Os exilados da Guerra Civil Espanhola

SERIE GUERRA CIVIL ESPANHOLA = Os Exilados –

Ao fim da Guerra Civil, com a derrota da Republica a Espanha conheceu a maior diaspora de sua Historia moderna. A emigração atingiu especialmente os intelectuais, a grande maioria dos quais estava do lado perdedor.

A França pela logica geografica foi o primeiro pais de destino, embora as nuvens da nova Guerra Mundial que estouraria seis meses depois já indicava que a França seria um pais de passagem..

Os numeros de emigrados foram enormes embora até hoje as cifras sejam imprecisas. Com a queda das provincias bascas, calcula-se que quatrocentas mil pessoas cruzaram a fronteira por Puigcerda, Port Bou e La Junquera. Eram soldados da Republica, funcionarios do governo, dirigentes politicos e sindicais, suas esposas e filhos. O alojamento de tal quantidade de pessoas foi desde o inicio um problema de dificil solução. A França criou acampamentos para acomodar essa grande massa.

UNIÃO SOVIETICA

Do porto do Havre zarparam varios navios russos com destino a Leningrado levando filiados do Partido Comunista Espanhol com destino à União Sovietica, cerca de tres mil espanhois foram para esse destino

INGLATERRA

A Inglaterra não seria um destino logico para refugiados republicanos espanhois, dada a atitude pro-franquista do Governo Chamberlain mas mesmo assim atraiu figuras importantes, como Juan Negrin, ultimo Premier da Republica, outros medicos importantes, como Enrique Vazquez Lopez,

literatos como Luis Araquistain, Jose Garcia Lorca, Rafael Martinez Nadal, muitos professores de direito, de engenharia, de filosofia. O Governo Chamberlain, apesar de suas simpatias franquistas, não criou nenhum obstaculo à entrada de refugiados mas a dificuldade de sobrevivencia na Inglaterra atraiu sòmente emigrados de alto nivel profissional.

A Grande emigração foi todavia para a America Latina. Dentre todos os paises, o principal destino foi o

MEXICO

O México foi entre todos os paises do mundo o que mais apoiou politica e diplomaticamente a Republica depois de sua derrota pelos nacionalistas. Por essa razão foi o principal pais de acolhimento dos exilados republicanos., cujo total estimou-se até 1941 em 20 mil. O Governo mexicano continuou a reconhecer a Republica como o Governo legal da Espanha, admitindo em seu terriorio inclusive uma Embaixada da Espanha representando a Republica e não reconhecia como legal o Governo de Franco, politica que durou décadas.

O efeito dessa emigração foi importantissimo para o Mexico. Vieram grandes professores universitarios de todas as especialidades, que impulsionaram a educação superior no País.

Eram catedraticos de fama, como Blas Cabrera (Engenharia Eletrica), Pedro Carrasco (Fisica),

Honorato de Castro (Astronomia), Jose Giral (Quimica Organica), Alejandro Otero (Obstetricia),

Manuel Marquez Rodriguez (Oftalmologia) e mais 400 professores universitarios.

O Mexico em curto espaço de tempo ganhou um capital humano extraordinario que não formaria em uma geração.

REPUBLICA DOMINICANA

Em proporção à sua propria população o pequeno Pais foi o que acolheu maior numero de exilados republicanos. Curiosamente era uma ditadura do General Trujillo mas o ditador foi suficientemente esperto para dar bom tratamento aos refugiados, auxiliando-os em tudo, inclusive legalizou o Partido Comunista para tornar sua imagem melhor no exterior.

A Republica Dominicana ganhou tambem excelente capital humano em todas as areas.

CHILE

Outro pais de acolhimento, recebeu cerca de dois mil emigrados. muitos de excelente nivel técnico, como Jose Medina Echevarria, que se aposentou como alto funcionario da CEPAL.

ARGENTINA

A Argentina recebeu tambem uma boa cota de catedraticos das melhores Universidades espanholas como o celebre jurista Luis Jimenez de Asua, catedratico de Direito Penal da Universida de Madrid, Sanchez-Albornoz, catedratico de Historia Antiga da mesma Universidade,

Francisco Ayala, catedratico de Direito Publico.

Mais importante do que os grandes nomes, a emigração espanhola deu impulso à atividade editorial de Buenos Aires, transformando-a na capital da edição de livros em lingua espanhola para a America Latina. Cerca de 300 editores, graficos e diagramadores portadores da melhor técnica da grande industria livreira de Barcelona e Madrid chegaram a Buenos Aires e deslancharam sua sólida atividade economica em torno de editoras e livrarias.. Neste grupo estavam Rafael Aliberti, Arturo Serrano Plaja, Jose Otero Espasandin.

BRASIL

O Brasil acolheu exilados como Sanchez Saez, professor da Universidade de Sao Paulo (Literatura Espanhola), o médio Emilio Mira Lopez, antigo professor de Psiquaitria na Universidade de Barcelona e que continuou sua produção no Brasil.

Outros paises continuaremos em novo post. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome