IBGE registra crescimento da produção industrial em 11 estados

Da Agência Brasil

Produção industrial cresce em 11 estados em outubro, segundo o IBGE

Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A produção industrial cresceu em 11 dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na passagem de setembro para outubro. Os destaques foram os estados do Ceará (3,8%), Pernambuco (2,9%), Pará (2,6%) e São Paulo (2,5%), segundo dados divulgados hoje (10).

Outros estados que tiveram alta em outubro na comparação com o mês anterior foram Paraná (2,1%), Espírito Santo (1,9%), Minas Gerais (1,8%), Rio Grande do Sul (1,4%), Amazonas (0,9%), Santa Catarina (0,9%) e Goiás (0,6%). Na média nacional, a indústria brasileira cresceu 0,6%.

Por outro lado, três locais tiveram queda na produção: Bahia (-6,2%), Região Nordeste (-5,4%) e Rio de Janeiro (-1,5%).

Na comparação com outubro do ano passado, houve aumento da produção em sete locais, com destaque para Rio Grande do Sul (14,5%), Paraná (13%) e Ceará (11,8%). Entre as sete quedas, as principais taxas ficaram com Espírito Santo (-8,5%), Bahia (-2,8%) e Rio de Janeiro (-2,6%).

No acumulado do ano, dez locais apresentam altas, com destaque para Rio Grande do Sul (6,4%), Paraná (5%) e Bahia (4,9%). No acumulado de 12 meses, também houve crescimento em dez locais, entre eles Bahia (6,4%), Rio Grande do Sul (3,6%), Goiás (3,3%) e Ceará (3%).

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. A imprensa diz que o país está em crise.

    Só não sei que crise. Quando questionados, dizem que a crise vai vir no próximo ano. Já escutei numa radio local que a inflação prevista por um tal instituto para 2014 seria de mais de 10%. Só o Lobão acredita… kkkkk

    • O pior Jurgen,são aqueles que

      O pior Jurgen,são aqueles que dizem que precisamos “esquecer o passado e olhar para o futuro”, o que é uma forma de querer nivelar aqueles que tem uma história de lutas e conquistas para as classes sociais mais necessitadas com aqueles que só governaram para a elite e aqueles que nada fizeram.

      Está cheio de gente por aí com uma história pregressa nada abonadora, com posições elitistas e conservadoras, quando não envolvimento em corrupção abafado pela imprensa e por conchavos políticos escabrosos, mas apresentando-se como “o novo” e defendendo essa idéia de “esquecer o passado”.

      Enfim, entre engenheiros de obras prontas, profetas do caos e defensores da amnésia coletiva, temos uma ínfima parcela da sociedade brasileira, mas a quase totalidade dos que se manifestam na mídia, mostrando que a mídia está completamente fora de sintonia com a realidade brasileira e age sem a menor preocupação com o povo deste País.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome