Ação entre amigos: Trump se recusa a pagar honorários advocatícios de Rudy Giuliani

O aparente rompimento com Giuliani - um dos partidários mais leais e bajuladores de Trump - contribuiu para o sentimento de isolamento e traição do presidente, sugeriram assessores.

Jornal GGN – Donald Trump não anda feliz com seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, e se recusa a pagar as contas legais acertadas com o ex-prefeito de Nova York. Segundo o The Guardian noticiou, Trump estaria se sentindo abandonado e frustrado durante seus últimos dias no cargo.

Giuliani foi o advogado a abraçar a causa da impugnação das eleições nos Estados Unidos por parte de Donald Trump. Ele montou inúmeras contestações legais espúrias, viajando por estados importantes para reverter o resultado e espalhou falsas alegações de que a votação foi fraudada. Em suma, foi um leal escudeiro.

Segundo o Washington Post, as relações entre Trump e Giuliani esfriaram dramaticamente. Trump ordenou a seus assessores que não pagassem os honorários pendentes de Giuliani. Segundo apurado, Trump teria ficado ofendido com a demanda de Giuliani por US$ 20.000 por dia – um número que o advogado nega, mas que aparentemente está em contrato. Funcionários da Casa Branca foram até mesmo instruídos a não atender nenhuma ligação de Giuliani.

Comentando a reportagem, Ken Frydman, que trabalhou como secretário de imprensa de Giuliani na década de 1990, disse: “Deite-se com cachorros. Acorde com pulgas e sem $ 20.000 por dia”.

O aparente rompimento com Giuliani – um dos partidários mais leais e bajuladores de Trump – contribuiu para o sentimento de isolamento e traição do presidente, sugeriram assessores.

Trump está infeliz com o fato de membros de seu círculo íntimo não terem conseguido defendê-lo após o ataque mortal da semana passada ao Capitólio dos Estados Unidos por uma multidão de seus apoiadores. Muitos ficaram em silêncio após a votação de quarta-feira na Câmara dos Representantes para o impeachment de Trump pela segunda vez.

Leia também:  Os sentidos de 1776, por Flávio Limoncic

Aqueles que supostamente falharam em avançar incluem o secretário de imprensa de Trump, Kayleigh McEnany, seu genro e conselheiro, Jared Kushner, e seu chefe de gabinete, Mark Meadows, responsável por ceder à crença de Trump de que a eleição foi fraudada.

“O presidente está bastante tenso”, disse um alto funcionário da administração ao Post. “Ninguém está lá fora.”

A recusa de Trump em pagar as contas de Giuliani é outro golpe para o ex-promotor federal. Giuliani já está sob ataque por seu próprio suposto papel em incitar os apoiadores de Trump a invadir o edifício do Capitólio.

Discursando no comício de Trump para salvar a América em Washington na semana passada, Giuliani disse: “Estou disposto a apostar minha reputação, o presidente está disposto a apostar sua reputação, no fato de que vamos encontrar criminalidade lá”. Ele acrescentou incisivamente: “Vamos fazer um julgamento de combate”.

Michael Sherwin, o procurador-geral em exercício de Washington DC, está investigando o motim. Ele disse que está olhando para vários participantes. Eles incluem aqueles que instigaram a invasão do Capitólio, uma categoria que pode envolver Trump e Giuliani.

Um grupo de ex-colegas de Giuliani de sua época como promotor federal de Manhattan o culpou diretamente pela confusão pós-comício. “Foi chocante e totalmente desanimador ver um de nossos ex-colegas se envolver nessa conduta”, escreveram. Ele também está enfrentando uma queixa de exclusão em Nova York.

Na semana passada, Trump sofreu uma série de reversos prejudiciais. Membros do gabinete renunciaram, corporações cortaram vínculos com a organização Trump e a Associação de Golfistas Profissionais dos Estados Unidos cancelou um acordo para realizar seu campeonato no próximo ano no campo de Trump em Nova Jersey. Seu banco de longa data, o Deutsche, disse que não o quer mais como cliente.

Leia também:  NYT: Negócios de Trump sentem o impacto da invasão do Capitólio

Trump está mais isolado do que nunca. A Casa Branca tem poucos funcionários e aqueles que vão trabalhar ali evitam deliberadamente o Salão Oval, informou o Post.

O rompimento com o presidente pode afundar as esperanças de Guiliani de receber o perdão presidencial. No ano passado, Giuliani manteve discussões com Trump sobre o recebimento de uma anistia por seu trabalho em nome do presidente na Ucrânia. Acusações criminais de doações ilegais para campanha foram feitas contra dois associados de Giuliani, Lev Parnas e Igor Fruman. O trio trabalhou para tentar desenterrar a sujeira de Biden e seu filho Hunter.

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. O moleque sequer livra a cara de seus parceiros de empreitada suicida, e o resultado só pode ser este, o afastamento de quase todos aqueles que o bajulavam dia e noite, isto é o que o safado realmente gosta, pois o ajuda a manter o ego na altura da lua. Só espero que o Deutsche Bank faça o que deve ser feito, cobrar do cretino tudo o que é de seu direito. Este foi o único banco a emprestar $$ pro safado e, mesmo assim, durante o mandato o canalha foi capaz de prejudicar aquele que lhe ajudou, é um verme.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome