Decotelli, ministro da Educação, não tem pós-doc da Alemanha

Universidade alemã informa que Decotelli fez pesquisas na instituição por um período de três meses, mas não concluiu nenhum programa de pós-doutorado que, no caso, duraria de dois a quatro anos.

Jornal GGN – A Universidade de Wüppertal, na Alemanha, informou que Carlos Alberto Decotelli não obteve certificado de pós-doutor como foi divulgado pelo Ministério da Educação (MEC). Ou seja, o novo ministro não tem o título de pós-doutor.

O doutorado já foi descartado pela Universidade de Rosário, o mestrado está sob investigação por acusação de plágio. Agora, a Universidade alemã informa que Decotelli fez pesquisas na instituição por um período de três meses, mas não concluiu nenhum programa de pós-doutorado que, no caso, duraria de dois a quatro anos.

O ministro da Educação colocou em seu currículo na plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) que frequentou a universidade alemã entre 2015 e 2017, recebendo seu título de pós-doutor.

Ele já havia corrigido o currículo quando a Universidade de Rosário, Argentina, confirmou que ele não tem o título de doutor pela instituição, apesar de ter estudado. Mas ele manteve na plataforma a informação de que teria pós-doc da Alemanha, o que chama a atenção, pois só se obtém pós-doc após a conclusão do doutorado.

O ministro, na Argentina, não teve defesa autorizada, ou seja, não foi aprovado na avaliação preliminar para prosseguir com o doutorado.

Sobrou para Decotelli, agora, o título de mestre. Mas este está sob investigação pois a Fundação Getúlio Vargas (FGV) apura se houve plágio na dissertação do mestrado. A dissertação do ministro foi denunciada por Thomas Conti, professor do Insper, em seu Twitter, que diz que ele reproduz, sem indicar como citações ou dar referências bibliográficas, passagens inteiras de relatório do Banrisul na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Sobre isso, o MEC informou que Decotelli iria revisar o trabalho e, caso existam omissões, podem ser creditadas a falhas técnicas ou metodológicas.

Leia também:  Dossiê do governo contra antifascistas é perseguição política, diz movimento

Decotelli foi presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) em 2019. Antes disso foi professor da Pós-Graduação em Economia e Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O ministro removeu seu perfil no LinkedIn.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Será que esse pilantra tem ao menos uma graduação, um bachareladozinho qualquer? Cabe consultar a UERJ, onde diz ter estudado ciências contábeis. De qualquer forma, já é uma folha corrida extensíssima! Uma “capivara” que não tem mais tamanho! Como o salafrário é oficial da reserva da Marinha (será?), é bem provável que use todos esses títulos falsos para auferir uns trocados a mais à custa da Viúva, aumentando as rubricas-penduricalhos na folha de pagamento. Em suma: (mais) um perfeito canalha. Foi nessa escumalha que votaram no fatídico mês de outubro de 2018. Lá se vai … uma eternidade.

  2. Tinha aparecido um cara com bom curriculum pro MEC, não que um militar com formação de economista fosse bom pra educação. Agora se descobre que o curriculum é fake. Haja mentira e cara de pau…

  3. Seria no mínimo surpreendente, se o seu “pós doutorado” tivesse confirmação na Alemanha, considerando-se o respeito que aquele país tem pela cultura. Não é porque o ministro é preto que ele pode se achar um Joaquim Barbosa, que teve que, pelo menos, dominar o idioma para poder ostentar alguma passagem por lá ( até prova em contrário ).
    Mas, alegrias!
    Diante de toda essa coletânea de títulos falsos o ministro demonstra TOTAL APTIDÃO para exercer um ministério nesse governo tosco.

  4. Jente, para!
    O menistro tem póz doltoradio em fake news pela konsseituadícima Uniwercidade Milissiana de Riu das Pedras. O qi maiz é prisizo para okupá o mini estéreo da enducassão deste governo? Tão exixindo muito.

  5. Deu na editoria de Educação da Folha, quando deveria ser na de “Polícia”, que a posse do salafrário foi suspensa (https://educacao.uol.com.br/noticias/agencia-estado/2020/06/29/planalto-adia-posse-de-novo-ministro-da-educacao.htm). Será que subiu no telhado? Será que já têm outro enganador da escória à vista? Ou será mais um milico estúpido, desses que grassam por aí em busca de uns caraminguás a mais no soldo? Fortes emoções pela frente. E assim vamos até 202…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome