Segurança energética está garantida, mas preço ainda vai subir

Agora Inês é morta 

Por Fernando Umbria

Passado o sufoco da falta de água nos reservatórios, o risco de déficit de energia hoje é mínimo. Permanece, entretanto, o tormento de uma conta de luz que ficou muito cara, sem perspectiva de melhora no curto prazo. A energia elétrica está custando em média 60% mais do que custava ao fim de 2012. De lá para cá, a inflação foi a metade disso.

A combinação perversa dos altos preços e tarifas de energia elétrica com a crise econômica tem provocado a redução do uso do insumo. Segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), em 2015, o consumo no Brasil caiu 2,2% em relação a 2014. No primeiro semestre de 2016, a queda foi de 1,7% quando comparado ao mesmo período de 2015.

Com isso, o país atualmente dispõe de uma sobra estrutural de energia de 13 GW, de acordo com o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). Há, ainda, cerca de 4 GW de capacidade que devem iniciar sua operação até o final deste ano. As distribuidoras, principais compradoras de energia do setor, encontram-se com grandes sobras contratuais, pois compraram energia tendo como base um mercado projetado que não está se realizando.

Do lado do consumo, as empresas brasileiras vêm redobrando esforços para se manter competitivas. Em muitos casos, a competitividade deu lugar à sobrevivência. Desde o segundo semestre de 2015, tem havido um forte movimento de migração de consumidores cativos para o mercado livre, onde há opção de escolha de fornecedor de energia, preços mais competitivos e abertura para negociação de outras condições comerciais. O processo de migração dura, em geral, seis meses.

Porém, o mercado livre deixou de ser atrativo nas últimas semanas devido a um súbito aumento nos preços para os contratos de fornecimento com início em 2017, em especial para a energia incentivada. A razão disso foram abruptos aumentos no custo marginal de operação (CMO) e no preço de liquidação das diferenças (PLD), devido a mudanças em importantes elementos de entrada dos modelos de planejamento e operação utilizados pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

De início, houve uma alteração na vazão mínima de Sobradinho, cujo efeito sobre o PLD médio de julho foi uma alta superior a 50%. Alguns agentes e a CCEE questionaram tal alteração. É esperado que a Aneel se pronuncie sobre o assunto em breve.

Além disso, foi divulgada recentemente a revisão da projeção da carga do sistema, com significativa elevação dos valores em 2016. Essa elevação ocorrida na carga é resultado de um novo critério adotado pelo ONS para representá-la de forma mais realista. Entretanto, um dos efeitos dessa revisão será provocar o aumento do PLD em agosto e setembro, que devem ficar, respectivamente, em cerca de 120 R$/MWh e 220 R$/MWh.

Esse contexto acabou gerando situações contraditórias. O PLD mais alto é uma sinalização de que a energia está mais cara por conta da escassez, mas há significativa sobra estrutural de energia. Com o patamar mais alto do PLD e do CMO, é praticamente certo que teremos bandeira amarela em setembro, o que vai provocar aumento das contas de luz e deve acentuar a redução do consumo. Isso tende a agravar mais ainda o problema de sobra de energia contratada das distribuidoras.

Essa confluência de contradições leva à incerteza para as empresas, gerando custos financeiros, encarecendo a operação, comprometendo a eficiência e diminuindo as margens.

Alterações e aprimoramentos nos modelos são necessários e desejáveis. Afinal, o sistema elétrico não é estático e quanto mais próximo sua representação física estiver da realidade, melhor devem ser os resultados obtidos. Porém, mudanças repentinas trazem consequências danosas aos consumidores e aos agentes. É importante que sejam estabelecidos prazos de implementação para que a transição ocorra sem sobressaltos.

Os consumidores precisam de previsibilidade, que é uma das razões que pesam na decisão de migrar para o mercado livre. A importância da previsibilidade pode ser resumida pelo provérbio “é melhor prevenir do que remediar”.

O comprometimento das migrações provocará sérias consequências àqueles que estão com seus processos em andamento, sem terem ainda formalizado seus contratos de compra de energia no mercado livre. Essa situação de incerteza leva a uma condição mais alinhada com a expressão “agora Inês é morta”.

Fernando Umbria é presidente-executivo da Associação Brasileira de Consumidores de Energia (ABCOE).

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

João de Paiva

- 2016-08-15 18:17:04

Samba do crioulo doido.

Prezados,

Sou crítico do modelo adotado para o SEB (sistema elético brasileiro) desde antes de 1998, quando foi implantado esse modelo maluco, baseado no sistema inglês e estadunidense. Os 'jênios' que bolaram tal sistema parecem ter se esquecido da natureza completamente diversa da matriz energética desses países. Mais grave ainda é que o sistema inglês foi o principal modelo que serviu de base a esse frankstein em que se transformou o SEB. Não há mínimas semelhanças entre Inglaterra e Brasil, seja na extensão do País (portanto nas distâncias entre os parques geradores e os centros consumidores), seja nos principais componentes da matriz geradora. 

Os EUA, cuja extensão territorial é comparável à brasileira, também possuem matriz muito diversa da que temos no Brasil. Lá menos de 20% da energia elétrica consumida tem origem hidráulica; aqui, mesmo com todos os erros de planejamento (que foi desfocado para a termoeltricidade) e falta de investimentos  na era FHC, mais de 65 % da eletricidade consumida é de origem hidráulica. 

Essa fantasia e virtualidade em que foram transformadas a geração, transmissão, distribuição e comercialização desse insumo essencial que é a energia elétrica, atende muito bem aos financistas e especuladores, mas não aos interesses estratégicos e de desenvolvimento soberano e sustentável do Brasil (mercado spot, ACL, ACR, CLD.... enfim a energia elétrica relegada a simples commoditie e não ao insumo essencial e estratégico que é). E o que dizer dessas agências reguladoras, que não passam de prepostos dos agentes, sobretudos privados, que receberam concessões para explorar serviço público? Piada pronta, é o mínimo. 

Como sempre pode piorar, após a consumação do golpe de estado e da efetivação do governo golpista, as previsões para o setor são ainda mais macabras.

ze sergio

- 2016-08-15 16:16:31

segurança....

Dolarizamos nossa economia para garantir a visualização dos lucros pelos acionistas. Transformamos nossa liberdade em fonte de enriquecimento na Bolsa de Valores. Não tem nada haver com ideolgia, tem haver com burrice, limitação mesmo. Jogamos nosso território, nossas riquezas e nossa infraestrutura no pacote para garantir os famosos investimentos estrangeiros que nunca passaram de especulação financeira.  Ao invés de oferecer nosso gigantesco mercado e gigntesco país e população exigindo em troca investimentos reais e produtos de vanguarda, demos tudo isto de mão beijada. É como a última de um Ministro anencéfalo, que quer dar nosso mercado regional de aviação sem pedir nada em troca, nem as mesmas condições nos países das empresas beneficiadas. Somos um país de gênios!!! Construimos usinas hidrelétricas, redes de transmissão gigantescas, sistema de distribuição nacional, tudo isto tendo a energia elétrica mais barata do mundo, que se torna a mais cara do planeta para garantir o lucro real de empresas beneficiadas e geralmente transnacionais, com a privatização do setor.  Dólar subiu há seis meses, preços reajustados estratofericamente. Dólar desceu, preços ficaram pendurados lá no alto. Realmente só nos faltam as penas... 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador