A relação de Patrick Peyton com a ditadura militar

Por jns

O agente da CIA que vestiu a batina para promover o golpe militar no Brasil

O apoio da igreja católica aos militares em 1964 foi decisivo para a concretização do golpe de estado que levaria o país a instalar uma ditadura de vinte anos.

 

Fr  

Padre Peyton, o Servo do Diabo

 

O financiamento veio de mais de trezentas empresas multinacionais e o irlandês Patrick Peyton, um agente da CIA, foi o organizador da famosa Marcha da Família Com Deus Pela Liberdade.

Se a Guerra Fria obrigou as pessoas e entidades a escolher a quem iriam apoiar, a Igreja Católica, presumivelmente, neutra, ficou do lado das designações dos Estados Unidos.

A Igreja Católica, por sua ambiguidade durante a Segunda Guerra Mundial – apoiou e abençoou os exércitos nazistas – foi expulsa do o leste europeu, após a chegada dos comunistas soviéticos, que libertaram os povos empobrecidos pela guerra dos nazistas e do domínio secular da igreja.

Temendo que o mesmo sucedesse na América Latina, a igreja católica combateu a ameaça comunista, incitando os seus fiéis a temer e repudiar e, nas missas, os padres acusavam os comunistas de hereges e ateus inimigos da fé.

Neste cenário, no final de 1963, sob as bênçãos do presidente Kennedy, chegava ao Brasil o padre Patrick Peyton, um irlandês naturalizado estadunidense, conhecido como o “Padre das  Estrelas”, por gostar de aparecer ao lado das celebridades de Hollywood.

 

Pope John Paul II and Father Patrick Peyton

O papa João Paulo II e o padre Patrick Peyton

 

A associação entre a igreja católica e o serviço secreto americano, surgiu através da ligação do padre com J. Peter Grace, multimilionário devoto do catolicismo e bisneto do fundador da WR Grace and Company, uma empresa multinacional com interesses em mineração, açúcar e transportes na América do Sul, com quem Peyton tinha feito contato em 1946, durante uma viagem transatlântica. 

Grace estava envolvido em operações secretas dos EUA e os dois se aproximaram de Allen Dulles, diplomata, banqueiro, além de ter se tornado o primeiro civil e o mais antigo diretor da CIA.

Mais tarde, Dulles encontrou-se com Grace no escritório do vice-presidente Richard Nixon, na Casa Branca, que expressou o seu entusiasmo com as ações planejadas para a América Latina. 

Peyton, preparado pela Agência Central de Inteligência, recebeu financiamento americano para atuar na América Latina e promover a sua Cruzada pelo Rosário em Família.

Os fundos da CIA foram gastos no Chile,  na Venezuela, na Colômbia e no Brasil, onde Peyton promovia a suas cruzadas preparatórias para a instalação da decoradora militar, que contou com a decisiva colaboração de agentes religiosos.

http://youtu.be/is8R3roaMfE]

O seu superior provincial, Richard H. Sullivan, soube da existência do financiamento do serviço secreto americano através de Theodore Hesburgh, o presidente do Conselho de Administração da Universidade de Notre Dame, onde Peyton estudou, em outubro de 1964.

Utilizando a publicidade produzida no exterior, o rádio, o cinema, a televisão e, mais tarde, com a ajuda de celebridades e artistas, o Peyton tornou-se um dos pioneiros do evangelismo na mídia de massa.

No início de 1964, uma celebração do padre Peyton foi o primeiro programa de televisão em rede a cobrir todo o país, com o suporte técnico feito em Washington.

Recitando a sua ladainha que consistia em alertar aos brasileiros quanto aos perigos de um governo que não fosse como os dos EUA e contra a ameaça comunista à família e à religião, a pregação do agente Patrick Peyton atingiu em cheio milhões de brasileiros nos seus concorridos encontros.

Com a ajuda de um profissional de publicidade não católico, Peyton popularizou o slogan: “A família que reza unida, permanece unida”.

 

http://www.gestornoticias.com/archivos/religionenlibertad.com/image/padre-peyton.jpg

Padre Peyton foi um fenômeno de massas nos anos 50 e 60 do século XX

 

Nos meandros do golpe, agentes religiosos colaboraram decisivamente com os militares e, após a sua deflagração, a igreja católica aplaudiu, fervorosamente os golpistas.

De acordo com os líderes golpistas de 1964, dom Paulo Evaristo Arns chegou a ir ao encontro das tropas do general Olimpio Mourão Filho, deflagrador do golpe, quando elas marchavam de Juiz de Fora rumo ao Rio de Janeiro.

Em 31 de março, dom Paulo encontrou-se com as tropas golpistas em Pedro do Rio, Três Rios, oferecendo aos mineiros a assistência religiosa, durante o encontro que deixou o clérigo tranquilo, com a garantia de que não entraria no poder nem a anarquia e nem o comunismo.

Para garantir que o aparato militar não sofresse reveses articulados pela esquerda, muitos clérigos atuaram como delatores e as participações contundentes de ativistas anticomunistas e da igreja são personificadas pelas atuações de Antônio de Castro Mayer, o bispo de Campos, e de Geraldo de Proença Sigaud, o arcebispo de Diamantina.

 

http://socialistamorena.cartacapital.com.br/wp-content/uploads/2014/02/marcha.jpg

Na marcha, que recebeu os militares golpistas no Rio de Janeiro, em 2 de abril de 1964, as mulheres que representavam a tradicional família brasileira, seguindo o lema “Família que reza unida, permanece unida”, estenderam os seus rosários, assinalando, com este gesto, o papel que exercera a igreja católica na consolidação do novo regime ditatorial que se instalava no Brasil.

Os fatos descritos são, amplamente, conhecidos, mas nunca deve ser deslembrada a formação da espúria aliança consumada entre a CIA, a Igreja Católica e as marionetes militares brasileiras para a defesa dos interesses americanos no nosso país.

[video:http://youtu.be/qr6po881cZw

 

Informações e imagens da internet

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora