ONU Mulheres solta nota em defesa de Ela Wiecko

Jornal GGN – Ela Wiecko pediu demissão do cargo de subprocuradora-geral da República e a mídia tradicional tratou o feito como um mea culpa por ter participado de um protesto contra o golpe no Brasil. Ledo engano. O trabalho de Ela Wiecko não seria eclipsado por ter participado de um ato desses, o seu trabalho foi interrompido por não concordar com os rumos atuais do PGR e seu titular Rodrigo Janot. Sua trajetória pública foi marcada por sua retidão ética e moral e o apoio recebido por seus pares foi tímido, sussurrado, enquanto a mídia se ocupava em desonrar uma trajetória limpa. Leia a nota pública veiculada pela ONU Mulheres, sobre sua trajetória limpa, com seus pareceres fundamentados nos direitos humanos, e sua luta incansável contra o racismo, em defesa das ações afirmativas, enfrentando a violência contra as mulheres e demais causas dos direitos humanos. Leia a nota na íntegra a seguir.

da ONU Mulheres

Nota pública à Dra. Ela Wiecko, subprocuradora-geral da República

A ONU Mulheres Brasil congratula a Dra. Ela Wiecko pela retidão ética e moral com que exerceu o cargo de Vice-Procuradora-Geral da República e da sua defesa implacável dos direitos das mulheres. Um exemplo para as mulheres brasileiras.

Seus posicionamentos jurídicos sempre estiveram fundamentados nos direitos humanos, tomando a dianteira contra o racismo, em defesa das ações afirmativas, no enfrentamento à violência contra as mulheres, na defesa da Lei Maria da Penha e nas demais causas de direitos humanos das mulheres.

Leia também:  Embraer não é só fabricante, mas conglomerado aeroespacial de defesa, analisa Marcos Barbieri

A trajetória honrada da Dra. Ela Wiecko está alicerçada no conjunto progressista de normativas internacionais e de conquistas importantes para o Brasil, a exemplo da criação do Comitê Gestor de Gênero e Raça do Ministério Público Federal e da formulação das Diretrizes Nacionais para Investigar, Processar e Julgar com Perspectiva de Gênero as Mortes Violentas de Mulheres (Feminicídios), em parceria com a ONU Mulheres. Por fim, a ONU Mulheres deseja êxito no decurso de suas funções como subprocuradora-geral da República ao passo em que renova os votos da longa parceria.

ONU Mulheres Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Parabéns Ela Wiecko

    Parabéns Ela Wiecko, é raro hoje no nosso país encontrar pessoas dignas dentro do judiciário. Você se revelou uma mulher digna, mas deveria prestar favor ainda mais forte à democracia, denunciando as falcatruas que estão escondidas no mundo da justiça.

  2. Republicanismo chinfrim

    Mais uma prova de que o republicanismo chinfrim e bobo de escolher o primeiro da lista é uma burrice colossal. 

    Mil vezes fosse escolhida Ela Wiecko, com a sua seriedade e imparcialidade.

    Com Ela na PGR e Aragão no MJ, os golpistas estariam voltando derrotados para casa (EUA).

  3. Comparsa

    Só o fato dela não ser comparsa do Aécio, ao contrário do sr. Janot, já seria o suficiente para acreditar nas suas qualidades.

  4. Ela Wiecko

    Mulheres como ela fazem falta no Judiciário hoje mais do que nunca.

    Ela fará imensa falta ali.

    Que continue sua trajetória de engajamento em outro lugar, o Brasil precisa muito de pessoas com essa experiência, discernimento, honradez e destemor.

  5. Se não sabiam indicar

    Se não sabiam indicar Ministros do Supremo Tribunal Federal,quiçá para Procuradoria Geral.O Departamento Juridico do lulopetismo dói-me a região situada entre o fígado e a alma.

  6. jamais

    deveria ter pedido exoneração.

    É o mesmo que abrir mão de sua opinião.

    Incompatibilidade com o PGR, ahh….. perdão, foda-se o PGR!

  7. Parabéns, Ela Wiecko!

    Parabéns, Ela Wiecko! Mulheres como vc é que tem servido de exemplo para milhares de mulheres mobilizadas pelo Brasil  inteiro! O Poder Judiciário ainda deve ao país mulheres guerreiras. Com certeza, elas estão aí. O Que precisamos entender é pq estão sendo engolidas pelo que há de pior na nossa sociedade e encontrou no Judiciário o conforto de um ninho MPF deveria denunciar a bandidagem e, não acolher. Tá feia a coisa! Parabéns,pela coragem!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome