurso novo ao ser apeado do poder por uma súcia de ladrões e vai chegar fresquinho em 2018. 

     

  16. Reforma PolíticaArt. 1 – Que

    Reforma Política

    Art. 1 – Que Deuso tenha misericórdia do Brasil.

    Art. 2 – Que a família dos brasileiros seja protegida por Deus.

    Art. 3 – Boa é a Nação em que Deuso é o senhor.

    Presidente Cunha

    Dedico esta refoorma política a minha família, minha esposa, minhas filhas, meu cachorro totó e a meu querido amigo Miché Temer.

  17. Totalmente inviável

    Teria que se fazer uma emenda a Constituiçäo. Projeto complicadíssimo dadas  as circunstâncias políticas atuais. E em um espaço de 6 meses. Fora de cogitação !

  18. Totalmente inviável

    Teria que se fazer uma emenda a Constituiçäo. Projeto complicadíssimo dadas  as circunstâncias políticas atuais. E em um espaço de 6 meses. Fora de cogitação !

  19. Que?! KKKKKK

     

    Por Júpiter (pai da Justiça) isso atende apenas o interesse dos golpistas, estaremos livrando-os dos seus problemas e entregando o governo a eles!!!!!

     

    A oposição partiu pro tudo ou nada com o golpe, que eles sofram as conseguencias, assumam os riscos ! O Impeachment é um processo longo, desgastante etc mas a oposição em sua fome pelo poder nem estão aí se nos levarem a todos nós numa caminhada ao abismo… 

    Dilma não deve aceitar tal coisa pois isso é admitir alguma culpa, deve aguentar até o amargo fim se assim for, o que virá depois, eu garanto a redime….

    Estamos numa crise econômica que em parte tem haver com a crise mundial e Temer não tem nenhum apoio popular pra governar, é justamente isso que faz a oposição se borrar de medo…. enfrentar o pior dos mundos e fracassar.  Que permaneça o calendário eleitoral, quero ver fazerem melhor e atendendo as promeças e acordos firmados. Eu não acredito. Provavelmente a oposição será tragada pela crise e talvez pior haja uma crise institucional, não que eu queira o pior para o país mas há momentos que devem servir como uma lição que deve ser aprendida pelo povo. Uma lição que o faça amadurecer e sair desse estado infantil, que o faça a ser de fato um cidadão de primeiro mundo. Isso acontecerá quando o povo que gritou “fora Dilma” vai se ver caindo num buraco pela mãos daqueles em quem acreditou e saber que não se deve brincar com o destino da país. O centro do poder não pode estar a merce de um jogo qual um BBB. Desculpem-me, eles estão jogando um jogo sem garantias com todos os riscos possiveis, deixemo-los! Se tiver que arrebentar que arrebente, aí em 2018 voltamos, nem precisa ser o Lula, qualquer petista vai ganhar e de novo vai tirar o Brasil da merda!

     

     

     

    • Isso era tudo que os golpistas queriam!

      Isso era tudo que os golpistas queriam! Tirar a Presidente de qualquer jeito e colocar qualquer otário mais manipulável no lugar dela, seja com eleições indiretas ou diretas. O povo está ultrailudido pela mídia e vai votar em qualquer novo Collor, Aécio, Marina que apareça! Prefiro que ela seja destituída com esse golpe político sem vergonha e os movimentos sociais nas ruas até 2018!

    • Isso era tudo que os

      Isso era tudo que os golpistas queriam! Tirar a Presidente de qualquer jeito e colocar qualquer otário mais manipulável no lugar dela, seja com eleições indiretas ou diretas. O povo está ultrailudido pela mídia e vai votar em qualquer novo Collor, Aécio, Marina, Moro que apareça! Prefiro que ela seja destituída com esse golpe político sem vergonha e os movimentos sociais nas ruas até 2018!

  20. A ‘esquerda’ novamente fazendo o serviço da direita…

    Novas eleições é a melhor solução para a direita!

    Solução 1), golpe ou intervenção militar é algo que não está no horizonte da direita, eles não querem esse desgaste, isso é um peso enorme na história do Brasil e provocaria um tulmulto imenso no ‘mercados’ internacionais. Ademais a direita e aos ‘mercados’ interessa mesmo é manter a fachada democratica com conteúdo autoritário.

    Solução 2) Temer e o PMDB.  Temer é a saida mais rápida, a ponte para o futuro (ou ponte que partiu) foi um programa criado pelo PMDB para se cacifar ao cargo de representante do grande empresariado. Mas o PMDB embora sendo a solução mais fácil e rápida para a direita, não é a melhor para eles. O PMDB não é confiável, existe o fator lava jato que pode levar de roldão mais da metade do PMDB e os ‘mercados’ e outros financiadores da direita querem alguém que seja capaz de dar cenoura e principalmnte chicote para os trabalhadores.

    Solução 3) novas eleições. A solução ideal para a direita é uma nova eleição – dá ‘legitimidade democrática’, enquanto o impechment é no minimo questionável sobre esse quesito – da oportunidade para alguém ‘ficha limpa’ e que tenha um discurso de ‘nova politica’, de ‘reforma’ e que seja contra a ‘velha esquerda’ sem ser abertamente de direita, sem ser um brucutu como um bolsonaro que incendiaria e não controlaria as massas.

    E acho dificil o Lula  se eleger, sua imagem se desgastou junto com a do PT e sua ariiculação politica para barrar o impechment foi um retumbante fracasso.E a esquerda que em 2014 votou em Dilma para impedir o ‘mal maior’ não vai repetir o erro com Lula em 2018, Nessas novas eleições pode ter certeza que o indice de abstenção será recorde histórico, o que favorece a direita!

    Alguém ai disse MArina???? Ou talvez algum outsider que está sendo preparado nos bastidores????

  21. Repito avaliaçao de dias atras:

    Tereza Cruvinel tem experiencia bastante para saber que proposta tem chance minimas – sendo bem gentil – de ir adiante.

    Ao meu post de semanas atras ainda acrescento o q disse Jr50:

    – COM GILMAR NO TSE??

    – E JANOT NA PGR??

    Eleições Antecipadas: o Bode na Sala?, por Romulus

     ROMULUSTER, 12/04/2016 – 07:20ATUALIZADO EM 12/04/2016 – 08:02

    Por Romulus

    Indivíduos, tanto no governo como nas oposições, tem acenado com a possibilidade da antecipação de eleições gerais como meio de se sair do impasse político que vivemos. Isto é, caso não prospere o impeachment ou a recomposição da base parlamentar da Presidente Dilma, claro.

    No entanto, não consigo acreditar que nenhum dos lados que vêm com essa proposta o faça pra valer. Pra mim tem cara do famoso “bode na sala”. Fora a polarização exacerbada do momento, o mal estar econômico e o desgaste total da imagem dos partidos – todos, alguns outros fatores me levam a essa percepção:

    – Eleição geral? Dentro de apenas 6 meses junto com prefeitos? Difícil de acreditar. Depois? Quando?

    – Sem doações empresariais? Sem (ou com pouco) caixa 2, dada a situação das empreiteiras? Com marqueteiros suando frio por aí?

    – Sem amplo consenso em torno de eleições antecipadas (PGR, STF, Congresso e Executivo), qualquer um poderia judicializar a questão, apontando a Emenda como inconstitucional. Pode-se facilmente alegar a interferência de um ou mais Poderes nos outros ou atentado à ordem democrática – ambos contrários a cláusulas pétreas da Constituição. Queremos mais batata quente no STF?

    – Com total imprevisibilidade sobre resultados e mesmo sobre quem iria para o segundo turno com Lula? Quem tem mais chance hoje de encarnar o anti-PT? PSDB, Marina ou Bolsonaros/Paschoais/Moros?

    LEIA MAIS »

     

     

     

  22. Eu não desejo…

    Eu não desejo que a Dilma saia, mas ela sair o Temer vai se lascar de verde amarelo,  ainda penso que ela tem que lutar até o fim mesmo que perca, pois até lá o Temer vai estar mais que ferrado  com a oposição que vai fazê-lo sangrar dentro do plenário e nas ruasNem quem os apoiam vão aguentar. Hostilizar o Temer em publico é a melhor coisa, fazer o mesmo ou pior do que fizeram com a Dilma, tem que acabar com moral desse canalha , pois ele não vai aguentar como Dilma tem aguentado porque ele é um almofadinha, com ele iremos nos ferrar,  mas  nada será  mais prazeroso do que vê-lo sendo humilhado dentro do seu país e fora dele.

  23. Golpismo Light

    O correto seria eleições legislativas e não presidenciais. A presidente não cometeu nenhum crime e está sendo vítima de um golpe. 

    Além do mais, que novo presidente vai governar com este congresso? Ou vai fazer o que o Temer quer fazer ou vai ser impichado em seis meses já que o caminho do golpe já está aberto.

  24. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome