Bresser-Pereira defende Diretas e retorno de Lula

Imagem do Youtube
 
Por Bresser Pereira em seu Facebook*
 
O que fazer?
 
Depois do TSE, que manteve Temer na presidência da República não obstante seu envolvimento direto e pessoal na corrupção, o que fazer? Os movimentos sociais e o PT insistem no impeachment de Temer e pedem eleições diretas. O que faz sentido,
 
• porque Temer está desmoralizado, e não tem condições mínimas de presidir o país;
• porque eleições indiretas para substituí-lo agravarão a crise ao invés de solucioná-la, dada a ilegitimidade radical de quem for assim eleito;
• e porque Lula provavelmente se elegerá se houverem eleições diretas antecipadas.
 
Mas é isto o que a direita liberal financeiro-rentista e o PSDB menos desejam. Por isso, é pouco provável que empichem Temer. Preferirão mantê-lo, apesar da desmoralização que isto significa para eles e para todos nós, brasileiros.
 
O essencial, então, é que nos preparemos para as eleições de 2018. Para isto, porém, não basta continuar a fazer forte oposição ao governo e à reforma trabalhista. É também necessário que discutamos um projeto de governo que possa unir a nação em torno de Lula.
 
Lula é o mais extraordinário líder político que o Brasil já teve depois de Getúlio Vargas. E já mostrou que tem todas as condições de governar o país de maneira equilibrada, defendendo os pobres e os trabalhadores, sem, para isto, precisar agredir a alta classe média e os ricos. Lula, porém, não mostrou ser capaz de tirar o Brasil da semiestagnação econômica em que o país está metido desde 1990. Nesse ano começou a implantação de um regime de política econômica liberal que, ao abrir a economia, desmontou o mecanismo que neutralizava a doença holandesa, e implicou uma apreciação cambial de longo prazo, apenas interrompida por crises financeiras. Desde então a indústria brasileira passou a sofrer uma grande desvantagem competitiva, que levou o país à desindustrialização e à semiestagnação.
 
Lula não soube enfrentar esse problema, porque os economistas que o assessoravam na época também não sabiam defini-lo e encontrar uma solução para ele. Nem eles, nem nenhum outro. Uma tarefa fundamental dos economistas e, mais amplamente, dos intelectuais brasileiros é discutir essa questão, para a qual já existe uma resposta; é definir como o Brasil poderá voltar a crescer e a melhorar o padrão de vida da população. E discutir essa questão com a sociedade brasileira, porque as políticas necessárias envolverão custos no curto prazo.
 
Em 2018 não bastará ganhar as eleições; é preciso, em seguida, mostrar que sabemos governar o país melhor do que os liberais financeiro-rentistas, e não apenas porque defendemos mais justiça social, mas também porque sabemos administrar melhor a economia brasileira.
 
Luiz Carlos Bresser-Pereira é professor emérito da Fundação Getúlio Vargas onde leciona desde 1959 e editor da Revista de Economia Política desde 1981. No governo Fernando Henrique Cardozo foi ministro da Administração Federal e Reforma do Estado (1995-1998) e ministro da Ciência e Tecnologia (1999). A partir daquele ano passou a se dedicar exclusivamente à vida acadêmica.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

10 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

jossimar

- 2017-06-12 13:14:38

A ditadura resolveu? O

A ditadura resolveu? O Sarney, o Itamar e o Collor resolveram? O psdb, antes do Lula resolveu? E depois do Pt, resolveu?

No intervalo 2003 a 2012 não resolveu, mas deu uma melhorada. Um país não se resolve em 10 anos mas em décadas seguindo um caminho claro.

Sempre digo que o Lula não fez mais porque TINHA A CERTEZA de que se tentasse fazer mais acabaria como a Dilma.

E mesmo assim, sem resolver, tentaram golpeá-lo com campanhas infames na mídia em 2006 e contra o seu indicado  em 2010 e 2014.

Como democraticamente não deu, partiram para o golpe que arruinou o brasil pelos próximos 50 anos, pelo menos.

Serjão

- 2017-06-12 06:04:26

Por isso mesmo

"Lula é o mais extraordinário líder político que o Brasil já teve depois de Getúlio Vargas."

Discordo: Lula é o maior líder político da história do Brasil; reverenciado no planeta inteiro.

Por essa razão não permitirão a sua volta.

Lula hoje é um símbolo, um mito, o único com a capacidade de aglutinar a multidão para retomar-mos o nosso País.

Gostando muito ou não gostando tanto do Lula, sem ele e o que representa, não há saída do inferno em que nos meterem a todos nós brasileiros.

A questão é: no ritmo acelerado da destruição imposta por todos os bandidos e parasitas (os daqui e os de fora, os eternos donos do mundo), o que restará daqui a oito meses? Não é preciso ir mais longe, é pra ontem o esgarçamento completo dessa triste nação e do nosso miserável povo, que em apenas dez anos dos quinhentos de escravidão e subserviência, viveu e teve uma breve amostra do grande País que podemos ser.

 

Karl Zimmermann

- 2017-06-12 02:34:00

Bresser nao pensa direito mais

 

Há muito tempo esse Bresser nao pensa e nao fala nada coerente.

Bresser foi explicito no texto: Lula foi presidente 8 anos e nao soube resolver os problemas da economia. Por que voltar nele novamente entao?? Ficou 8 anos e nao resolveu! Dilma ficou 6 e nada!!

O PT e as esquerdas tem que se renovar! Nao dá pra ficar insistindo em quem corre o risco de ser preso e que ja teve a sua chance. 

 

 

alfredo sternheim

- 2017-06-11 22:20:15

Energia e competência

Não contesto a grandeza legítima de Lula. Foi  um ótimo presidente em dois mandatos. Mas, a idade chegou. Com mais de 70 anos e depois de tantas provocações e adversidades enfrentadas, ele não tem mais a energia que o Brasil precisa. É preciso encontrar um  nome e principalmente um plano bem preciso para a nação. Que inclua reformas radicais nos gastos do Congresso, do Judiciário, do Poder legislativo, da máquina governamental. E de outras áreas (subsídios)  Que inclua reformas imediatas no funcionamento e na produtividade do Judiciário e do Poder legislativo, E que alguém com energia e competência seja candidato com apoio e conselhos de Lula.  Energia e competência. Essa insistência do idoso Bresse em torno do idoso Lula não se recomenda. Em tempo, já passei dos 70. O ser humano precisa ter consciência de seus limites. 

Humberto Carvalho

- 2017-06-11 21:39:06

Direta já ou em 2018?

Bresser Pereira defende eleições diretas para presidente em 2018. Por que? Cancelaram?

Há décadas que Bresser toca um samba de uma nota só: desvalorização do real. É ótimo para empresários exportadores; ou seja, para a elite compradora que domina o país desde a descoberta (compravam, para vender à Europa, pau-brasil, depois açúcar, depois ouro e pedras preciosas, depois café e, desde 1930, o suor do povo via trabalho fabril e em serviços). É péssimo para o povo, que terá seu poder de compra reduzido.

Os donos da rede Globo queriam Lula para presidente em 2014, em vez da reeleição de Dilma (um dos filhos do Roberto Marinho foi flagrado saindo do Instituto Lula na época). Por que? Porque ele concilia com nossas elites compradoras? 

Basta de conciliação! Paciência tem limite!

 

Don Cassavetes

- 2017-06-11 21:05:13

(Ex)querda

(Ex)querda sem rumo, sem projeto (a não ser o de voltar ao poder), defendendo o indefensável, justificando tudo de ruim que envolve o PT, caindo de novo nas lorotas do Lula, enfim, nada de novo. Apenas fé. 

Jon Sobrino

- 2017-06-11 20:15:40

Verdade... mas...

... governar com esse Congresso?

Tem certeza que governa?

Eu digo que não governa de modo algum. A crise é, segundo minha opinião (e, portanto, factível de erro), mais parlamentar do que do Executivo. Temer é uma má figura, nefasta politicamente e como governante, e só pelo fato de ainda não ter sido condenado é que não posso, de modo algum, de chamá-lo de criminoso contumaz.

Se a eleição for uma espécie de tentativa de superar o trauma de ter sido deposta uma presidenta honesta (em tempo: o que implica para Dilma não ter sido condenada, além de não ser inelegível?), melhor esquecer.

O Congresso vai cortar na própria carne e tirar parlamentares por falta de decoro, na velocidade e na quantidade necessária? Acho que não.

Fachin colocou o Aécio de lado pois o Congresso como um todo (seja pelo comprometimento de grande parte das bancadas com esse governo, seja pelo fato de a oposição ser minoritária e a população perdeu a oportunidade de votar corretamente, em parlamentares que defendam reais causas e necessidades) está incapaz e/ou impotente para agir institucionalmente. Fachin deu um drible da vaca no Congresso. O fato desta justificativa colocar em xeque a independência do Congresso para julgar seus atos, é também mais um momento que demonstra e constroi o cenário de desarranjo institucional a partir do golpe.

E perder a imunidade agora é suicídio.

 

Lucinei

- 2017-06-11 20:01:49

Não dá mais pra ficar sendo

Não dá mais pra ficar sendo "educadinho" com esses valentões de butiquim. Ficar propondo um debate razoável enquanto eles xingam e dão chute na canela, é essa a sugestão?

Não vejo mais o menor futuro por aí.

Já era! É a pós República!

ze sergio

- 2017-06-11 19:43:38

Bresser....

30 anos de plena liberdade. Não sabemos para onde ir. Anticapitalistas dilapidando recursos naturais para pagar as contas. Estado inchado. País paralisado. Procuramos o nosso Salvador da Pátria do momento. Nosso Paí dos Pobres. Nossa saída Messiânica. Novo milênio iniciando. A culpa continua sendo dos outros. O Brasil continua muito raso. Como rasos nossas discussões e projetos. 

Jaide

- 2017-06-11 18:26:41

"Lula é o mais extraordinário

"Lula é o mais extraordinário líder político que o Brasil já teve depois de Getúlio Vargas".

É verdade.

Mas por causa disso querem "neutralizá-lo".

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador