A matéria escura do comércio, por Ricardo Hausmann

no Project Syndicate

A matéria escura do comércio

por Ricardo Hausmann

Tradução de Caiubi Miranda

CAMBRIDGE – Se alguém estiver pilotando um avião, é útil saber como mantê-lo estável. Para fazer isso, você deve ser capaz de ler os instrumentos. Se a altura do vôo é constante, mas você acha que o avião está indo para baixo, você pode puxar a alavanca de controle e fazer o avoão ascender. Corremos o risco de que isso seja o que acontece hoje com a política comercial dos Estados Unidos.

Na raiz do problema estão duas questões: se, de fato, os Estados Unidos têm um déficit comercial e, em caso afirmativo, o que fazer a respeito. O governo Trump diz que os Estados Unidos realmente têm um déficit e que a solução é uma guerra comercial fácil de vencer.

Os economistas tendem a discordar da resposta de Trump à segunda questão, argumentando que os desequilíbrios externos refletem desequilíbrios internos. Em cada transação, o que uma parte chama de gasto, a outra chama de receita. Portanto, a soma dos rendimentos de todos os participantes no mercado deve ser igual ao total de suas despesas. Mas, se você dividir o mundo em dois tipos de indivíduos – residentes e não residentes – então a única maneira que os não residentes podem receber mais do que gastam em um país é se os residentes gastarem mais do que ganham. Ou seja, os déficits externos refletem o que os residentes gastam acima de sua renda, caso em que o problema não desaparecerá por meio de uma guerra comercial, a menos que obrigue os residentes a gastar menos, por exemplo, através de impostos como tarifas. No entanto, o governo dos EUA está fazendo todo o possível para alcançar o oposto: diminuir os impostos e aumentar os gastos em valores recordes, agravando, assim, o desequilíbrio. A política comercial não é a resposta para os déficits comerciais.

Leia também:  EUA: Racismo, economia e o voto negro para 2020, por Tatiana Teixeira

A primeira questão, no entanto, permanece sem resposta: existe realmente esse déficit comercial? O avião está caindo de forma a exigir ação? No final, esta é uma questão difícil. Era uma vez, quando quase todas as transações internacionais que envolvem o comércio de bens, que são volumosos, de modo que os funcionários aduaneiros em portos, aeroportos e fronteiras terrestres achei fácil de relatá-los ao Serviço de Estatística. No ano encerrado em setembro de 2017, a balança de bens exportados e importados dos Estados Unidos registrou um déficit de US $ 789 bilhões, ou cerca de 4% do PIB.

Mas o problema é que o comércio internacional hoje inclui não apenas produtos, mas também inclui serviços como viagens, turismo, telecomunicações, transportes, seguros, entre outros. No mesmo período, os Estados-Membros registaram um excedente de serviços de US $ 242 bilhões, o que significa que quando ele é adicionado ao déficit de bens, os números vermelhos que país são reduzidos a US $ 547 bilhões, ou 2,8% do seu PIB. Por exemplo, no caso do relacionamento bilateral com o Canadá, a inclusão de serviços faz com que o déficit se torne um excedente.

Há também outras correções, como juros e dividendos pagos e acumulados, além das remessas de mão de obra. Quando tudo isso está incluído no saldo da conta corrente, em 2017, os Estados Unidos registraram um déficit externo de US $ 450 bilhões, ou 2,3% do seu PIB.

No campo contábil, esse déficit significa que ele deve ser pago liquidando ativos financeiros ou emitindo passivos – isto é, aumentando a dívida líquida (ativo líquido). E como a dívida aumenta com o tempo, você tem que pagar o seu interesse, deixando menos dinheiro para gastar. Se não for controlada, mais cedo ou mais tarde a acumulação de dívida acabará com o déficit.

Leia também:  A queda de John Bolton, por Andre Motta Araujo

De 1999 a 2017, a soma de todos os déficits oficiais em conta corrente dos EUA chegou a US $ 9,4 trilhões. Em 1999, a margem financeira e os dividendos alcançaram US $ 11 bilhões. Estas seriam as receitas provenientes de uma posição ativa líquida de US $ 275 bilhões se uma taxa de rendimento de 4% fosse assumida. Mas desde então, dado o déficit estimado em conta corrente, os Estados Unidos deveriam ter tomado emprestado US $ 9,4 bilhões, em termos líquidos. Somados à posição inicial positiva de ativos líquidos de US $ 275 bilhões, os números vermelhos dos EUA devem ser de US $ 9,1 bilhões. E se assumirmos que os Estados Unidos se endividaram em 4%, deveriam pagar US $ 364 bilhões por ano, em termos líquidos, a seus credores estrangeiros.  

No entanto, o valor que os Estados Unidos pagam pelos supostos US $ 9,1 bilhões de dívida líquida é zero. Pelo contrário, faturou US $ 208 bilhões no ano encerrado em setembro de 2017, uma diferença de US $ 572 bilhões. Se isso fosse resultado de algum tipo de ativo que rende 4% ao ano, isso significa que, em vez de US $ 9,1 bilhões, os Estados Unidos acumularam um ativo cujo valor é de US $ 5,2 bilhões. Uma enorme diferença de US $ 14,3 bilhões.

O que está acontecendo? Por que os Estados Unidos podem experimentar um déficit, tomar emprestado externamente, não pagar por isso e, em vez disso, se beneficiar de maneira extraordinária? E qual é esse estranho ativo cujo valor equivale a 73% do PIB?

Em um estudo que eu recebi em 2005 junto com Federico Sturzenegger, o atual governador do Banco Central da Argentina, chamamos esse estranho ativo de “matéria escura”. Semelhante ao seu equivalente cósmico, ele não pode ser observado diretamente, mas seus efeitos são sentidos, não através de sua força gravitacional, mas através de seu desempenho financeiro. O estudo mostrou que o ativo vem principalmente do valor internacional da tecnologia de cada país, de formas que não são bem captadas pelas estatísticas, mas isso é real. Pode-se notar no extraordinário valor proveniente das atividades internacionais da Amazon, Apple, Facebook, Google, Hollywood e Uber, que não são bem captadas como exportações de bens ou serviços.

Leia também:  O aumento das tensões na relação Irã-Arábia Saudita

Depois de levar em conta a matéria escura, os Estados Unidos não têm déficit externo. Se a posição atual for mantida, não haverá uma acumulação real de dívida que requeira um aumento nos pagamentos líquidos futuros para o resto do mundo. Ignorar a realidade da matéria escura envolve agir como se o avião estivesse despencando quando na verdade está voando alto.

Donald Trump argumenta que uma guerra comercial é facilmente vencida pelo país deficitário, já que a outra parte tem mais a perder. Vamos pensar de novo. Não há déficit. Assim como o comércio passou de bens para serviços e depois para conhecimento, o mesmo pode acontecer com guerras comerciais. Uma tarifa sobre o aço pode ser respondida, não com uma tarifa sobre o milho, mas com um imposto sobre a Amazon ou o Google. De fato, a União Européia já está se movendo nessa direção , embora por razões diferentes. Permanecer no escuro quanto à matéria escura do comércio levará o mundo a um lugar verdadeiramente escuro.  

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome