As eleições no Parlamento Europeu e o avanço da extrema-direita

Por rdmaestri

Estamos tão preocupados com as eleições no Brasil que determinados assuntos internacionais extremamente importantes não estão sendo levados em conta.
 
A cada eleição na Europa, nos países ou mesmo a eleição do Parlamento Europeu, não é comentada com a ênfase que merece. Na eleição municipal francesa se comentou algo sobre a progressão do partido nacionalista francês o Frente Nacional. Mesmo sendo esta eleição uma eleição local onde a influência dos grandes assuntos nacionais não é levada em conta, o partido de Marine Le Pen (filha de Jean-Marie Le Pen), um partido que apresenta todas as características de um partido Fascista começou a incomodar mais do que na época em que ele chegou em segundo lugar no primeiro turno das eleições presidenciais. Pois bem, como Marine Le Pen parece mais livre do passado do que seu pai, ela começou a ter penetração no meio operário de baixa qualificação e desempregados, algo que já se viu na história há quase um século.

 
Agora na Inglaterra o Ukip (UK Independence Party) fundado pelo histriônico deputado inglês Nigel Farage, está com sérias chances de ser a primeira ou segunda força da Inglaterra no Parlamento Europeu. Farange até ha dois anos era considerado alguém como os nossos candidatos folclóricos (Tiririca e outros), tinha uma votação razoável de dois milhões de votos, mas era praticamente só ele o partido, nas eleições municipais de 2013 o UKIP já se põe em segundo lugar com 23% dos votos, somente 2% atrás do Partido Conservador. Além de fascista, Farage é acusado pelos adversários de homofóbico e racista. Claramente racista, Farage não se declara, mas seu partido assim como suas alianças internacionais com outros partidos racistas europeus, mostra a cara escamoteada de suas intenções.
 
Se fosse somente a França e a Inglaterra já seria grave, porém a extrema direita populista e nacionalista se levanta por toda a Europa, tanto a Ocidental como a Oriental, nesta última mais fascista e mais nacionalista do que o resto. Há pouco tempo alguns jornais europeus fizeram o levantamento da força da extrema direita europeia, chegando a conclusão que era ainda insignificante, mas assim como retratado por Ingmar Bergman no seu filme “O ovo da Serpente”, em 1922 os nazistas eram insignificantes.

2 comentários

  1. “Estamos tão preocupados com

    “Estamos tão preocupados com as eleições no Brasil que determinados assuntos internacionais extremamente importantes não estão sendo levados em conta.”

     

    No Carta Maior, esse tema tem sido acompanhado de perto desde sempre. 

     

    É preciso escolher bem as fontes. 

  2. Mas como vamos querer

    que as pessoas prestem atenção na Europa Ocidental, se já surgiu a olhos vistos o maior país protofascista do continente e algumas pessoas por aqui ainda elogiam!

    Pessoas provavelmente muito felizes com o tempo de TV do PP de Bolsonaro & Cia.

    Tá serto!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome