Opinião de Lula sobre impostos seria aceno ao mercado de que ex-presidente está no jogo


Foto: Ricardo Stuckert
 
Jornal GGN – A fala do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em entrevista a jornalistas nesta quarta-feira (20), de que sua gestão não seria “mais radical” e de que “nem o radicalismo fica bem em mim” foi interpretado como um aceno ao mercado, logo após a presidente do PT, senadora Gliesi Hoffmann (PR), ser procurada para uma conversa com investidores.
 
A informação, divulgada pelo Painel da Folha de S. Paulo, é de que a senadora foi procurada pelos empresários, após o ex-presidente despontar em lideranças sucessivas nas pesquisas eleitorais. Entretanto, apontou o jornal, o encontro teria ocorrido antes de o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) ter agendado o julgamento de Lula.
 
O feito da Corte, diz ainda o Painel, pode ter retomado incertezas do mercado sobre dialogar com o ex-presidente para uma eventual candidatura ao Planalto em 2018. Nessa linha, a fala do ex-presidente nesta semana, de que não pode ser considerado “radical”, e sim “mais sabido”, teria sido um aceno positivo aos representantes de grandes investidores sobre a sua possível gestão. 
 
“Eu quero discutir por que o povo pobre tem que pagar mais imposto do que o rico. Por que o rentismo não paga imposto de renda sobre o que ele ganha? Por que não podemos começar a pensar em fazer uma política tributária em que as pessoas humildes paguem menos e os aquinhoados paguem mais?”, havia dito Lula.
 
Em seguida, lembrou que os exemplos são de países mirados pelo mercado, como a Europa e Estados Unidos: “Por que não colocamos em prática o imposto sobre as grandes heranças no Brasil? Parece radicalidade, mas não é. Vamos mostrar as coisas boas que têm na Inglaterra, nos EUA. Não é de Cuba, não”, disse, na entrevista.
 
Disse, ainda, que hoje, aos 72 anos de idade, não tem a mesma visão que tinha aos 40 e que reavaliou sua forma de pensar a economia: “Estou pensando de forma mais justa na política tributária”, completou.
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora