Jarbas e o trabalho escravo

Por Claudio Roberto Basilio

Nassif:

De fato o Senador Jarbas Vasconcelos é um autentico varão de Plutarco… Dê uma olhadinha em um artigo do seu colega de IG Leonardo Sakamoto sobre as atitudes do nobre senador em relação a fiscalização do trabalho escravo, um problema crônico em certos rincões brasileiros. Segue o link abaixo:

Do Blog de Sakamoto

Em julho de 2007, o grupo móvel de fiscalização do governo federal libertou mais de mil pessoas da escravidão na fazenda e usina Pagrisa, em Ulianópolis, no Pará. Seria uma fiscalização de rotina se um grupo de senadores não tivesse pressionado pela criação de uma comissão externa para averiguar essa operação. Dois meses depois da operação, Romeu Tuma (DEM-SP), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Kátia Abreu (DEM-TO), Cícero Lucena (PSDB-PB) e Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) fizeram uma visita agendada à Pagrisa para verificar as condições de trabalho (OK, me dêem dois meses de antecedência que eu transformou Guantánamo em colônia de férias).

Eles anunciaram que iriam pedir a abertura de inquérito da Polícia Federal para verificar os procedimentos adotados pelo grupo móvel durante a autuação da Pagrisa. Segundo a Agência Senado, na época Kátia Abreu afirmou que a empresa era “muito bem administrada” e formava “uma comunidade de trabalhadores rurais”. O Ministérrio do Trabalho e Emprego havia apontado em relatório com fotos e documentos que as condições no corte da cana eram desumanas e que havia trabalhadores sem receber nada após descontos indevidos.

De acordo com o Diário do Pará, Jarbas Vasconcelos e Kátia Abreu sinalizaram durante a visita que poderiam propor mudanças na legislação sobre trabalho escravo. Em vista da insegurança institucional que se estabeleceu, o Ministério do Trabalho e Emprego decidiu suspender as fiscalizações de trabalho escravo por tempo indeterminado. Muitos auditores temiam por sua segurança, uma vez que o próprio Senado colocava em cheque esse trabalho. Vale lembrar que, três anos antes, quatro funcionários do ministério chacinados em 2004 ao realizaram uma fiscalização rural de rotina em Unaí.

Diante disso, o senador Jarbas Vasconcelos, presidente da Comissão, disse que o Senado “não pode intimidar-se por um chilique de uma Ruth da vida”. Ruth Vilela é a secretária nacional de inspeção do trabalho e uma das criadoras do sistema de combate ao trabalho escravo no país. “Se Ruth da vida quer ter um chilique e ameaça fazer greve, fazer isso ou aquilo, que faça. Porém, esta Casa não pode dobrar-se a esses caprichos”, emendou.

A sociedade civil nacional e internacional, mídia, parte do governo federal, alguns governos estaduais, parlamentares passaram a criticar pesadamente a ação desses senadores. Em outras palavras, o tiro saiu pela culatra. Não só a fiscalização acabou saindo fortalecida e respaldada como o caso ajudou a colocar novamente em pauta a PEC do Trabalho Escravo, que prevê o confisco das terras em que esse crime for encontrado (a sua aprovação, é claro, são outros quinhentos).

Creio que o senador Jarbas, que tem uma história pessoal de serviços prestados ao seu estado e ao país, entrou de gaiato nessa. Outros senadores envolvidos já eram conhecidos por contestar abertamente o sistema de combate ao trabalho escravo por achá-lo injusto com os latifundiários. Ou seja, eram diretamente envolvidos com o tema, mas não ele. Por isso nunca entendi porque entrou nessa. Mais um caso que só congressistas sabem, mas sobre o qual nunca falarão.

O trabalho da comissão acabou sendo finalizado. Jarbas acabou deixando a comissão e, procurado pela Repórter Brasil na época, para comentar a suspensão dos trabalhos, preferiu não se pronunciar.

http://colunistas.ig.com.br/sakamoto/2009/02/18/o-pmdb-e-os-esqueletos-guardados-no-congresso-nacional/

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

29 comentários

  1. “Por isso nunca entendi
    “Por isso nunca entendi porque entrou nessa.”, tsk, tsk,
    Para ele meter a mão nessa cumbuca, tinha coelho nesse mato.
    Macaco que muito pula quer chumbo, antes só do que mal acompanhado.

  2. O Varão de Plutarco,codinome
    O Varão de Plutarco,codinome dado pelo Nassif ao Jarbas Vasconcelos,não gruda nele,pois assim como quase todos os políticos nordestinos(com raríssimas excessões)eles são os legítimos representantes de tudo o que há de pior na política local,sendo na verdade,os “testas-de-ferro”dos latifundiários da região.
    Todo aquele carnaval que ele ameaçou fazer na citada Comissão de Fiscalização ao trabalho escravo,em fazendas no norte do Brasil,foi só falácia,e logo em seguida,ele calou-se,pois se continuasse sua falação sensacinalista,seria defenestrado pelos seus financiadores,os coroneis que o colocaram na política.

  3. Gustavo Cherubine:
    Gustavo Cherubine: “Francamente, precisamos acabar com esse Brasil das trevas”.
    Concordo. Mas esse Brasil das trevas, alvo de ações da fiscalização e da polícia federal, pode voltar livre, leve e solto. Para isso, empenha-se a grande mídia, com a colaboração da mais alta corte de justiça.

  4. Não consigo entender como um
    Não consigo entender como um reacionário desse já foi um dia classificado como “autêntico” do MDB. Talvez naquela época autêntico significasse outra coisa, diferente de hoje!!!!

  5. alguem dos comentaristas
    alguem dos comentaristas deste blog se lembra do caso jarbas/marco freire acontecido muitos anos atras?
    marcos freire era deputado do mdb e morreu em acidente de aviao se não me engano.

  6. jarbas vasconcelos se elegeu
    jarbas vasconcelos se elegeu governador de pernambuco, derrotando Miguel Arraes, graças a uma bem articulada aliança com Marcos Maciel e o PFL e uma campanha de acusações e difamações sobre o caso dos precatórios. Nas últimas eleições para governo do estado, a chapa apoiada por ele tentou usar do mesmo dispositivo de acusações e difamações. acabaram derrotados Eduardo Campos, neto de Miguel Arraes, que na época foi acusado como um dos principais envolvidos no escândalo em Pernambuco. Nada foi provado e Campos foi absolvido.

  7. O cancer chamado Katia Abreu
    O cancer chamado Katia Abreu esta sempre defendendo latifundiarios e dando de ombros para o trabalho escravo,e a mais pura esfinge do atraso, esta mulher.

  8. Essa é uma questão muito
    Essa é uma questão muito séria. Na ocasião, li sobre ela mas não soube sobre os desdobramento dessa aberração. Lembro de ter pensado sobre como se pôde permitir que políticos completamente estranhos às questões que envolvem os trabalhadores subjugados por senhores de escravos, passassem a ter espaço para tratar de assunto de tal gravidade. Nada indigna mais do que tomar conhecimento sobre a ocorrência de trabalho escravo. Mais de mil trabalhadores vítimas de escravidão foram LIBERTADOS pelo Ministério do Trabalho em Ulianópolis. Porém, indignação maior ainda seria somada àquela: Um grupo de cinco senadores mobilizaram-se para criar uma comissão externa para investigar a operação do Ministério do Trabalho. Dois senadores do DEM, dois do PSDB e, entre eles, um do PMDB: o hoje inescrupuloso Jarbas Vasconcelos. Este que tem descido pauladas na cabeça do próprio partido, sem sequer se dignar a deixar os seus quadros. Robô de “Perdidos no Espaço”, sob control dos doutores Smith do último episódio protagonizado pelo PSDB e DEM, esses partidos “modernos”.
    – Will Robinson, Dr. Smith me mandou descer a lenha nocê.
    – Não, Robô! Sou eu, Will, sou jovem e você ainda pertence a esse partido.
    – Não programado! Não programado! Perigo! Perigo!
    – Não Robô! Nãooooo!!!!!!

    Esse episódio de Ulianópolis é deveras lamentável. A possibilidade de que essa comissão liderada por J.Vasconcelos pretendia mudar a legislação sobre trabalho escravo deve ser aventada seriamente. Em última instância, eles almejaram favorecer os senhores de escravo, que são considerados criminosos sem igual.

    Na reportagem do JN, o Ministro do Trabalho, Carlos Lupi, bem observou na ocasião o que se podia inferir diante daquela malfadada comissão. Ou seja, que aqueles senadores estavam apoiando o trabalho escravo.
    Também chama a atenção nesse vídeo, o estranho discurso da senadora Kátia Abreu (DEM-TO), em que ela indiretamente declara que aquelas condições encontradas pela operação do Ministério do Trabalho na região não merecia crédito pois a degradação das condições de trabalho do região Norte são diferentes das do Sul e podiam, portanto, serem aceitas.

    Eis aqui o vídeo:
    http://www.youtube.com/watch?v=3FCqVSwCl_8

    Essas últimas e impertinentes declarações de j.vasconcelos não causam surpresa diante da animosidade com que tratou Ruth Vilela, que é a secretária nacional de inspeção do trabalho e uma das criadoras do sistema de combate ao trabalho escravo no país.
    Diante disso, as declarações desse homem, além de inoportunas, são irresponsáveis e suspeitas.

  9. Cabe destacar, Nassif, que
    Cabe destacar, Nassif, que Antério Manica, mandante acusado de chacinar os fiscais do trabalho em Unaí, MG, foi homenageado pela assembléia legislativa do estado de Minas Gerais. Brincadeira, não? Abcs.

  10. Bom pela tentativa de apontar
    Bom pela tentativa de apontar incoerências nas posturas de nossos políticos. Na minha modesta opinião, contudo, acho que a imprensa sudestina está dando muita repercussão a Jarbas Vasconcelos, conferindo-lhe uma importância que já não tem. Assim como fazem com Roberto Freire.

  11. Esse caso do Jarbas
    Esse caso do Jarbas Vasconcelos é inacreditável. Primeiro, dá uma entrevista na Veja, acusando 90 % dos membros de seu partido de batedor de carteira para baixo. A seguir, é incensado por boa parte da imprensa como exemplo de dignidade e coragem… Afinal, há quanto tempo esse sujeito está no PMDB ? Uns vinte anos ? Demorou tudo isso para descobrir que estava em um ninho de corruptos e veniais ?

    O Ulysses Guimarães disse uma vez, comentando sobre a existência de supostos deputados e senadores simplórios, que o parlamentar menos esperto das casas ainda assim era capaz de desmontar um relógio de bolso calçando um par de luvas de boxe e de venda nos olhos. Ninguém chega a Deputado, Senador da República, Governador ou Ministro de Estado sendo bobo, inocente ou apalermado – muito pelo contrário. Então, o tal Jarbas pode ser tudo, menos otário. E o mesmo vale para muitos dos jornalistas que estão tecendo loas ao novo Catão

    Otário mesmo é quem acredita na conversa e na suposta indignação cidadã do rapaz…

  12. O que existe nesse bombardeio
    O que existe nesse bombardeio de Jarbas Vasconcelos, não tenho dúvidas, são interesses contrariados. Agora, a mídia (felizmente estamos na época da internete) quer fazer do cidadão um novo “caçador de marajás”. A Revista Veja, que vive diuturnamente procurando algo para sustentar ataques ao governo federal, colocou o Jarbas no Panteão e vai ficar muito tempo louvando sua atitude, como se ele fosse o supra-sumo da honestidade. Menos, pessoal, muito menos…

  13. QUANDO UM POLÍTICO FALA DO
    QUANDO UM POLÍTICO FALA DO OUTRO E SOLTA O VERBO DA POUCA VERGONHA QUE PAIRA ENTRE ELES. ALGUMA COISA MAIOR ESTE POLÍTICO. O PEOR É QIUE ESTA GANGUE (POLÍTICOS) CONSEGUEM ESCONDER CERTAS COISAS.

  14. A Pagrisa é de propriedade da
    A Pagrisa é de propriedade da família Zancaner.

    Um Zancaner, o Orlando, conhecido como Zanca, foi senador biônico e conselheiro do tribunal de contas do estado de São Paulo onde, dizem, concentrou grande poder e amealhou enorme fortuna.

    Era muito comum, há alguns anos, prefeitos resolverem suas dificuldades com aprovação de contas, “conversando” com o Zancaner.

    O TCE continua o mesmo, há quem diga até que algumas concorrências, as grandes, são tratadas lá, onde os editais são ajustados para atender os interesses do governador de plantão. De vez em quando ouve-se a frase “Já acertaram no TCE?”.

    Nos anos do malufismo e do quercismo foi assim, e agora, nos vários anos do tucanismo, continuou e parece que até piorou.

    Os tucanos paulistas não queriam de forma alguma que os sobrinhos do Zancaner fossem punidos, pois os conselheiros do TCE não o queriam.

    O TCE é quase uma família. Os conselheiros correram para defender os sobrinhos do Zanca, ex par.

    Principalmente pelo fato de que a produção de álcool da usina não seria comprada pela Petrobrás, caso se confirmassem a escravidão e ou os maltratos.

    Em política é assim: o tapa vem com a mão do gato.

    Foi montada uma comissão supra-partidária, composta por senadores do médio e baixo clero e partiu-se para a ofensiva contra os funcionários do ministério do trabalho.

    A safra estava em andamento, os reservatórios cheios de álcool e a usina cheia de dívidas. Caso a Petrobrás não comprasse a produção, a falência seria inevitável.

    Os senadores ajudaram o executivo paulista a ajudar o TCE, ajudando a Pagrisa.

    Quem são eles?

    Tuma, ex demo, paulista, quase um papagaio de pirata, no caso um tucano de pirata;

    Katita Abreu, goiânia, demo, coordenadora da ação, conhecida como “cada mergulho, um flash”;

    Flexa Ligeira, tucano da turma do ex governador do Pará, Almir Gabriel, muito amigo do TCE paraense;

    Lucena, tucano, amigo do governador cassado da Paraíba, ex quercista roxo, hoje tucano plumado;

    e Jarbas, o impoluto, ex governador, profundo conhecedor das artes dom bom relacionamento com o tribunal de contas, que participou a pedido de seus amigos paulistas, Geraldinho e Serra.

    Dizem que alguns outros recalamaram por terem ficado de fora, como o Mário Couto, destacadíssimo zoobanqueiro de Belém.

    A “comissão” funcionou, fez e desfez, criou um baita dum imbróglio, e resolveu a parada.

    O álcool foi vendido para a Petrobrás, a Pagrisa saiu do sufoco, mas não recolheu os impostos.

    Isso é coisa para outra missão futura.

    A família Zancaner agradece.

    O TCE comemora.

    Os tucanos paulistas também.

    Pano rápido.

  15. Esqueci de mencionar que um
    Esqueci de mencionar que um primo do senador Tuma também era conselheiro do TCE paulista.
    Nicolau Tuma, que chegou a ser presidente do tribunal, foi amigo e, durante muitos anos, colega do Orlando Zanca(ner) no tribunal.

  16. Valha-nos Tupã. Aqui no Alto
    Valha-nos Tupã. Aqui no Alto Xingu, os índios estão boquiabertos com o fato de o blog dar IBOPE às denúncias do veterano, decano e impoluto político dos poluídos MDB e PMDB…

  17. Este tal Jarbas Vasconcellos,
    Este tal Jarbas Vasconcellos, dando entrevista para a pior revista semanal brasileira de factóides, com intenções golpistas e partidárias,( já de conhecimento de todos) não fez mais do que mais uma tentativa de golpe, tão ao gosto dos demotucanos e desta revista decadente. Estes anos do governo Lula, sempre começam com tentativas de golpe de estado da direita. Esperneios da oposição, nada mais.

  18. Nós, de Pernambuco, sabemos
    Nós, de Pernambuco, sabemos que é este indivíduo, (…) de marca maior, e que sabe como poucos não deixar digitais onde apronta!

  19. Muito bom esse blog do
    Muito bom esse blog do Sakamoto, eu não conhecia.
    Aliás só agora fui dar uma olhada nos outros blogs do IG.
    Tem vários bem interessantes. E notei que os posts daqui, Nassif,
    são frequentemente destacados na página de blogs do IG.

  20. Nassif, acabo de ler o
    Nassif, acabo de ler o comentário do lil neto. Fica a pergunta: Fazer o quê? E a pergunta não é apenas retórica. Como cidadão fico querendo saber como tomar qualquer atitude – não vou subir em um banco e gritar-, além de simplesmente me informar, mas não sei.

  21. Meu comentário anterior menos
    Meu comentário anterior menos virulento do que muitos outros que vi acima foi cortado.

    Emídio, você entra, chama um político adversário de ladrão e quer que eu libere?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome