A lista dos chefes de estado com quem Trump conversou. Temer não está nela

Jornal GGN – Donald Trump e Mike Pence divulgaram uma lista de 31 chefes de estado estrangeiros, além do secretário-geral das Nações Unidas, com quem conversaram desde a eleição. A liberação se deu após uma versão divulgada pelo New York Times de que líderes estrangeiros estavam “lutando para descobrir como e quando entrar em contato com o Sr. Trump”.

O escritório de transição então divulgou a lista dos líderes com quem Trump e Pence falaram. E não passaram nem perto de Temer.

A notícia é do Político.com.

Eis a lista oficial da transição sobre as conversas de Trump.

President of Argentina, Mauricio Macri

Prime Minister of the Commonwealth of Australia, Malcolm Turnbull

Prime Minister of Canada, Justin Trudeau

President of the People’s Republic of China, Xi Jinping

President of Colombia, Juan Manuel Santos Calderón

President of the Arab Republic of Egypt, Abdel Fattah al-Sisi

Prime Minister of Denmark, Lars Løkke Rasmussen

Chancellor of the Federal Republic of Germany, Dr. Angela Merkel

President of France, François Hollande

Prime Minister of Ireland, Enda Kenny

Prime Minister of Israel, Benjamin Netanyahu

Prime Minister of Italy, Matteo Renzi

Prime Minister of Japan, Shinzō Abe

King Abdullah II bin Al Hussein of Jordan

Prime Minister of Lebanon, Saad Al Hariri

President of Mexico, Enrique Peña Nieto

Prime Minister of New Zealand, John Key

His Highness Sheikh Tamim Bin Hamad Al-Thani of Qatar

Prime Minister of the Republic of India, Narendra Modi

President of the Republic of Korea, Park Geun-hye

President of the Republic of Turkey, Recep Tayyip Erdoğan

President of the Russian Federation, Vladimir Putin

King Salman bin Abdulaziz Al Saud of Saudi Arabia

Prime Minister of Turkey, Binali Yildirim

President of Ukraine, Petro Poroshenko

President of the United Arab Emirates and Ruler of Abu Dhabi, H.H. Sheikh Khalifa bin Zayed Al Nahyan

Crown Prince of Abu Dhabi and Deputy Supreme Commander of the UAE Armed Forces, Mohammed bin Zayed Al Nahyan

Prime Minister of the United Kingdom, Theresa May

Secretary General to the United Nations, Ban Ki-moon

President of Azerbaijan, Ilham Heydar oglu Aliyev

Prime Minister of The Netherlands, Mark Rutte

President of Poland, Andrzej Duda

22 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Frederico69

- 2016-11-19 13:27:34

melhor do dia!

antonio francisco

- 2016-11-19 11:25:41

Bem que a Globo tentou

No dia 9/11 às 8p8min. a Globo disse que Temer "irá parabenizar Trump por telefone". Será que caiu a linha?

http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/11/temer-ira-parabenizar-trump-por-telefone-nesta-quinta-diz-planalto.html

No mesmo dia 9/11, às 12p5, já cansado de tentar falar com Trump sem conseguir (kkk) Temer enviou mensagem:

https://noticias.terra.com.br/mundo/estados-unidos/eleicoes/temer-convida-trump-a-trabalhar-em-favor-de-brasil-e-eua,4fa740b124f2ebdd22c5aecc08473d58ciqjs9r9.html

No mesmo dia 9, às 14p6, a Globo diz na TV que Temer parabeniza Trump. Para os bocós que ficam de boca aberta carneirando tudo o que a Globo diz, com certeza ficou a impressão de que - sim - Temer falou com Trump, de viva voz. Mas, que nada. 

http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2016/11/temer-parabeniza-trump-e-espera-que-o-brasil-se-aproxime-dos-eua.html

 

 

Fabio !

- 2016-11-19 10:21:27

BASTA MANDAR RECADO

Apesar de defenderem seus interesses com todos os métodos que forem necessários, entre eles a aliciação e a corrupção , a alma americana está impregnada do orgullho que vem da consciência sobre a forma como a nação se construiu : os protestantes que fugiram da opressão religiosa , foram para a América construir uma nova pátria e lutaram contra a dominação inglesa .

Por isso não respeitam os lacaios que topam se vender a eles. Muamar Khadafi , Noriega do Panamá , Saddam Hussein , Rezah Palehvi , Hosni Mubarak  são exemplos de marionetes que foram tratados com o devido desprezo por Washington e descartados assim que não serviam mais a seus interesses .  

Washington pode até entrar em conflito , mas tem muito mais respeito por gente que se mantem firme na mesa de negociação defendendo sua nação como Fidel , Chavez , Putin , Ahmadinejah , Arafat .

Clinton tratava FHC como uma coisa menor , tal a subserviência deste às ordens do FMI . 

 

Por quê Trump , conquistando a presidência contra tudo e todos , MAKE AMERCIA GREAT AGAIN , se daria ao trabalho de receber um sujeito que nem sequer merece a denominação de CHEFE DE ESTADO , pela forma como chegou ao poder , rastejando da maneira mais abjeta para satisfazer os grupos de interesses que não tem nada a ver com o sentido de nação , entre eles inclusive interesses americanos ? Basta mandar recado.

A alma americana está impreganada

João Sabóia Jr.

- 2016-11-19 09:29:33

#FORATEMER

#GOOUTTHEMER

Serjão

- 2016-11-19 09:08:50

Vida longa ao Trump

Enquanto Hilary seria somente a continuidade da velha e eterna política Yankee, a vitória de Trump é a ruptura de um script que já perdura há algumas décadas. Há muito mais semelhanças do que diferenças entre os Clinton, os Bush e o Obama.

O triunfo inesperado de Trump reascendeu a esquerda norte-americana, algo como um despertar do cidadão médio estadunidense aconteceu. Esse baque já está produzindo seus efeitos positivos, uma semente está brotando e trazendo boas novas.

Vejam este vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=qhxnMJMF4Go

 

 

 

Ivan de Union

- 2016-11-19 06:12:34

Impossibilitado de escrever

Impossibilitado de escrever um unico comentario maior, blog nao aceita:  o que eh "ataques do establishment republicano" e "Putin/Shoigu"????

Ivan de Union

- 2016-11-19 06:06:37

Voce eh CIA?  Tem tanta coisa

Voce eh CIA?  Tem tanta coisa errada com seu comentario que nao da pra escrever!

Ivan de Union

- 2016-11-19 06:03:10

"esperada pelo "pessoal do

"esperada pelo "pessoal do ramo", que o Lt.Gen (R) Flynn obtive-se":

O comentario nao existe.  Obtive-se nao existe.

Cafezá

- 2016-11-19 02:34:34

Para Trump, Temer é um ser

Para Trump, Temer é um ser desprezível, uma formiga. Basta ameaçar que irá pisar em cima dela, para que ela faça o que ele quiser.

 

Álvaro Noite

- 2016-11-19 01:01:51

Moro ou Gilmar? Rei não vai

Moro ou Gilmar?

Rei não vai ficar de papo com soldado.

É mais fácil o trump ter conversado com os filhos do Roberto Marinho.

André STK

- 2016-11-19 00:33:14

De bocó esse gringo só tem a

De bocó esse gringo só tem a cara,penso eu.

Além do Brasil e África,quem mais faltou nessa,primeira,lista?

Emanuel Augusto

- 2016-11-19 00:10:30

Chefe de estado
O motivo é mais "simples", ele não é chefe de estado, é Chefe de Quadrilha!!!

Schell

- 2016-11-18 23:49:42

Vá que a mulher do trump não

Vá que a mulher do trump não seja bela, recatada e do lar... melhor não "queimar"...

Ivan de Union

- 2016-11-18 23:33:17

  SE Temer tivesse se

 

SE Temer tivesse se prontificado a levar Alexandre Frota, que eh o tipo de gente que Trump gosta, Temer teria se encontrado com ele.  Faltou presenca de espirito ao mordomo de vampiro! 

ML

- 2016-11-18 23:30:47

 Independentemente de haver

 Independentemente de haver ou não conversa (protocolar) com o traíra, o fato é o golpismo ficou pendurado na brocha. Ele se alicerçou em uma percepção do seriam a geopolítica e a economia mundial que se mostrou equivocada.

No campo econômico, os EUA caminham para o protecionismo, para a reconstrução de sua indústria e o aumento brutal da intervenção estatal (por diversos instrumentos) na área econômica, notadamente em infraestrutura. Nada surpreendente, na verdade, se olharmos para a história econômica dos EUA.

No campo geopolítico (a grande moeda [falsa] que o golpismo procurou explorar), a tendência é, felizmente, para a multipolaridade. Ou seja, para algum tipo de acordo que nos afaste da insanidade da tese da primazia nuclear.

São previsões ou esperanças? Não sei. Há do deep state, e Obama, o genocida, não se rendeu. Procura acalmar (e orientar?) os globalistas europeus, i. e., os “democratas”, “defensores das minorias”, Merkel, Hollande, oficiais da OTAN, etc. Mas, agora, ele é menos do que um pato manco. Mas há o deep state, não custa repetir.

Na Rússia, o ministro neoliberal Aleixei Uliukaev foi preso por corrupção:

(http://russia-insider.com/en/putin-finally-purging-medvedev-government/ri17655)

Aparentemente, Putin avança contra os atlantistas russos, que ainda são importantes a área econômica, apesar de serem repudiados pelo povo, como diversas eleições mostraram. Isso parece indicar que a mudança geopolítica e econômica dos EUA que se vislumbra também deixou esses neoliberais russos pendurados na brocha.

Por aqui, o golpismo provavelmente vai radicalizar. É o que lhes resta, como mostram os últimos acontecimentos e as reações da grande imprensa.

marcosomag

- 2016-11-18 23:28:03

Donald Trump esfacelará "estratégia Temer".

Acredito que Donald Trump não conversou ainda com o "presidente" Michel Temer pelo fato de já ter sido informado pelos seus conselheiros sobre a "esperança" do golpista em atrelar o Brasil a acordos multilaterais sob chefia estadunidense. O próximo presidente estadunidense quer fechar a economia para criar empregos e possíveis concessões ao latifúndio brasileiro na questão de exportações agropecuárias estarão fora de cogitação.

Algo bom no isolacionismo de DT poderá ser o fim do financiamento e treinamento aos "movimentos" de direita como Instituto Millenium, MBL e Vem pra Rua. Seria a confirmação de sua política de sacrificar o "Império" para salvar o país. O futuro dos "líderes" de tais "movimentos" poderá ser menos nababesco do que ele previram.

Das lideranças estrangeiras que já conversaram com DT, destaco a presença dos ditadores de quatro sultanatos árabes apoiados pelo governo estadunidense. Eles estão diretamente ligados ao financiamento do ISIS para evitar o crescimento de forças democráticas na região, e certamente querem saber se DT vai continuar treinando os jihadistas como fez a Secretária de Estado Hillary Clinton durante os desastrosos mandatos de Barack Hussein Obama em relação a política internacional.

Antonio Luiz Teixeira

- 2016-11-18 22:47:05

O encontro e a conversa de

O encontro e a conversa de Trump com Temer, de acordo com fontes fidedignas, ocorreu sob sigilo decretado pelo Judiciário americano. Se fosse sigilo decretado pelo similar brasileiro todo o mundo tomaria conhecimento, graças a Moro, Janot, Teori e, principalmente, a Globo.

aureliojunior50

- 2016-11-18 21:55:40

Tem que aguardar

    Até Donald tem que esperar , pois vai saber se Temer e curriola não caem, mas Trump poderia pelo menos ter ligado para o Moro ou Gilmar Mendes.

aureliojunior50

- 2016-11-18 21:52:37

Michael Flynn

    Já era esperada pelo "pessoal do ramo", que o Lt.Gen (R) Flynn obtive-se um alto cargo,  próximo ao DoD até mesmo na CIA ( www.jornalggn.com.br/comment/1014562#1014562  - em 11/11 )mas o que surpreendeu um pouco,foi a nomeação para o cargo de "conselheiro de segurança nacional" , pois Flynn recebeu ataques do establishment republicano, já em 14/11,devido a suas relações muito próximas com a Russia ( foi varias vezes comentarista da rede RT ) e Putin/Shoigu, como o "rolo" de sua empresa, Flynn Intel Group LLc , com Erdogan ( Turquia ), o "ataque" escrevi em www.jornalggn.com.br/comment/1015438#1015438

Ozilio Cloves Santos

- 2016-11-18 21:39:44

MOTIVO POSSÍVEL DA NÃO-COMUNICAÇÃO COM O BRASIL

     O motivo da não-comunicação com o chefe de Estado do Brasil pode ser este não estar “ lutando para descobrir como e quando entrar em contato com o Sr. Trump”.

   Digo isso não como ironia ou picardia mas porque desde o fim do Governo Lula (e sendo assim, mesmo no Governo Dilma então) o Brasil parece ter aberto mão de buscar ser mais atuante no cenário global e ter mais protagonismo político como era com Celso Amorim à frente do MRE.

    Outro ponto é que o atual chefe do MRE, José Serra, fez declarações infelizes durante a campanha eleitoral dos EUA como que prevendo a derrota de Donald Trump, o que não veio a ocorrer, e por isso deve haver algum constrangimento a ser superado.

hc.coelho

- 2016-11-18 21:24:15

Temer, who?

Quem é temer?

Já falou com os irmão globo? Ou nem precisa.

Vânia

- 2016-11-18 20:57:08

Tudo gente boa!

Trump escolhe três ultraconservadores para dirigir a Justiça, a CIA e a segurança nacional

Jeff Sessions, Mike Pompeo e Mike Flynn pertencem ao círculo mais próximo do presidente-eleito

Donald Trump começa a definir seu gabinete. Nesta sexta-feira nomeou três políticos leais e controvertidos para postos-chave da novo Executivo dos Estados Unidos, como o conselheiro de Segurança Nacional, o procurador-geral (equivalente a ministro da Justiça) e o diretor da CIA. Para os dois primeiros cargos escolheu o general da reserva Michael Flynn e o senador Jeff Sessions, do Alabama. À frente da agência de inteligência coloca Mike Pompeo, congressista ultraconservador do Kansas, próximo do Tea Party.

MAIS INFORMAÇÕES

Nova York e Califórnia lideram a resistência a planos de TrumpQuem é quem na família de Donald TrumpTrump luta para conduzir uma transição que caminha rumo à derivaDe Trump a Maduro: o que é exatamente o populismo?

Os três escolhidos têm em comum a fidelidade à figura de Trump ao longo de uma campanha incendiária e encarnam a linha mais dura dos republicanos em relação a questões de segurança e imigração.

Sessions, de 69 anos, é senador desde 1996 e faz parte do comitê jurídico da câmara alta do Congresso dos EUA. É conhecido por sua oposição radical à reforma da imigração promovida por Barack Obama e também por acusações de racismo por parte de um ex-assessor negro nos anos 80, que o impediram de ocupar outros cargos de responsabilidade durante a administração Reagan.

Michael Flynn, por outro lado, foi apontado como possível vice-presidente de Donald Trump, mas o magnata finalmente escolheu Mike Pence. Flynn, de 57 anos, serviu no Afeganistão, foi condecorado e nomeado por Obama para dirigir a Agência de Inteligência da Defesa, mas deixou o cargo depois de várias polêmicas por seus pronunciamentos. Muito parecido com Trump em seu desprezo ao que consideram “politicamente correto”, Flynn fez algumas declarações muito polêmicas nas redes sociais, como quando disse, em fevereiro, que “o medo dos muçulmanos é racional”.

Pompeo, chamado a comandar a CIA, agora preside o Comitê de Inteligência no Congresso e foi membro do grupo que investigou o ataque ao consulado americano em Benghazi (Líbia), em 2012, quando Hillary Clinton era secretária de Estado. Esse processo se tornou uma dor de cabeça para Clinton, embora nenhuma responsabilidade tenha sido encontrada, e também uma linha de ataque permanente durante a campanha.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador