Inderê, do repertório da atriz Abigail Maia, por Luciano Hortencio


memoria.bn.br

Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)
Pedro Paulino tem um neto que tá homi
Quando tem raiva não come
Pega as arma e vai brigar
Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)
O rei mandou me chama, Inderê
Pra casá com uma das fia.
O dote que ele me dava Inderê
Oropa França e Bahia
Eu balancei com a cabeça, Inderê
Respondi que não queria.
Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)
Peguei na perna da mãe, Inderê
Cuidando que era da fia.
Minha senhora disculpe, Inderê
Era de noite eu não via.
Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)
Seu padre santo não saia pra minha banda
Pois o povo nas ciranda
Não serve para babar.
Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)
Soldado preto que tocou a clarineta
Quero ver tocar corneta
Na frente dos batalhão.
Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)
Da Bahia me mandaram, Inderê
Um pedaço de Aroeira
Olha a nega Catarina, Inderê
Por volta da lançadeira.
Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)
Pedro Paulino tem um neto que tá homi
Quando tem raiva não come
Pega as arma e vai brigar
Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)
Peguei na perna da mãe, Inderê
Cuidando que era da fia.
Minha senhora disculpe, Inderê
Era de noite eu não via.
Olha a saia dela, Inderê
Como o vento leva pro ar (bis)

Leia também:  A carta do Fulano!, por Luciano Hortencio

Bahiano & Eduardo das Neves – INDERÊ – Luiz Moreira.
Disco Odeon R-121.056.
Ano de 1915.
Arquivo Nirez.
Coisas que o tempo levou.
luciano hortencio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora