Calotes, mentiras e ameaças – Conheça Luis Miranda, o youtuber eleito deputado federal pelo DEM

Foto: Reprodução/YouTubeLuis Miranda em visita ao gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara em 2017

do The Intercept Brasil

Calotes, mentiras e ameaças – Conheça Luis Miranda, o youtuber eleito deputado federal pelo DEM

por João Filho

Os primeiros 15 dias de governo mostram que o bolsonarismo é mesmo o terraplanismo aplicado à política. Nada precisa fazer sentido. Basta se apegar a uma crença, ignorar a realidade dos fatos e seguir em frente. Até agora tem dado certo.

Depois de se elegerem ostentado um anticomunismo insano, parlamentares da bancada do PSL e outros bolsonaristas foram convidados pelo Partido Comunista da China para conhecer a tecnologia de reconhecimento facial em locais públicos — o Big Brother do regime. E lá foram cerca de 20 anticomunistas passear durante dez dias para conhecer as maravilhas tecnológicas daquele país. Toda essa mamata da trupe de Bolsonaro, incluindo hotel de luxo e passagem aérea em classe executiva, foi financiada pelo comunismo.

As violações dos direitos humanos na China não são motivo de repúdio como são as da Venezuela. Mas há uma explicação. Segundo o deputado pitboy Daniel Vieira (PSL-RJ) — aquele que destruiu a placa de rua simbólica que levava o nome de Marielle Franco —, a China é um “socialismo light”, e não uma ditadura como a Venezuela. Eu sei que já devia estar acostumado, mas ainda fico constrangido com a dificuldade com que esses novos políticos de extrema direita têm em lidar com conceitos básicos de política. Certamente o nosso pitboy considera o “socialismo chinês” muito mais brando do que a ditadura do PT.

Leia também:  Fim do Farmácia Popular pode elevar custos da Saúde

Olavo de Carvalho, o farol intelectual do bolsonarismo, gravou um vídeo dando umas belas chineladas na turma que traiu o movimento anti-globalista e embarcou no trem da alegria. Prometeu não falar mais com sua amiga Carla Zambelli (PSL-SP) e chamou todos da comitiva de “semi-analfabetos” e “caipiras”. Olavo nunca teve tanta razão. De fato, alguns vídeos que os bolsonaristas publicaram em suas redes mostram um deslumbre que lembra a família Buscapé chegando em Beverly Hills.

A coisa fica ainda mais cômica quando se descobre que a viagem não foi uma iniciativa do governo brasileiro, mas de um amigo do Alexandre Frota (PSL-SP), o empresário Vinícius de Aquino. Ele combinou a viagem com a embaixada e escolheu os convidados. “Convidei os deputados de que gosto e confio, e que são web influencers, para que a esta viagem possa trazer o maior êxito possível”, afirmou o empresário que jura não estar ganhando nada fazendo essa ponte.

Entre os convidados, o influenciador digital de maior presença na internet é o deputado Luis Miranda (DEM-DF). Ele tem publicado muitos vídeos da viagem e parece ser o parlamentar mais entusiasmado no país da foice e do martelo. É sobre ele que eu quero falar nesta coluna. A sua trajetória até a Câmara dos Deputados é um troço meio inacreditável, mas bastante representativa do embuste que é essa viagem pra China e do bolsonarismo vigente.

Miranda se apresenta na internet como um empreendedor de sucesso. Um self-made man que saiu do Brasil sem um tostão e virou um empresário milionário em Miami. Durante anos, ele se dedicou a contar no YouTube as maravilhas do capitalismo na terra do Tio Sam, sempre comparando com as desgraças do “socialismo brasileiro”. Nos vídeos, ele aparece ostentando imóveis, carros, lancha e bolos de notas de cem dólares — algumas vezes falsas. Foi assim que ganhou fama na comunidade brasileira nos EUA e entre os brasileiros que sonham em migrar. Conquistou aproximadamente 800 mil seguidores no YouTube e 3 milhões no Facebook. Virou uma estrela da internet.

Sempre usando frases motivacionais e retórica de coach, Luis Miranda também deu palestras e vendeu cursos ensinando como conseguir o green card e ficar rico nos EUA. No Linkedin, se apresenta como um “multi empresário, que assim como seu ídolo famoso Steve Jobs, precisou se reinventar após um grande sucesso e queda”.

Leia também:  Demora do Brasil em aderir à Vax Facility demonstra "pequeneza" do governo, diz sanitarista

Acontece que o sucesso empresarial de Miranda é mais fake do que a mamadeira de piroca do WhatsApp. Simplesmente todas as empresas que ele fundou faliram e deixaram um histórico de calotes na praça.

Sua carreira empresarial se iniciou ainda no Brasil em 2008, quando fundou a Fitcorpus, uma franquia de clínicas de estética que chegou a aparecer mais de uma vez no programa Amaury Jr. como um modelo de negócio revolucionário.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome