A hora da indústria

Por Vladimir Pinto Ferraz Vallada

Delfim,o nacionalista,na Folha de hoje.

ANTONIO DELFIM NETTO

É hora da indústria A partir dos anos 50, construímos uma estrutura industrial muito sofisticada para o nosso padrão de desenvolvimento. A indústria de bens de capital foi fundamental para o rápido crescimento dos anos 50/80. Sem ela, teríamos tido muita dificuldade para expandir a matriz energética e construir Itaipu e Tucuruí.

Nosso desenvolvimento foi feito por empresas (nacionais e estrangeiras) que tomaram o risco de aqui se instalar na esperança de que o rápido crescimento de 1950/80 (7,4% ao ano) prosseguiria. Mas não foi assim. Um fenomenal aumento do petróleo levou à falência todas (sem exceção) as economias emergentes que dependiam de sua importação.

Quando a elevação da inflação nos EUA levou ao ajuste Volker, em 1979, as taxas de juros reais atingiram níveis impensáveis, o que ajudou a desintegrar as finanças públicas daqueles países.

 O caso brasileiro é exemplar: em 1980, nossa produção de petróleo atendia 20% do consumo. A situação ficou tão desesperadora que se chegou a imprimir na Casa da Moeda um “cartão de racionamento” de combustíveis. Felizmente, um ataque de lucidez de última hora impediu o seu uso.

Pois bem. Após a tragédia, aquelas indústrias amargaram 30 anos de vacas magras, com um crescimento médio do PIB de 2,4% de 1981 a 2009. Algumas sucumbiram. Outras resistiram e continuaram a produzir no “estado da arte”, mas prejudicadas pela falta de demanda.

No período, a carga tributária passou de 24% para 36% do PIB, e o investimento público caiu de 4% para 1,5%.

O setor privado ajustou-se aos programas de equilíbrio monetário e fiscal, suportando uma taxa de juro real estratosférica e uma taxa de câmbio real sobrevalorizada.

Leia também:  FMI reduz projeção de crescimento do Brasil de 2,1% para 0,8%

A partir do segundo mandato de Lula, abriu-se uma janela: o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) recuperou o papel do “Estado indutor” e reacendeu o “espírito animal” do nosso empresariado. Se soubermos usar o “bônus” do pré-sal, poderemos rodar a uma taxa de 5% a 6% nos próximos anos sem desequilíbrio interno ou externo. Agora é hora de voltar a usar a capacidade produtiva da indústria de bens de capital instalada no Brasil e não se deixar iludir por mirabolantes financiamentos chineses.

Não se deve, por exemplo, levar em conta apenas o preço na compra de uma turbina. Produzida no Brasil, ela gera substanciais externalidades que não podem ser apropriadas privadamente.

Se não entendermos isso, as indústrias que têm fábricas no Brasil e na China e, logo, a mesma tecnologia, por que permanecerão aqui? E como sobreviverá a indústria nacional? 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome