O primeiro massacre humano da história

Da Agência Lusa

Massacre humano mais antigo da história ocorreu há 10 mil anos no Quênia

Um grupo de cientistas apresentou hoje (20) evidências do massacre humano mais antigo da história, uma descoberta que contribui para o debate sobre as razões pelas quais os seres humanos fazem guerra.

O mais antigo massacre ocorreu há dez mil anos no Quênia, quando um pequeno grupo de homens, mulheres e crianças foram capturados por um clã rival, amarrados e espancados até a morte. Os restos mortais foram depositados numa lagoa e preservados em sedimentos por milénios.

Evidências

A descoberta foi feita em Nataruk, perto do Lago Turkana, no Quênia. Os ossos recolhidos fornecem “provas conclusivas de algo que deve ter sido um conflito entre grupos”, explicou a antropóloga da Universidade de Cambridge, Marta Mirazon Lahr.

Há outras evidências fósseis de violência contra seres humanos, mas nenhuma de confrontos entre grupos.

A equipe de Marta Mirazon Lahr desenterrou 12 esqueletos, mais ou menos intactos, dez dos quais tinham marcas de morte violenta.

O primeiro esqueleto que a equipe descobriu estava deitado de bruços e foi espancado até à morte.

A antropóloga encontrou também um esqueleto de uma mulher com os restos mortais de um feto na cavidade abdominal.

As origens da guerra é um tema controverso. Uns defendem que faz parte da essência da natureza humana (que nascemos com capacidade para a violência organizada) e outros sugerem que a guerra apareceu com o conceito de propriedade, quando os humanos começaram a cultivar a terra.

Leia também:  A importância da universidade no desenvolvimento do setor energético brasileiro

O novo estudo revela que a guerra já era uma característica do ser humano há dez mil anos, quando ainda éramos nômades.

“A minha interpretação é de que eram uma pequena comunidade e foram surpreendidos com um ataque”, afirmou a antropóloga.

O massacre pode ser visto como uma invasão por recursos ou um confronto entre dois grupos sociais, afirmaram autores do estudo, acrescentando que aquelas mortes são o “testemunho mais antigo de violência entre grupos e de guerra”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Sem dúvida que a guerra nasceu com a humanidade, mas…

    Sem dúvida que a geurra nasceu com a humanidade, mas antes da revolução agrícola não havia bens duráveis a consquistar. As populações eram nômades, e podias até lutar pela posse de um território rico em caça, mas este logo estaria esgotado e o grupo vencedor teria que se deslocar novamente. Pode parecer incoerente, mas guerra e civilização sempre foram inseparáveis, e apenas em épocas recentes a guerra parece estar em declínio.

  2. Há uma aberração lógica nesse

    Há uma aberração lógica nesse texto, o 6º parágrafo.

    Uma coisa não exclui a outra. Observações dos nossos meio-irmãos chimpanzés mostram com clareza que a violência organizada é inata neles, o que a faz muito provável entre nós. Aliás, essa característica é comum a diversos predadores, especialmente entre os mamíferos.

    Entre os canídeos, lobos e cães repartem essa característica. Entre os primatas, não só nós e os chimpanzés, mas diversas outras espécies, babuínos dentre os mais famosos.

    Há uma diferença fundamental entre guerra e violência organizada, vista por um ângulo zoológico. Predadores que caçam em bando praticam violência organizada, nesse sentido. Um bando de humanos caçadores-coletores disputando território com outro está praticando violência organizada, e não uma guerra. E nem se diga que houve um massacre, que foi usada muito mais força que o necessário, que animais não espancam até a morte. De novo os chimpanzés mostram como é falsa a noção de que animais não podem ser cruéis. Podem. E não só nossos primos. O que dizer de golfinhos nariz-de-garrafa que espacam até a morte rotadores, às vezes até jogando uma espécie de frescobol com as caldas, nas costas da Grã-Bretanha? E de orcas, que brincam com focas, atirando-as para cima e para baixo sem nenhum motivo aparente, a não ser o simples prazer?

    Guerra é um ato político. É uma afirmação, consciente de que é isto, de domínio e poder sobre algo ou alguém, por meios violentos. Para haver guerra, é necessário haver violência organizada. Para esta existir, não é preciso que seja guerra.

  3. e que o audio diria?
    Se fosse possivel recuperar o audio desse momento historico poderia-se ouvir ao som das pauladas.

    –coxinha!!!
    –petralha!!!

    –coxinha!!!
    –petralha!!!

  4. Não demora  aparece um

    Não demora  aparece um  sociólogo engraçadinho para   afirmar :” Viu? Os  africanos já se matavam  desde aquela época”.

    Seguida  de acrobáticas teorias   eugênicas e raciais.

  5. Não demora e aparece um
    Não demora e aparece um antropólogo e diz que, na realidade, aquelas mortes se devem a algum ritual religioso.

  6. Guerra é uma palavra sedutora
    Guerra é uma palavra sedutora e ambígua. É impossível comparar conflitos minúsculos entre grupos usando armas de madeira e de pedra à guerra mecanizada em larga escala praticada em terra, no ar, no mar com tropas se movimentando por continentes e entre continentes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome