O que a Carne Fraca e o projeto de terceirização ensinam à esquerda, por Reginaldo Moraes

Escândalo na fiscalização de alimentos e a desregulamentação do mercado de trabalho deveriam desafiar os sindicalistas a propor meios para aumentar o controle dos interesses econômicos das empresas e oxigenar a representação política

do Brasil Debate

O que a Carne Fraca e o projeto de terceirização ensinam à esquerda

por Reginaldo Moraes

O escândalo da “Carne Fraca” mostrou várias coisas ao mesmo tempo. Antes de mais nada, escancarou a luta pelo protagonismo dentro da Polícia Federal – cada delegado querendo aparecer mais do que o outro. A qualquer custo. Depois, a tentativa de chantagear políticos, pela mesma instituição: primeiro, um recado ao ministro da Justiça, supostamente “chefe” da PF; quando outro ministro criticou a PF, reação parecida.

Depois veio Blairo Maggi – que Deus o tenha e o Diabo o receba. Não constava em delações, no dia seguinte a suas declarações, passou a constar. E os delegados fizeram questão de alertar: o que vazamos é apenas parte de nossa munição. O estado policial foi deslanchado com os golpistas e agora reina absoluto. Manda recados via vazamentos.

Será que alguém, fora Poliana, achava que a indústria da carne era pura e saudável? Ora, será que alguém pensa algo semelhante sobre o leite, os pães, os remédios, as frutas e legumes? Existe alguém que pelo menos não suspeite que comemos venenos e falsificações todo dia? Será que alguém imagina que alguma dessas grandes corporações paga em dia e integralmente os impostos e taxas? Será que alguém sonha que em algum dia o reino dos fiscais era imune às gracinhas dos fiscalizados? Só agora nos “escandalizamos” com essas “revelações”?

Neste episódio, argumentos sobraram de todos os lados. Sobre as maldades dos carniceiros – óbvias. Sobre as vantagens dos competidores internacionais com este choque – igualmente óbvias. Sobre a briga de bastidores para ocupar espaço, mídia e poder – algo também muito óbvio.

O que não apareceu – e, no entanto, deveria ser óbvia – é a necessidade de criar canais permanentes e ampliados de “transparência”, essa palavra tão utilizada e tão cínica. Vou sugerir um deles, que venho repetindo faz tempo.

Por que não temos, no Brasil, uma representação dos trabalhadores na gestão das empresas – como em outros países que se livraram de ditaduras fizeram? É o caso de perguntar por que não temos eleição de comitês de empresas, com trabalhadores eleitos diretamente pelos seus companheiros, com mandato e estabilidade, com direito a inspecionar e divulgar as informações sobre a empresa: de quem compra, quanto vende, quanto paga de impostos, e assim por diante. Por que delegar a exclusivos fiscais do estado – por mais honoráveis que sejam – a vigilância fiscal, sanitária, ambiental e trabalhista?

Mais uma vez – estou ficando repetitivo – sugiro que os ativistas sindicais brasileiros, aqueles que ainda restam, deem uma olhada na legislação que a social-democracia alemã traduziu e entregou aos parlamentos espanhol português, depois da queda das ditaduras. Sim, só traduziu, não precisou nem inventar. Pode ser um ponto de partida. Até porque a representação trabalhista que temos é claramente envelhecida, burocratizada e, agora, se desmancha diante da pulverização do mercado de trabalho, graças à terceirização, automação e subcontratação.

Diante de escândalos como este, da Carne Fraca, está mais do que na hora de colocar na agenda um conjunto de propostas de esquerda. Que não apenas aumentem a regulação política dos interesses econômicos. Mas, também, oxigenem esta representação política.

Sindicalistas: ou mudam ou morrem de inanição

E já que estou no tema, aproveito para pegar carona em outro evento relevante do momento. O Congresso mercenário acaba de aprovar uma lei de desregulamentação e pulverização do mercado de trabalho, a chamada terceirização do fim do mundo. É um passo importante, mas é um passo numa caminhada que vem desde muitos anos. Faz tempo que o mercado de trabalho vem sendo esquartejado por operações do capital – via legislação e também via reengenharia das empresas. O resultado foi a fragmentação das categorias e o enxugamento das bases de muitos sindicatos, que viam seus representados e filiados escorrerem pelos dedos. A legislação recém aprovada dá um novo tranco – bem mais forte – nessa direção.

Os ativistas sindicais – aqueles que ainda existem – devem pensar rapidamente em criar ferramentas e formas de organização que respondam a esse desafio. Fenômenos semelhantes em outros países – como os Estados Unidos – podem servir de alerta ou inspiração.

No cenário americano, ao lado desses vetores que apontamos – automação, terceirização, subcontratação, migração de plantas – ainda se somou a massiva imigração latina, a terceira onda de migração daquele país. A selvageria do mercado de trabalho exigiu que ativistas de esquerda e sindicalistas (as frações menos burocratizadas da central AFL-CIO) inventassem novas ferramentas para organizar e mobilizar os trabalhadores formais e informais. Surgiram experimentos como os como os worker centers, as “paróquias” do Working America (movimento comunitário animado pela AFL-CIO) e as várias experiências de “sindicato-movimento social” que se espalham principalmente em regiões de forte presença de imigrantes.

Está mais do que na hora de a esquerda entrar na disputa com sua própria cara – e talvez coisas pequenas mas ousadas como estas sejam uma pista.

Reginaldo Moraes – É professor da Unicamp, pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-Ineu) e colaborador da Fundação Perseu Abramo. É colunista do Brasil Debate

Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. O velho chanceler

    Enquanto algum interesse não expõe a realidade todos acreditam no bom, belo e justo. Seja pela mais profunda ignorância ou por sobrevivência. Todos sempre estamos apartados da realidade. Seja a fidelidade do cônjuge, as virtudes da prole, a pureza da água, a salubridade da casa ou a honestidade cívica. Portanto, nunca é supérflua a pergunta: cui prodest…

    Ainda pior, toda reunião humana tem a sua inteligência total estabelecida pela média geométrica, não… errei… considerando o QI dos coxinhas midiotizados é impossível este cálculo.

     

     

  2. Brasil: Delegado e Juiz vira Político e Políticos viram lobbista

    Descartaram por completo o respeito a cidadania.

    É o caos.

    O que espanta é como essa gente:Grande parte dos Políticos, alguns Delegados, Juizes e Ministros dos tres poderes  perderam a vergonha e são tão descarados.

    Tenho certeza que a coisa piorou muito porque nas eleiçoes de 2016 fizeram a Kgada de votar avassaladoramente só nos aliados da Gang do Planalto. Aí , com esse aval, eles resolveram meter o ferro com areia e tudo

  3. EM PLENA CRISE MICRO EMPRESAS PAGANDO O PÃO QUE O DIABO AMASSOU.

    A questão sindical tem que ser olhada sim, mesmo sendo de esquerda temos que falar a verdade tem que modificar isso sim, vou lhe contar um acontecimento. tenho uma micro empresa e com essa crise já estou falimentar, para não deixar de pagar os 4 funcionários e também segurar o máximo para que a crise passasse então deixei de pagar alguns penduricalhos por falta de condição e saúde financeira da empresa, pois vejam, o sindicato dos trabalhadores avisou a sindicato  patronal que eu não tinha um tal REPIS que me dá direito de pagar os meus funcionários o salário do comerciário, então me enviaram uma intimação e mandaram um advogado na minha empresa, ou seja em  uma micro empresa para aplicar uma multa de R$ 5.0000 reais, ai eu disse para a senhora que me visitou: Dona eu não estou pagando porque não tenho mais de onde tirar dinheiro para conselhos federações etc., a Senhora pode ficar aqui comigo e veja quantas pessoas entram aqui na loja, como eu vou pagar isso, não tem como, estou pagando o essencial e não tenho mais como ficar com os funcionários, a questão é simples a empresa está falindo de tanto imposto, taxa, contribuição e etc. infelizmente eu não sei mais como lidar com isso, porque não estamos mais vendendo como a um ano atrás e ela foi embora e a cada dia chega uma carta registrada falando que como eu não paguei o sindicato patronal é lei eu serei penalizado, moral da história, o sindicado patronal os funcionários são todos parentes. Realmente não tem como sustentar certas coisas e a gente não deveria ser obrigado a pagar Sindicato Patronal.  Eu não posso ser obrigado a sindicalizar onde não me dão nada de volta.

  4. Eu gostaria de saber onde

    Eu gostaria de saber onde esconderam o delegado com dois insetos no nome?

    Deve estar em sindrome de abstinência de holofotes.

    Tomara que morra disso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome