Gasolina e energia elétrica puxaram IPCA-15 em junho

Prévia da inflação oficial chegou a 0,83%, quase o dobro do registrado no mês anterior; no ano, índice acumula alta de 4,13%, segundo IBGE

Jornal GGN – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) chegou a 0,83% no mês de junho, quase o dobro do registrado em maio, quando a variação foi de 0,44%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com isso, o total acumulado no trimestre encerrado em junho é de 1,88%, enquanto, em igual período de 2020, a variação havia sido de -0,58%. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 4,13% e, em 12 meses, de 8,13%, acima dos 7,27% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em junho de 2020, a taxa foi de 0,02%.

Mais de um terço da taxa registrada em junho é derivada das altas na gasolina e na energia elétrica, que contribuíram cada uma com 0,17 ponto percentual, os maiores impactos individuais.

Em termos de grupos analisados, a maior variação foi em habitação (1,67%), que acelerou em relação ao mês anterior (0,79%) devido à mudança na bandeira tarifária de vermelha patamar 1 (R$ 4,169) para vermelha patamar 2 (R$ 6,243).

Mas o maior impacto (no mês de junho veio dos transportes (1,35%), que reverteu a queda de -0,23% visto em maio devido a alta nos preços dos combustíveis (3,69%). Embora a gasolina (2,86%) tenha tido uma das menores altas do grupo dos transportes comparada ao gás veicular (12,41%), ao etanol (9,12%) e ao óleo diesel (3,53%), ela tem o maior peso e já acumula variação de 45,86% nos últimos 12 meses.

O grupo Alimentação e Bebidas chegou a 0,41%, pouco abaixo dos 0,48% vistos em maio. A variação que apura alimentação no domicílio passou de 0,50% em maio para 0,15% em junho.

Segundo o IBGE, os dados do grupo foram afetados pela queda nos preços das frutas (-6,44%), da batata-inglesa (-9,41%), da cebola (-10,32%) e do arroz (-1,91%), enquanto os preços das carnes (1,14%), leite longa vida (2,57%) e de derivados como o queijo (1,99%) também subiram.

Na alimentação fora do domicílio (1,08%), o movimento foi inverso. Tanto a refeição (0,86%) quanto o lanche (1,67%) aceleraram em relação a maio, quando registraram inflação de 0,16% e 0,72%, respectivamente.

O grupo saúde e cuidados pessoais (0,53%), por sua vez, apresentou variação menor que a do mês anterior (1,23%) e contribuiu com 0,07 ponto percentual no índice geral.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador