Batimento cardíaco substituirá senhas em smartphones

Jornal GGN – Uma start-up canadense desenvolveu uma pulseira que pode fazer um eletrocardiograma (ECG) cujos dados devem servir como base para identificação pessoal, criando um modo de substituir as tradicionais senhas. A pulseira Nymi foi desenvolvida pela empresa canadense Bionym, e vai servir para uso em smartphones, tablets, computadores, carros e até terminais de pagamento e caixas eletrônicos.

Segundo os criadores da pulseira, a principal vantagem do método é que a autenticação via ECG não deixa “rastros” como acontece com a impressão digital. Além disso, a frequência cardíaca do usuário não pode ser capturada à distância, ao contrário de outros modos de autenticação biométricos, como reconhecimento do rosto ou da íris. “Além disso, é preciso que a pessoa esteja viva”, diz Andrew D’Souza, CEO da Byonim.

A pulseira é equipada com dois eletrodos, sendo um na parte interna e outro na externa. Quando estiver no pulso, o usuário deve colocar o dedo indicador da outra mão sobre o eletrodo externo para criar um circuito fechado e assim permitir a leitura do seu batimento cardíaco. A Nymi faz a leitura e envia os dados referentes à sua identidade por meio de Bluetooth para os dispositivos ao redor.

A autenticação é contínua, de modo que o usuário deve permanecer com a pulseira para se manter identificado junto aos outros dispositivos. Uma vez retirada do pulso, o gadget para de enviar a identificação. Isso torna o uso mais prático, ao contrário de outros métodos de biometria em que a autenticação deve acontecer em cada uso. A pulseira é resistente a água e a bateria dura uma semana. A recarga é feita via USB.

O sistema deve começar servindo para desbloquear smartphones, tablets, computadores de mesa e laptops, sendo compatível com Android, iOS, Mac OS e Windows. A ideia é levar o uso do dispositivo para fabricantes de carros e até bancos.

A Nymi deve chegar ao mercado até o fim de 2014, mas já está em pré-venda ao preço de US$ 79. Segundo a empresa canadense, já foram vendidas cerca de 10 mil unidades, incluindo 100 para brasileiros.

Com informações do MobileTime.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Daqui a pouco…

    Surgirão na internet teorias conspiratórias  malucas sobre pessoas clonadas, corações roubados e batimentos cardíacos pirateados, para driblar esse sistema…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome