A máquina do mundo (pós-Drummond), 4, por Romério Rômulo

E como as águas sempre nos coubessem e a dura flor do dia nos amasse

Klimt

A máquina do mundo (pós-Drummond), 4

por Romério Rômulo

E como eu fosse à tua revelia
e em tua mão eu me entregasse sempre
e os óxidos da vida nos bastassem

E como as águas sempre nos coubessem
e a dura flor do dia nos amasse
e o nosso olor fizesse transmutado

E como eu não olhasse no viés
e como não olhasses no viés
tudo em somenos sempre e mais brandíssemos

Duras notícias sempre nos souberam
nas mágoas que habitam nossas mágoas
e, infiéis, nem sempre nos coubemos.

A nossa máquina do mundo tem um peso
que desde muito vem de Leningrado
onde abafou batalhas e no corpo
traz a missão que a terra lhe entregou.

Meu rumo é leniente e escaldante.
Armas e águas se movem pelo dia
sob a missão que a terra lhes entrega.

Romério Rômulo

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador