Moeda sul-americana ampliaria soberania regional, segundo Haddad e Galípolo

Em artigo, ex-ministro e economista afirmam que América do Sul teria mais autonomia ao adotarem moeda compartilhada com mais liquidez externa

Foto: Isabela Kronemberger on Unsplash

As relações internacionais estabelecem um conceito de soberania diferenciado daquele usado nas políticas internas: se, por um lado, o Estado e sua moeda são soberanos, fora das fronteiras a hierarquia coloca o dólar norte-americano como a divisa mais importante para negociações entre países.

Porém, o ex-ministro Fernando Haddad e o economista Gabriel Galípolo destacam que a guerra entre Rússia e Ucrânia trouxe à tona antigos medos por conta do desrespeito à soberania nacional por países de maior poder bélico.

Em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo, Haddad e Galípolo lembram que tanto Estados Unidos como Europa usaram suas moedas para estabelecer sanções contra a Rússia, inclusive excluindo-a do sistema de pagamentos internacional Swift.

Segundo eles, essa situação acaba por reacender o debate do uso de uma moeda internacional e a soberania dos povos de países com moedas consideradas não conversíveis, uma vez que seus gestores acabam ficando mais sujeitos às limitações impostas pelo mercado externo.

Na visão de Haddad e Galípolo, uma integração que seja capaz de fortalecer a América do Sul, impulsionando seu comércio e investimentos, pode formar um bloco econômico mais relevante globalmente e inclusive aumentar sua soberania monetária.

E o Brasil poderia dar subsídios à criação de uma nova moeda digital sul-americana, a partir de sua experiência em diversas operações, como a adoção da URV (Unidade Real de Valor).

“A criação de uma moeda sul-americana é a estratégia para acelerar o processo de integração regional, constituindo um poderoso instrumento de coordenação política e econômica para os povos sul-americanos”, ressaltam Haddad e Galípolo.

De acordo com os articulistas, essa moeda seria emitida por um Banco Central Sul-Americano, e sua capitalização inicial seria de responsabilidade dos países-membros de forma proporcional à sua fatia no comércio regional.

A capitalização seria feita com as reservas externas dos países ou por meio de uma taxa sobre as exportações para fora da região. Essa nova moeda poderia ser usada seja para fluxos comerciais ou para fluxos financeiros entre os países da região.

Leia Também

A lenta erosão do dólar como moeda global, por Luis Nassif

Um ensaio de crítica à Economia Política: uma visão da anti-economia, por Nathan Caixeta

Desbancar o dólar, a quem interessa?, por Luiz Alberto Melchert de Carvalho e Silva

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paulo Dantas

- 2022-04-01 21:30:47

Temos estabilidade política para isto ? Cada eleito na AL parece achar que o mundo coneçoj com ele. As regras para ter uma moeda única e um mercado único no fututo previsam ser estáveis.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador