Queda nas expectativas para o futuro é anterior às manifestações de rua

Foto: Nacho LemusA presidente Dilma Rousseff registrou enorme perda de intenções de votos em um mês – de 52,8% para 33,4% no primeiro turno, num cenário em que disputaria com os candidatos Marina Silva (Rede), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) –, segundo a 114ª Pesquisa CNR/DMA divulgada hoje (16). Uma variação eleitoral tão abrupta deve ser atribuída ao efeito contágio das manifestações que ocuparam as ruas do país e as redes sociais no período. Todavia, se forem considerados os indicadores de expectativas dos entrevistados para os próximos seis meses da 113ª Pesquisa (de junho de 2012) e da atual, é possível chegar à conclusão de que a corrosão das expectativas era parte de um processo que antecedeu as manifestações, e podem ajudar a entender a razão de manifestações com reivindicações tão difusas e variadas terem adquirido uma força de contágio tão rápida e tão grande.

As últimas três pesquisas CNT/DMA trazem duas questões conjunturais para medir as expectativas dos entrevistados em relação ao país – o que as pessoas acham que vai acontecer, nos próximos seis meses, com seus empregos e renda – e três questões relativas à gestão de serviços públicos. Em julho de 2012, 54,1% dos entrevistados achavam que a situação do emprego do país iria melhorar nos seis meses seguintes e 49% achavam que sua renda mensal iria aumentar no mesmo período. Em junho, a 113ª pesquisa registrou uma queda significativa nessas duas expectativas: 39,6%, ou seja, 14,5 pontos percentuais a menos, acreditavam que o emprego iria melhorar, e 35,8% (13,2 pontos percentuais a menos) passaram a acreditar numa melhora de renda nos seis meses seguintes. Quase todos os pontos percentuais perdidos entre os que achavam que os empregos iam melhorar foram ganhos para a resposta dos que consideravam que tudo ficaria a mesma coisa.

Leia também:  Confissão de deputada sobre candidaturas laranjas do PSL repercute entre políticos, por Nathália Bignon

No caso dos serviços públicos, em julho do ano passado 43,7% consideraram que a Saúde melhoraria nos seis meses seguintes. No mês passado, esse índice havia caído para 26,2%. Os 39,7% que consideravam que o serviço público continuaria a mesma coisa no ano passado subiram para 45,5% em junho deste ano; e os 14,3% que consideraram que, no ano passado, a Saúde pioraria nos seis meses seguintes, já eram 25,7% no mês passado.

Na pesquisa do ano passado, 47,2% tinham a expectativa de que a Educação melhoraria nos seis meses seguintes; no mês passado, apenas 33,1% manifestaram essa esperança. Na Segurança Pública, os 39,1% que tinham expectativa de melhora, em 2012, caíram para 29,1%.

Na pesquisa de julho, divulgada hoje (16), e realizada já sob o impacto das  manifestações de rua, há uma acentuação da tendência de deterioração das expectativas referentes à conjuntura (emprego e renda) já registrada na pesquisa do mês passado, mas curiosamente melhoraram as expectativas em relação à melhora de qualidade dos serviços de Saúde e educação.

Dos entrevistados, 32% consideraram que a questão do emprego iria melhorar nos próximos seis meses – 7,6 pontos percentuais a menos que a pesquisa realizada em junho; 29,6% passaram a acreditar que a sua renda iria aumentar no mesmo período (contra 35,8% registrados na pesquisa do mês anterior). O índice dos que consideram que a Saúde vai melhorar, todavia, aumentou de 26,2% da pesquisa anterior, para 31,5% da pesquisa atual; e os que consideram que a educação vai melhorar correspondem a 34,7% dos entrevistados, 1,6 ponto percentual a mais do que o registrado no mês passado.

Pela queda na popularidade e na avaliação de governo de Dilma – a avaliação do governo caiu de 54,2% para 31,3% em um mês, e a aprovação de Dilma despencou de 73,7% para 49,3% no período – é de se supor que as expectativas em relação à conjuntura, que se reduziram, estão na relação direta da confiança dos entrevistados na presidente e no governo. A expectativa maior em relação à Saúde e educação podem ser atribuídas aos efeitos positivos que essas pessoas podem atribuir às manifestações – 84,3% dos entrevistados aprovam as manifestações, embora apenas 11,9% tenham declarado que participaram delas e 29,6% tenham intenção de participar (mais da metade, 58%, disseram que não participariam). Segurança Pública não entra nessa conta porque, no imaginário popular, é vista como uma questão tão complexa que dificilmente se enquadraria nas questões que possam ser resolvidas pela pressão das ruas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome