“A Bahia tem um jeito”, Minas, um jeitinho, por Zê Carota

“A Bahia tem um jeito”, Minas, um jeitinho

por Zê Carota

pedi um expresso, lá foi a moça providenciar. 
demorou, mas, enfim, voltou, só que com a má notícia:

– a máquina estragou.

tá, faz parte, eu já ê ia saindo, ê veio ela:

– moço, tem problema ser coado?

respondi que jeito maneira, me pus esperar, e garrei imaginar um cafezinho já feito, simples, aí ê veio ela com isso.

pedi licença pruma bicota fidalga, na mão, licença dada com um sorriso de humilhar o Farol da Barra, bicota dada.

tem jeito não: onde quer que eu vá, Minas me segue, pensei.
engano.

“moço, cê fez uma cara tão tristinha por não ter café, e tem um jeitinho que até comentei com as colegas: esse moço é mineiro, só pode”.

outra bicota fidalga, agora na outra mão.

Minas não me segue, ela está em mim – e, ó, abre porta, rumo e jeito.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Consciência negra e seu dia, por Urariano Mota

2 comentários

  1. Café coado
    Em casa é só. Se estiver em BH recomendo café dois irmãos no mercado central. E coma uma broinha de fubá de canjica. Aí vai ver o que é Bayer mineirice.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome