Jornal Nacional cobra Ciro por fazer parecer “simples” a promessa de tirar endividados do SPC

Combate à corrupção, Lava Jato, Lula, frente de esquerda, Kátia Abreu como vice e problemas de segurança no Ceará marcaram a entrevista do candidato do PDT à bancada do JN nesta segunda (27)

Jornal GGN – Na noite desta segunda (27), a bancada do Jornal Nacional tentou enquadrar Ciro Gomes (PDT) por fazer parecer “simples” a promessa de campanha que repercutiu após os debates entre presidenciáveis, que é retirar milhares de brasileiros do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) por meio de uma espécie de refis, programa de refinanciamento de dívida.

Os apresentadores insinuaram que a simplicidade com que Ciro trata o tema seria uma forma de enganar a população, pois o eleitor poderia pensar que o candidato teria condições de, sozinho, “eliminar a dívida dele”, desconsiderando o papel dos bancos privados nesse processo. “Você fica tranquilo com essa interpretação?”, questionou William Bonner.

Ciro respondeu que a promessa só ganhou projeção por conta do modo como passou a ser tratado por adversários políticos, que “ficam pirados” quando alguém promete “qualquer coisa para pobre”. “Eu honro a minha palavra. A palavra que eu digo é essa: eu vou ajudar a tirar seu nome do SPC”, reafirmou Ciro.

Segundo o presidenciável, há cerca de 63 milhões de brasileiros com o nome sujo e isso mostra que há um problema sistêmico. Em sua visão, é possível reduzir a 12% os juros exorbitantes praticados em cima dos passivos, que chegam a 500%, disse. Como o valor médio das dívidas é de R$ 4 mil, com negociações, poderia cair para R$ 1,2 mil e ser pago em prestações de R$ 40. 

Ciro disse que essa proposta é necessária para reativar o motor da economia e gerar emprego. Ele ainda ironizou a perplexidade com que alguns setores tratam do refis para endividados quando há “refis de dívida de rico e ninguém diz nada.”
 
O presidenciável ainda entregou, “em primeira mão”, um livreto explicando a proposta com mais detalhes, preparado por sua equipe de campanha. William Bonner recolheu o documento e Renata Vasconcelos usou da situação para reafirmar a opinião da bancada do jornal, dizendo que, de fato, não se trata de uma promessa “tão simples” de tirar do papel, “”tanto é que precisa de um livreto”.
 
CORRUPÇÃO, LAVA JATO, LULA, KÁTIA ABREU
 
A entrevista de Ciro ao JN foi marcada, nos primeiros minutos, por uma série de perguntas envolvendo combate à corrupção, Lava Jato, reforma do Judiciário, denúncias contra o presidente do PDT Carlos Lupi e Lula.
 
Logo na abertura, o JN repercutiu, sem citar fonte, a entrevista concedida com exclusividade por Ciro a Luis Nassif, no canal do GGN no Youtube. Ela ganhou repercussão na grande mídia porque o pedetista afirmou que receberia a turma da Lava Jato “à bala” se fosse alvo de abuso de autoridade. Na entrevista, Ciro explicou que o Direito brasileiro permite que qualquer cidadão reaja em legítima defesa quando acusado de crime que não cometeu. No JN, ele esclareceu que essa fala vem sendo usada fora de contexto.
 
Os apresentadores do JN também se esforçaram para fazer parecer que a proposta de Ciro de reformar o papel do Ministério Público e do Judiciário vai na contramão da opinião pública, porque “os brasileiros” demonstram “apoio” às institutições por causa da popularidade da Lava Jato.
 
O pedetista disse que é um homem com ficha limpa e que apoia a investigação. Mas ressaltou que a Lava Jato “tem que ser equilibrada, e do lado do PSDB não tem nenhum na cadeia” e o povo já percebeu isso. Ele também afirmou que a força-tarefa comete “muitos abusos”. “Você não tem ideia da destruição de reputações que se faz sem nenhuma consequência.”
 
Ciro negou que redesenhar as atribuições do Ministério Público Federal e do Judiciário seria intervir indevidamente em outro Poder. Ele também disse que não ofereceu nenhum cargo a Carlos Lupi, mas reforçou que ele é homem de sua confiança mesmo após Bonner ter afirmado, para a “surpresa” do candidato, que o dirigente é “réu” em Brasília, além de ter sido delatado por supostamente receber propina.
 
Sobre Lula, Ciro admitiu que vem dizendo em entrevistas que alertou o ex-presidente sobre corrupção na Petrobras. Questionado sobre o motivo de não ter levado as denúncias às autoridades competentes, ele respondeu que não poderia arcar com o “ônus da prova” e, por isso, optou por se reportar ao seu “chefe”, quando era ministro.
 
Apesar de dizer que Lula não fez nada a respeito de seu alerta sobre corrupção na Petrobras, Ciro frisou que o petista foi o melhor presidente que o Brasil teve, gerando emprego e distribuindo renda. O pedetista disse que Dilma derrubou todas essas conquistas no seu último mandato, mas isso não o impele a negar os feitos de Lula e muito menos “comemorar” que ele tenha sido preso.
 
Acerca da frente de esquerda, ele disse que não nunca se iludiu com a possibilidade de o PT abrir mão de candidatura própria para apoiá-lo na corrida presidencial. Ainda assim, reafirmou a intenção de ver a esquerda e o centro-esquerda unidos no segundo turno.
 
Ciro também defendeu a escolha de Kátia Abreu para vice, elogiando a atuação e fidelidade da senadora, a despeito das pautas que não agradam tanto a “esquerda”. Ele comparou com a chapa Lula e José Alencar e amenizou a resistência lembrando que Abreu militou contra o “golpe” em Dilma Rousseff.
 
Ele também prometeu tirar a Polícia Federal de tarefas burocráticas para que atue mais em investigações e serviços de inteligência, disse que quer uma “nova reforma trabalhista”, que respeite o trabalhador. Respondeu que vai trabalhar contra o narcotráfico e as facções criminosas – inclusive no Ceará, após o JN afirmar que lá as quadrilhas cresceram durante os governos de aliados do PDT – porque isso é atribuição de presidente, não de governador.
 
O candidato também disse que pretende ver a esquerda unida no segundo turno e que, nesta eleição, “precisamos encerrar essa luta odienta que está transformando em violência a luta de coxinhas e mortadelas.”
 
Sobre governabilidade, ele minimizou a crítica de que está isolado na disputa eleitoral, sem alianças e com uma chapa puro sangue. Ele disse que Jair Bolsonaro e Marina Silva também são de partidos pequenos e estão à frente nas pesquisas. Qualquer problema para governar, segundo Ciro, seria contornado com discussões e transparência em relação às pautas enviadas ao Congresso.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

29 comentários

  1. Eu não assisto Jornal

    Eu não assisto Jornal Nacional, mas amanhã abrirei uma exceção. Faço questão de ver a entrevista com Bolsonaro.

    Já que tem tanta gente que vota nele, quero conhecer suas “propostas”. Em último caso, pode render algumas risadas.

  2. Deve ser ciume
     

    Sábado sim, sábado não a globa aluga um salão ou um caminhão, arma numa praça ou num balcão, as “campanhas” de acordos de devedoras para “limpar o nome do SPC e do SERASA”

    Quando  não é campanha para tirar documentos, ou  doação para as criancinhas é para “limpar o nome”.

    Só ela pode?

    Talvez o problema seja a “terrível” idéia do Ciro de tocar na estrutura dos juros exorbitantes do querido sistema financeiro.

  3. Ciro derrotou a Globo

    A visível contrariedade da Globo demonstra a força da proposta de Ciro Gomes sobre o “Nome Limpo”.

    Mas o fato mais importante foi a forma serena com que Ciro Gomes se portou, apesar das provocações e da tentativa de desestabilizá-lo emocionalmente. Ciro Gomes demonstrou hoje que superou sua fase irascível e derrotou o joguinho rasteiro da Globo.

  4. O termo bancada tá aplicadíssimo para a gente da globo

    Roberto Marinho também já foi banqueiro com seu banco RoMa. A Renata nãio entendeu que o livreto não é para pagar a dívida é para mostrar como os pobres podem reduzir bastante a roubalheira que o sistema bancário comete com os clientes brasileiros. Depois que o cala a boca jornalista global foi divulgado, tenho pena desta gente que é paga para falar o que pensam seus patrões que vão ser pegos pela justiça americana

  5. #

    Aquilo não foi uma entrevista, foi na verdade um debate: de um lado o Ciro e de outro lado dois jornalistas paus-mandados da Rede Golpe.

    Tentaram colocá-lo na parede o tempo todo. Não permitiram que respondesse sequer uma pergunta sem ser interrompido e questionado. Até risadinha satírica teve.

    Eu só quero ver se com Geraldo “Santo” vão agir da mesma forma.

    Quero ver se perguntarão a ele sobre o Rodoanel, o Paulo Preto, O escândalo da CPTM, o escândalo do Metrô, o escândalo da Merenda Escolar, sobre seu cunhado laranja que recebeu milhões da Odebrecht, sobre o acordo com o PCC etc.

    DUVIDO!

    Essa Globo é um antro de vermes parasitas da sociedade.

     

  6. Claro que Ciro está de olho
    Claro que Ciro está de olho nesses eleitores devedores. Um contingente respeitável, 63 milhões de pessoas.
    Agora, como vai renegociar a dívida se a maioria deve está desempregado.

    Muitos vivem de bico, sem emprego fixo.
    Sinceramente, acho uma proposta neste momento que vivemos populista.

    Agora, se o país voltar a gerar empregos e oportunidades para todas, talvez a proposta seja factível, a médio e longo prazo.

      • Cartilha

        Nao sei como Ciro nao respondeu sobre o deboche do livreto “escrevemos uma cartilha porque voces jornalistas da globo sao muito burros pra entender sem historia em quadrinhos”…

        Minha proposta pro Ciro: taxas em 100% o spread bancário acima da SELIC

         

  7. Levantando para bater

    Isso aí é armação para minar a candidatura do Lula. A Globo está polemizando em cima de um assunto de forte apelo para uma fatia da população que está bastante fragilizada com a crise. Se quisessem criticar, minimizariam a questão. Tocariam no assunto com menos ênfase. Não a colocariam como ponto central de confronto na entrevista de forma a dar ao candidato a oportunidade de se mostrar “audaz”, “fiel à sua palavra” etc.

    Estão querendo vitaminar a candidatura do Ciro para ver se tira votos do PT. A confrontação é meramente cênica. Até a exibição de arrogância e antipatia por parte do apresentador do telejornal é forjada.

    Nessa eu não caio.

    Ciro? Tô fora! Não é, nunca foi e jamais será confiável.

  8. Levantando para bater

    Isso aí é armação para minar a candidatura do Lula. A Globo está polemizando em cima de um assunto de forte apelo para uma fatia da população que está bastante fragilizada com a crise. Se quisessem criticar, minimizariam a questão. Tocariam no assunto com menos ênfase. Não a colocariam como ponto central de confronto na entrevista de forma a dar ao candidato a oportunidade de se mostrar “audaz”, “fiel à sua palavra” etc.

    Estão querendo vitaminar a candidatura do Ciro para ver se tira votos do PT. A confrontação é meramente cênica. Até a exibição de arrogância e antipatia por parte do apresentador do telejornal é forjada.

    Nessa eu não caio.

    Ciro? Tô fora! Não é, nunca foi e jamais será confiável.

  9. Eu fico besta porque nenhum candidato diz

    “Olha, Bonner, se a Rede Globo me ajudar a fazer a cabeça da população para as reformas que eu proponho, como vcs ajudaram quando usaram seu poder pra derrubar a Dilma, eu resolvo todos os problemas no primeiro ano do mandato”.

    Que medo todos sentem em enfrentar o capeta dentro do inferno, tá doido…

     

  10. #

    Essa entrevista lembrou muito a entrevista que Manuela Dávila concedeu ao Roda Morta da TV Cultu(andomerda)ra.

    A TV Cultura é aquela TV “pública” que é inexplicavelmente patrocinada e, por conta disso, alimentada com dinheiro privado.

    Simplesmente tentaram bombardear os candidatos com acusações e imputações ridículas e, mesmo assim não lhes deram tempo para responder, interrompendo e contraditando a cada palavra.

     

  11. Entrevista de Ciro ao JN deu saudades de Brizola

    Tijolaço

    Entrevista de Ciro ao JN deu saudades de Brizola

      

    Grosseiras, prepotentes, mal-criadas, as intervenções de William Bonner na primeira das entrevistas da Globo com os candidatos à Presidência nada tem a ver com “independência jornalística”.

    As críticas de Ciro Gomes aos abusos judiciais foram tratadas como uma heresia, na base do argumento de que “o povo apóia a Lava Jato” e, por isso, os desbordamentos do Judiciário e do MP se justificariam.

    O “dono da verdade” global pontificava e Ciro, jeitoso, procurava manter suas posições com um discurso educado que não lhe fez vergonha, ao contrário.

    Eu, confesso, senti falta do velho Brizola ali, para “enquadrar” o Globoy.

    “Mas Bônner, como você diz que a voz da Glôbo é a voz do povo? Vocês tiveram um mandato divino para dizer isto? Até nestas pesquisas, que você sabe que eu vejo de sobrancelha levantada, o tal do Sérgio Moro é mais reprovado que aprovado? Está aqui, no  Estadão, eu trouxe o recôrte pra te mostrar: ele é aprovado por menos gente do que aqueles que o reprovam justamente dos seus abusos…”.

    Acho que Brizola, nas agressões que Ciro recebeu por seu projeto de livrar mais de 60 milhões de brasileiros do “nome sujo” no SPC também não perderia a oportunidade de questionar como a Globo sumiu com seu processo de sonegação fiscal até que surgisse uma chande de, sem as multas que mereceria, parcelar a perder de vista seus débitos com a Receita Federal.

    Não desfaço do comportamento de Ciro e compreendo perfeitamente bem que ele tinha razões para não confirmar a fama de “pavio curto”  que tem.

    Mas que foi uma enorme oportunidade de reduzir a pó a arrogância de Bonner. A moça, a tal Renata Vasconcellos – na minha impressão até constrangida pelo desempenho do “chefe” –  não mereceria confrontação, mas ele pediu para ser desancado.

    Ciro, que não perdeu, deixou de lado a chance de ganhar.

    Teve a chance de apontar a Globo como autora do quadro de crise em que vive o Brasil e de mostrar-se o insubmisso que sei que é.

    Algum bem, porém, fez: o de obrigar Bonner a nível de violência verbal semelhante com os demais candidatos, o que tem sido a tônica destas entrevistas desde 2014.

    Notícia ruim (ou boa) para  o ex-capitão Jair Bolsonaro, dependendo de como reaja.

    http://www.tijolaco.com.br/blog/entrevista-de-ciro-ao-jn-deu-saudades-de-brizola/

  12. Um apelo è inteligencia remanescente da esquerda.

    Sou carente de debates inteligentes no campo da esquerda…espero não ter respostas à essa minha provocação mas vamos lá.

    Segundo a esquerdista radical Ciro é da Direita, PT está propondo controle da mídia, Ciro não toca nesse assunto poêmico.

    Ciro compete com Haddad a vaga da esquerda no segundo turno.

    Para a Rede Globo, seria melhor para sua sobrevivencia…o Ciro no segundo turno (q n radicalizou o discurso de midia) do que o PT que promete quebra-la (a Globo);

    Pergunto então para provocar o debate:

     

    PQ MSM ASSIM ESSA ENTREVISTA NO JN FOI TÃO AGRESSIVA AO CIRO? 

  13. Senti falta dr uma coisa, nesta “entrevista”……..

    Como as perguntas eram quase sempre(sempre?) em torno da tal corrupição, o Ciro deveria ter dado um jeito de “inserir” a palavra “futebol” nas suas respostas……….um pequeno “malabarismo” na resposta e pimba, um futebol nas fuças……..podia ser tambem a sigla F.B.I………..mais ai é declaração de guerra………mas o bacana mesmo seria futebol+F.B.I…………..

  14. Fazer parecer “simples” o assunto SPC

    Se o destaque em relação à entrevista for apenas esse, então a Globo estaria certa, pois o anuncio do Ciro em relação ao SPC é mesmo uma posição pouco sólida.  Ciro anuncia a solução de uma consequência e não prioriza o combate às causas. Como diz Lula, Ciro é um bom quadro, mas não um líder. Ciro despontou no Ceará como prefeito jovem e promissor, mas foi atropelado por FHC, que tirou dele o Plano Real junto com a passagem do bastão de Itamar. Ciro, na época, parecia um Lionel Messi da política e foi para Harvard ainda muito jovem, mas, diferentemente do Messi, Ciro não se consolidou num time de primeira, mas deambulou por sete partidos diferentes, jogando campeonatos pouco expressivos e ficou muitos anos sem fazer gol. Agora já era.

  15. Índio não lê o livreto sagrado e, portanto, não vai pro céu
    Limpar o nome dos devedores não é “tão simples” de tirar do papel, “tanto é que precisa de um livreto”. Seguindo o raciocínio da âncora e entrevistadora, eu afirmo que ir para o céu não é tão simples, tanto é que precisa de uma Bíblia. E Índio que não lê a Bíblia, não tem salvação? Merda global pura.

    • Sinceramente, quando li as

      Sinceramente, quando li as frases epigrafadas nesse comentário pensei e disse: “ou estou muito inteligente ou a burrice está imperando!” Pode uma pessoa minimamente inteligente, tendo estudado um pouco de jornalista fazer uma afirmação dessas? Aliás, não era uma entrevista? Aprendi na escola que na entrevista a gente pergunta, não responde. Aliás, há critérios para perguntar e evitar induzir as respostas… enfim, Rui Ribeiro tem razão, não é tão simples ir para o céu, tampouco encarar “Macobeba, maldito, que devora o mato e o mito, rádio, jornal e Tv” (Unidos da Tijuca, 19881).

  16. Entrevista? não vi.

    Liguei a TV pra assistir uma entrevista e me deparei com  um debate.

    Os entrevistadores falaram mais que o entrevistado.

    Quero ver com o Alckim. Aposto que vão fazer de tudo pra levantar a bola pro “santo” sacar.

  17. Sem dúvida Ciro incomodou

    A quantidade de comentários, e muitos com o objetivo claro de atingir Ciro e não a bancada da Globo, nesta manha de terça feira,  sugere que Ciro bateu pesado e incomodou. Acho que vi poucos comentários falando daquela emboscada.  Claramente um acinte para o jornalismo. 

  18. “Resumão pra quem perdeu o
    “Resumão pra quem perdeu o #cirogomes no JN:

    Bonner -Sobre o SPC/Serasa, sua frase não foi muito simples pra uma coisa complexa, candidato?
    Ciro – Então, eu aproveito pra explicar agora então …
    Bonner -Mas foi uma frase muito simples…
    Renata – … pra uma coisa TAO complexa!
    Ciro – Pois entao. Eu explico, é só..
    Bonner -Mas é uma promessa complexa pra falar de um jeito tão simples. Não é errado isso?
    Ciro – Mas eu sei do que estou falando, veja bem..
    Bonner – Não é errado prometer algo como se fosse tão simples?
    Ciro – Trouxe até um livro aqui com tudo detalhado, se você observar…
    Bonner – AHA! Se tem um livro entao é complexo mesmo, hein?
    Renata -Candidato, o sr nao é demagogo ao prometer algo assim?
    Ciro Nao pq eu estudei o assunto, olhe só..
    Bonner – Eu nao quero interromper, mas nao soa eleitoreiro?
    Ciro – Nao pq eu vou te explicar, veja..
    Renata – De onde virá o dinheiro?
    Ciro – Engraçado que pro REFIS de rico ninguem fala nada. É só eu querer ajudar pobre que é esse escândalo?

    Bonner – Vamos pra próxima pergunta!”

    – Cezar Mesquita

  19. A resposta correta seria: É

    A resposta correta seria: É um livreto, por que tem bastante desenho para a imprensa entender e não ficar distorcendo”. Lembra a Maga Patalógika (disfarçada de Patrícia Poeta) entrevistando a Dilma

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome