Um curso para entender os principais indicadores econômicos

Existe um número elevado de profissionais que entende que os conhecimentos em macroeconomia se tornaram cada vez mais necessários para suas atividades cotidianas.

https://www.facebook.com/EspecializacaoPUCSP/videos/665608657189555/

No início dos anos 2.000, com a Internet avançando na disseminação de dados, imaginei um curso de Economia, para não-economistas, que invertesse a lógica do aprendizado. Em vez de aprender os conceitos para, depois deles, entender as tabelas divulgadas pelos diversos organismos econômicos, fazer o percurso oposto: aprender a ler as tabelas e, a partir delas, entender os conceitos macroeconômicos.

O motivo é simples. A cada divulgação de dados, há uma tabela, um relatório da instituição, e as leituras que são feitas por diversos departamentos econômicos.

O melhor caminho de aprendizado, imaginava, seria entender, em cada tabela, quais os dados principais a serem acompanhados; qual o significado de cada elevação ou queda daquele indicador. E trabalhar com o conceito de cockpit – sistema que permite colocar em um mesmo ambiente diversos indicadores econômicos, de maneira a se ter, visualmente, o quadro amplo de análise de cada setor.

Na época, a tecnologia ainda não era acessível.

Agora, com o avanço dos databases, das planilhas, e dos sistemas de gráfico, a ideia se tornou viável. Hoje em dia, é possível baixar na planilha os principais indicadores e extrair uma quantidade imensa de informações.

A parceria com o Departamento de Economia da PUC-SP foi preciosa, por permitir que os indicadores sejam apresentados pela escola que melhor vem desenvolvendo as análises sobre a economia real.

Por exemplo, trabalhando planilhas do MDIC será possível, na hora, extrair as seguintes informações:

  1. Balança comercial para cada país parceiro do Brasil.
  2. Desempenho das exportações, por volume e por país, dos principais produtos exportados pelo Brasil.
  3. Gráficos sobre o comportamento das exportações e importações, tendências.

Um exemplo recente do uso dessas planilhas é o incidente provocado pelo Ministério das Relações Exteriores, Israel x países árabes. Aprendendo a trabalhar com indicadores, o analista terá a qualquer momento, em seu Excel, tabelas das exportações e importações para Israel e para países árabes. Ou poderá comparar o saldo comercial do Brasil com Estados Unidos, China e União Europeia.

Será possível montar cockpits dos principais setores da economia e acompanhar permanentemente os indicadores, com atualizações automáticas.

Por exemplo, no caso da indústria automobilística, será possível ter à mão produção interna por tipo de veículo, exportações, número de empregados, dados de financiamento para aquisição de veículos etc. Colocando o setor de modo esquemático, será muito mais fácil para o aluno entender a lógica de cada objeto analisado.

Os gráficos permitirão a cada aluno montar seu template de análise sobre cada setor, de maneira que, a cada divulgação da Anfavea (Associação Nacional de Autoveículos), a análise poder ser enriquecida com indicadores do MDIC, Banco Central, IBGE etc.

As inscrições para o curso poderão ser feitas pelo site da PUC-SP

A grande quantidade de matérias jornalísticas e entrevistas sobre economia divulgada diuturnamente pela mídia traz um desafio de selecionar as informações relevantes e compreender a complexa conjuntura econômica.

A maioria das informações nacionais e internacionais está disponível em bancos de dados públicos. Podem ser baixadas em sistemas BI e em planilhas. O grande desafio é a organização, estruturação e análise desses dados e a melhor maneira de acompanha-los, através de painéis gráficos, os chamados Dashboards – um conjunto de gráficos que permitirá acompanhar de forma atualizada o pulso da economia.

Para dominar essas ferramentas, é necessário conhecimento tanto dos conceitos econômicos quanto dos principais índices e informações.

O curso de Conjuntura Econômica Brasileira – análise de dados visa proporcionar aos alunos não só as ferramentas básicas para entender as discussões macroeconômicas, mas também a ter uma compreensão crítica e analítica da conjuntura.

Existe um número elevado de profissionais que entende que os conhecimentos em macroeconomia se tornaram cada vez mais necessários para suas atividades cotidianas. Pode-se destacar jornalistas, advogados, analistas financeiros e administradores como profissionais que atuam diretamente com o tema proposto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome