A Suprema Corte está se dividindo, por David Leonhardt

do OPEU – Observatório Político dos Estados Unidos

A Suprema Corte está se dividindo

Não é só a confusão do Kavanaugh. A longo prazo, o tribunal corre o risco de uma crise de legitimidade.

por David Leonhardt

*Traduzido do The New York Times

A Suprema Corte é uma instituição incomum, porque de alguma forma consegue ser ao mesmo tempo majestosa e íntima.

A corte está situada em um templo de mármore com colunas altas, e tomou algumas das decisões mais importantes da história americana. Mas parece uma instituição mais simples do que a presidência ou o Congresso. Seus debates não são televisionados, mas estão abertos ao público. Os espectadores costumam se surpreender com o tamanho modesto do tribunal. Fora da corte, os nove juízes tendem a levar uma vida cotidiana mais normal do que senadores, governadores ou outros grandes.

Essa combinação permitiu que o tribunal incorporasse o ideal americano de governo democrático – poderoso, mas humilde – e muitas pessoas o reverenciavam em troca.

Mas hoje a Suprema Corte está em apuros. E as questões são muito maiores do que a confusão da confirmação de Brett Kavanaugh. Sem algum tipo de correção de rumo, o tribunal corre o risco de uma crise de legitimidade.

Existem dois problemas fundamentais. A primeira é que o tribunal se tornou uma instituição intensamente partidária que finge o contrário.

Os Pais Fundadores imaginaram os juízes como sábios legais, livres do escrúpulo político. Eles ganham mandatos vitalícios para proteger sua independência. Os próprios juízes prezam essa imagem. John Roberts, o chefe dos tribunais, se igualou a um árbitro que aplica a regra em um jogo de baseball. A comparação serve para sugerir que os juízes não têm suas próprias opiniões: eles apenas seguem a lei.

Leia também:  De João Pedro a George Floyd, o racismo que mata, por Rômulo Moreira

Mas isso é uma piada. Em quase todas as decisões importantes no último mandato – e muitas outras na última década – os juízes dividiram-se ordenadamente ao longo de linhas partidárias. Os cinco juízes escolhidos por um presidente republicano votaram de um jeito, e os quatro escolhidos por um democrata votaram de outro. Se os juízes são árbitros, com certeza é estranho que os árbitros republicanos e democratas usem zonas de ataque muito diferentes.

Este partidarismo transformou cada vaga do tribunal em uma batalha campal. É por isso que os senadores republicanos deram o passo extremo de negar a Barack Obama a capacidade de ocupar um lugar. É por isso que a luta de Kavanaugh é tão importante. É por isso que os liberais se importam tanto com a saúde de Ruth Bader Ginsburg.

E o maior dano do partidarismo do tribunal nem vem das desagradáveis ​​batalhas de confirmação. Vem do fato de que uma importante instituição americana se define de maneira evidentemente falsa. A hipocrisia não é boa para credibilidade.

A segunda grande ameaça ao tribunal vem da radicalidade dos juízes nomeados pelos republicanos.

É verdade que os juízes indicados pelos democratas são mais confiáveis ​​do que no passado. Não há mais conservadores como Byron White (indicado por John Kennedy) ou Felix Frankfurter (indicado por Franklin Roosevelt). Mas os democratas da corte ainda variam de moderados a progressivos. Stephen Breyer é apenas um pouco à esquerda de White e bem à direita de Sonia Sotomayor, mostra a análise acadêmica. Merrick Garland, candidato rejeitado de Obama, também era moderado.

Não há mais moderados republicanos. Com o falecimento de Anthony Kennedy, todas as justiças republicanas estão no extremo oposto – entre as mais conservadoras desde a Segunda Guerra Mundial. Kavanaugh quase certamente se juntaria a eles, assim como qualquer outro candidato de Trump.

Leia também:  Esse é o início do século asiático?

O tribunal de Roberts já se mostrou, muitas vezes, zelosamente ativista. Eliminou a legislação bipartidária sobre direito de voto e financiamento de campanha. Anulou precedentes de décadas sobre sindicatos trabalhistas, antitruste e justiça criminal.

No futuro, há motivos reais para se preocupar com o fato de o tribunal bloquear a ação do governo sobre as duas maiores ameaças à segurança e à estabilidade desse país: mudança climática e padrões de vida estagnados da classe média.

Então, o que pode ser feito sobre o tribunal? Não há soluções fáceis.

Limites de mandatos para juízes seriam a melhor mudança. Eles eliminariam a aleatoriedade de alto risco de substituir juízes e conectariam melhor a corte à vontade de longo prazo do povo. Com limites de mandato de 18 anos, cada mandato presidencial de quatro anos viria automaticamente com duas nomeações. Decretar essa mudança é um enorme impulso político, mas vale a pena tentar.

Uma opção menos palatável é que os democratas expandam a corte quando controlarem Washington. Dado o ultraje da indicação de Garland, os democratas estão certos em pensar sobre isso. Mas eu espero que eles não tenham que recorrer a isso, porque arriscariam uma batalha que poderia causar ainda mais danos. Finalmente, há a possibilidade de que Roberts venha a entender o perigo para o tribunal. Ele claramente se preocupa com a credibilidade do tribunal, e mostrou flashes de modéstia judicial, respeitando tanto o precedente como o Congresso. O maior exemplo foi sua decisão dividida sobre Obamacare. Mais frequentemente, no entanto, ele escolheu o ativismo radical. Os rebeldes nunca se tornarão liberais. Mas é razoável esperar que ele mostre mais do pequeno conservadorismo que o Supremo Tribunal necessita. Se ele permitir que se torne uma versão todo-poderosa do Congresso, com legisladores usando togas, tanto seu legado quanto o país sofrerão.

Tradução por Solange Reis

Leia também:  Mortes pela Covid, no Brasil, superam 25% em relação ao mundo

*Artigo originalmente publicado em 23/08/2018, em https://nyti.ms/2zpXpsi

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Translatores não-reliáveis atacam novamente

    “Com o falecimento de Anthony Kennedy, todas as justiças republicanas estão no extremo oposto”

    Todos os ministros republicanos. “Justice” não se traduz somente como “justiça”; às vezes – como é obviamente o caso aqui – significa “ministro de tribunal superior”.

    Textos traduzidos por por programas automáticos precisam ser revistos por alguém que entenda, 1) a língua original; 2) português; e, 3) o assunto de que o texto trata.

  2. Ainda existe alguém que

    Ainda existe alguém que acredita em diferenças entre democratas e republicanos?  Seria o mesmo que acreditar que PSDB e PMDB são diferentes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome