Noam Chomsky grava vídeo em defesa de Lula

Filósofo e linguista norte-americano destaca que ex-presidente “se tornou o mais respeitado ator no cenário internacional” e candidatura deve ser respeitada
 
chomsky.jpg
 
Jornal GGN – O filósofo e linguista norte-americano Noam Chomsky gravou um vídeo em defesa do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, exibido nesta quinta-feira (18) em ato em São Paulo organizado pelo intelectuais, artistas e movimentos sociais que querem garantir a candidatura do metalúrgico, ameaçada pela rapidez com que seu processo corre no Tribunal Regional Federal da 4ª Região. 
 
Se o TRF4 ratificar a condenação dada pelo juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, de 9 anos e seis meses por suposta corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP), Lula será impedido de concorrer pela Lei da Ficha Limpa e ficará inelegível por 8 anos.
 
“Com tudo indicando que Lula é a figura mais popular do Brasil e possivelmente seria eleito em votações justas, é no mínimo apropriado que ele seja permitido a se candidatar para que o povo brasileiro possa fazer seu próprio julgamento na candidatura de Lula”, disse o filósofo.
 
 
“Cem anos atrás, analistas norte-americanos descreveram o Brasil como potencial Colosso do Sul e em comparação com o Colosso do Norte, um poderoso domínio de potencialidades ilimitadas”, destacou. “O Brasil ainda precisa preencher essas expectativas, apesar de que no governo de Lula se tornou o mais respeitado ator no cenário internacional. O potencial é real e pode ser atingido com grandes consequências para a América Latina”, continuou.
 
 
Chomsky afirma também que Lula representa um grande protagonista numa batalha mundial para criar um mundo de justiça e paz, garantidor de “princípios democráticos” importantes para “que a voz das pessoas não seja silenciada”. Clique aqui e assista o vídeo disponibilizado na Folha. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

5 comentários

  1. apoio
    … Se houver de fato um reconhecimento tão substancial de Lula assim no mundo, se for real, acredito que se Lula propor uma regulação da mídia e retirar as concessões das tvs, talvez os demais países vão procurar entender essa necessidade e não taxara Lula e o Brasil de estar instaurando uma ditadura.

  2. Falacias do Moro

    Estou lendo o livro Falacias do Moro de Euclides Mance, acabei de concluir a leitura da primeira parte que é uma síntese das várias falácias. Confesso que sabia das fragilidades e da falta de imparcialidade do Juiz, mas o caso é muito mais grave. Aconselho a leitura do livro http://solidarius.com.br/ma
    No final da primeira parte o autor trabalha com duas hipóteses básicas para a atuação do juiz na sentença, são elas: 
    “Hipótese 1. O autor da sentença tem preparo lógico para
    identificar as falácias nela contidas e, nesse caso, elas devem ser
    caracterizadas como sofismas, a indicar algum desvio de conduta
    no seu exercício do poder de Estado na condição de juiz.
    Hipótese N. O autor da sentença não tem preparo lógico
    para identificar as falácias nela contidas e, nesse caso, elas devem
    ser caracterizadas como paralogismos, a indicar seu despreparo
    para o exercício do poder de Estado na condição de juiz.”
    Os defensores do Moro podem escolher as hipoteses 1 ou a N, mas não podem fugir dessas alternativas. A não ser que não sejam providos de cérebros.

  3. EM MIÚDOS
    Enquanto prossegue

    EM MIÚDOS

    Enquanto prossegue a Lava Jato – instrumento, peça e mecanismo do maior assalto ocorrido no país -, o corporativismo, a cegueira histórica e a desinformação de certos setores da Justiça pretende dar as cartas e se firmar corrompendo a CF, as leis e a Justiça.

    Lava Jato (insista-se: instrumento, peça e mecanismo do maior assalto ocorrido no país), mega-golpe muito superior aos golpes financeiros do assim chamados encilhamentos (quando da passagem da monarquia para a república e da implementação e execução do plano real).

    Superior ao dos golpes do  Banestado (desvios de dinheiro e evasões de divisas que atingiram – segundo Requião- a cifra de 124 bilhões de dólares, ao do Sudan, ao das privatizações…

    Lava Jato, um breve resumo do assalto:

    – indústria da delações

    – balcão de benefícios penais e pecuniários

    – honorários fabulosos

    – prevaricação: aos comparsas, “nada a ver”

    – corrupção da Constituição Federal, do Direito, das leis (materiais e processuais)

    – indústria das indenizações (ex. acordo da Petrobrás nos EUA de mais de 9,6 bilhões de reais)

    – desvalorização dos ativos e valores da empresas denunciadas

    – ataque à soberania nacional

    – privatizações

    – Temer e entourage

    É o que se pode deduzir da vastíssima publicação de matérias, fatos, narrativas, artigos e entrevistas produzidos por autores sérios e responsáveis das mais diversas correntes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome