BNDES efetuou 451,6 mil operações de crédito os últimos 12 meses até março, sendo 93% com micro, pequenas e médias empresas.

14/04/2010(http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Sala_de_Imprensa/Noticias/2010/todas/20100414_Desempenho_Primeiro_Trimestre.html)

BNDES amplia acesso ao crédito e bate recorde com 451 mil operações em 12 meses

Do total das transações, 93% foram com micro, pequenas e médias empresas

Desembolso atingiu R$ 144,3 bilhões no período
O BNDES registrou recorde no número de operações de financiamento realizadas nos últimos 12 meses até março. Nesse período, o Banco efetuou 451,6 mil operações de crédito, com crescimento de 104% na comparação com os 12 meses anteriores, sendo 93% (421 mil operações) com micro, pequenas e médias empresas. A expansão do número de operações com MPMEs nos últimos 12 meses foi de 112%.

Somente no primeiro trimestre de 2010, o BNDES realizou 122,5 mil transações de crédito, seguindo a mesma tendência de pulverização, com 91% delas destinadas a MPMEs.

Os números globais mostram que o BNDES tem sido capaz de conciliar a democratização do crédito com a expansão de seus desembolsos.

Os repasses para MPMEs representaram 20% do total das liberações nos últimos 12 meses, mas considerando-se apenas os três primeiros meses de 2010, a participação elevou-se para 39%, contra os 24% registrados entre janeiro e março de 2009 (de R$ 4,34 bilhões para R$ 9,85 bilhões, com alta de 127%).

Grande parte desse resultado deveu-se ao excelente desempenho do Cartão BNDES (instrumento de crédito voltado exclusivamente para micro, pequenas e médias empresas), com 209,7 mil operações realizadas (alta de 201%) e cerca de R$ 3 bilhões desembolsados em 12 meses, até março último (crescimento também de 201%).

Recorde também foi atingido pelo BNDES nos valores dos desembolsos, das aprovações e das consultas no acumulado dos últimos 12 meses encerrados em março.

O Banco desembolsou R$ 144,3 bilhões, apresentando aumento de 53% em relação aos 12 meses anteriores. As aprovações ficaram em R$ 176,4 bilhões (alta de 49%)

e as consultas em R$ 211,5 bilhões (mais 12%). 
Os resultados (volume de operações e valores desembolsados) refletem a atuação anticíclica do BNDES, que ampliou sua oferta de crédito para fazer frente à escassez do mercado, diante da crise financeira internacional. O Banco contribuiu, assim, para a manutenção do nível de investimento no País.

Um dos destaques da atuação do BNDES é o Programa de Sustentação do Investimento (PSI).

Com nove meses de existência, já conta com uma carteira de operações de mais de R$ 50 bilhões, sendo R$ 48,1 bilhões contratados para a produção e aquisição de máquinas e equipamentos.

O setor da Indústria liderou os desembolsos, com R$ 63,3 bilhões nos últimos 12 meses, até março, e com  participação de 44% sobre o total liberado pelo Banco no período. Para o setor da Infraestrutura, foram desembolsados R$ 51,8 bilhões ou 36% do total. Comércio e Serviços ficou com R$ 20,4 bilhões (participação de 14%) e a Agropecuária com R$ 8,3 bilhões (6% do valor global).

Trimestre – No primeiro trimestre de 2010, o BNDES liberou R$ 25,5 bilhões em financiamentos, resultado sem precedentes para o período, com incremento de 37% na comparação com janeiro/março de 2009. Também as aprovações, de R$ 26,5 bilhões no trimestre, foram positivas em 31%.
Os enquadramentos e as consultas – que indicam aprovações e desembolsos futuros – somaram R$ 32,5 bilhões e R$ 45,3 bilhões, respectivamente, com recuos de  42% e de 21% em relação a igual trimestre do ano passado. Essas baixas foram provocadas exclusivamente pela operação de financiamento à Petrobras no ano passado, cuja consulta e enquadramento ocorreram em março de 2009. Ou seja, foram quedas pontuais, localizadas no mês passado.

No primeiro trimestre, a Indústria respondeu por 30% dos desembolsos totais do BNDES, com R$ 7,7 bilhões e destaque para alimentos e bebidas (R$ 2,6 bilhões desembolsados no trimestre). À Infraestrutura foram liberados R$ 9,9 bilhões, com 40% do total, sendo R$ 5,5 bilhões para transporte rodoviário e R$ 2,3 bilhões para energia elétrica.
Comércio e Serviços, com R$ 5,2 bilhões, teve participação de 20% no montante global desembolsado pelo  BNDES.

Março – Em março último, o BNDES liberou R$ 9,4 bilhões em financiamentos ao setor produtivo brasileiro, com alta de 12,5% na comparação com R$ 8,4 bilhões de março de 2009.

À Indústria, foram desembolsados R$ 2,4 bilhões (25% do total) e à Infraestrutura, R$ 4,2 bilhões (45% de participação). Os destaques foram para a Agropecuária, cuja participação nos desembolsos do BNDES passou de 5% para 10% no mês passado, com R$ 953 milhões liberados; e para o Comércio e Serviços, com R$ 1,8 bilhão liberados (alta de 138%) e participação de 20% nas liberações globais do Banco.

As consultas em março passado, no valor de R$ 19,5 bilhões, caíram 48% na comparação mensal, pelo efeito Petrobras. E os enquadramentos, também por efeito Petrobras, declinaram 68%, atingindo R$ 12,5 bilhões no mês passado.

As aprovações, no entanto, somaram R$ 11,8 bilhões, com crescimento de 146,8% na comparação com R$ 4,7 bilhões de março de 2009. Todos os setores econômicos (agropecuária, indústria, infraestrutura, comércio e serviços) tiveram expansão nas aprovações de empréstimo, com destaque para a alta de 351% no segmento de Comércio e Serviços com R$ 2,3 bilhões de aprovações.
Por trás dos bons resultados das aprovações de crédito está o forte desempenho do PSI, como mecanismo de estímulo ao investimento.

Clique aqui para consultar a apresentação feita pelo presidente Luciano Coutinho durante entrevista coletiva nesta quarta-feira, dia 14.

Veja também os boletins de desempenho do BNDES.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome