Painel internacional

Argentina e Uruguai viram a página da ‘guerra das papeleiras’

“Os presidentes não são mágicos.” O presidente do Uruguai, José Mujica, adiantou na quarta-feira, na sequência da entrevista em Buenos Aires com a primeira mandatária da Argentina, Cristina Fernandez de Kirchner, que levará algum tempo antes de conseguir que as relações entre os dois países – afetadas pelo chamado conflito das papeleiras – possam se recompor completamente. Os dois presidentes não responderam a perguntas e pairava no ar qual o futuro imediato da ponte internacional de Gualeguaychú (que corta o rio Uruguai), bloqueada há mais de três anos por cidadãos argentinos, sem que as autoridades resolvessem a situação. “Os dois presidentes têm confiança, mas precisamos recuperar a confiança entre as duas sociedades”, disse Mujica. Cristina Fernandez, por sua vez, destacou a vontade política de ambos os países de respeitar o Tratado de 1975, que gerencia o uso do rio Uruguai, na fronteira entre os dois países e que, no recente acórdão do Tribunal Internacional de Haia, foi violado pelo governo de Montevidéu ao não comunicar a Buenos Aires a instalação de uma fábrica de celulose na margem do rio. A decisão não exige, porém – como queriam os argentinos –, a desmobilização da fábrica, considerando-se que não há provas de que houve contaminação ambiental.
Clique aqui
E mais:
Dívidas soberanas altas levam à inflação ou moratória, diz Roubini
Temor sobre euro leva Merkel a agir
America Latina vai crescer em 2010
– Nouriel Roubini e Bertrand Delgado
Santander lucra mais, puxado pela América Latina

Dívidas soberanas altas levam à inflação ou moratória, diz Roubini

O professor da Universidade de Nova York, Nouriel Roubini, que previu a recessão dos EUA mais de um ano antes de seu início, disse que a dívida soberana dos EUA até Japão e Grécia levará a uma inflação mais elevada ou inadimplência do governo. Cerca de US$ 1 trilhão em valor de patrimônio mundial foi pulverizado até 27 de abril, diante da preocupação de que a dívida fosse desencadear moratórias e inviabilizar a economia global, mostram dados compilados pela Bloomberg. A chanceler alemã Angela Merkel e o Fundo Monetário Internacional se comprometeram a intensificar os esforços para superar a crise fiscal grega, depois que os títulos e ações caíram na Europa na semana passada. “Os vigilantes de títulos estão fugindo de títulos da Grécia, Espanha, Portugal, Reino Unido e Islândia”, disse ontem Roubini, 52, durante um painel de discussão sobre os mercados financeiros no Milken Conference Global Institute em Beverly Hills, Califórnia. “Infelizmente nos EUA, os vigilantes do mercado de títulos não estão saindo.” O corte das notações de crédito da Grécia, Portugal e Espanha nesta semana deixaram os investidores preocupados que a crise europeia do déficit esteja se espalhando e aumentando a pressão sobre os formuladores políticos para aumentarem os pacotes de resgate. As observações de Roubini sublinham as declarações de autoridades como Dominique Strauss-Kahn, diretor-gerente do FMI, de que a economia global ainda enfrenta riscos.
Clique aqui

Leia também:  Indicada de Trump à Suprema Corte evita falar sobre aborto e casamento gay

Temor sobre euro leva Merkel a agir

Depois de semanas de hesitação sobre a resposta alemã à crise grega, a chanceler Angela Merkel subitamente clama por uma ação rápida. “É claro que agora as negociações devem ser aceleradas”, disse na quarta-feira, juntamente com Dominique Strauss-Kahn, diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Berlim. Uma Merkel de aparência séria apelou por um acordo de assistência à Grécia “dentro dos próximos dias”, acrescentando: “nós não vamos desistir.” Os observadores foram surpreendidos pelas palavras fortes de Merkel. Até agora, a chanceler não tem sido exatamente uma força motriz quando se trata de ação sobre a crise grega. Pelo contrário, ela tem sido relutante na promessa de ajuda europeia de bilhões de euros aos gregos, algo que lhe rendeu o apelido de “Madame Não” na União Europeia. Em casa, na Alemanha, no entanto, foi festejada pela imprensa sensacionalista como a “Chanceler de Ferro”, porque havia rejeitado os “falidos gregos”. Merkel pensou que poderia lidar com a crise adiando qualquer promessa impopular de dar ajuda aos gregos pelo menos até depois das eleições chave do estado da Renânia do Norte-Vestefália, em 9 de maio. A votação é crucial para Merkel, pois irá determinar se o seu partido Democrata Cristão e seus parceiros de coalizão, os aliados Democratas Livres, serão capazes de manter a maioria no Bundesrat, a câmara alta (Senado) da Alemanha, e que representa os interesses dos estados. Mas o cálculo de Merkel de que os mercados poderiam ser mantidos calmos até então com vagas promessas não deu certo. Afinal, as forças da globalização não se preocupam com uma eleição do estado alemão.
Clique aqui

America Latina vai crescer em 2010

Nouriel Roubini e Bertrand Delgado
Afirmamos que a América Latina – LatAm – vai se expandir em 2010, depois de se contrair mais de 2% em 2009. Melhores perspectivas de crescimento global e os preços das commodities vão apoiar o sólido crescimento da região. No entanto, a diferenciação da dinâmica da demanda interna terá um papel-chave. Ajustamos para cima as expectativas de crescimento para o Brasil, México, Argentina e Peru; mantivemos nossa projeção para a Colômbia e as rebaixamos para o Chile (devido ao terremoto) e Venezuela. O México será o maior beneficiado da revisão positiva das nossas perspectivas de crescimento dos EUA, enquanto a demanda doméstica provavelmente se recuperará no segundo trimestre de 2010. Enquanto isso, a demanda doméstica mais forte que o esperado no Brasil será reforçada pelo cenário externo relativamente bom.A inflação provavelmente vai subir em 2010, mas continuará dentro da meta flutuantes de inflação do Banco Central, com exceção do México. Na maioria dos países, os preços elevados dos produtos alimentares, como resultado de condições climáticas adversas, continuaram a deteriorar a dinâmica da inflação e as expectativas no início de 2010, enquanto as pressões da inflação de demanda permaneceram relativamente calmas.
Clique aqui

Leia também:  Giro Econômico GGN: confira um panorama da economia global

Santander lucra mais, puxado pela América Latina

O Santander, maior banco da zona do euro por capitalização de mercado, relatou na quinta-feira um aumento de 5,7% no lucro líquido do primeiro trimestre deste ano, de € 2,1 bilhões no mesmo trimestre de 2009, para € 2,21bilhões. Tal como o rival espanhol BBVA, o Santander continua a se beneficiar de sua exposição aos mercados emergentes dinâmicos da América Latina. Enquanto o lucro líquido das agências Santander na Espanha caiu 8,2%, para € 500 milhões no trimestre, o lucro líquido na Europa continental como um todo cresceu 5,1%, para € 1,37 bilhão, e os lucros da América Latina subiram 14,6%, para € 1,02 bilhão. “O Santander está demonstrando os benefícios de ser um banco diversificado, tanto em termos de geografia e linhas de negócio”, disse o presidente Emilio Botín, em comunicado. “Apesar do crescimento econômico reduzido, temos mantido nossa capacidade de gerar lucros recorrentes e melhorado a nossa liquidez, eficiência e solvência.” Os últimos resultados do Santander sublinham o desempenho relativamente robusto dos bancos espanhóis até agora durante a crise financeira, apesar de uma recessão na Espanha que durou quase dois anos.
Clique aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome