Estudantes colombianos inovam em protestos

Estudantes colombianos exigem “educação alternativa, democrática, gratuita e à serviço da maioria”


Colômbia: educação não é mercadoria

Estudantes colombianos estão em greve contra projeto de lei governamental e prometem paralisar o país em aliança com organizações sociais

Um mês depois de haver começado, a grande mobilização nacional promovida pelos estudantes colombianos ganha abrangência social ao conseguir aliados fora dos campi universitários e se fortalece misturando exigências claras com métodos políticos inovadores.

No dia 10 de novembro, centenas de milhares de pessoas mobilizaram-se nas principais cidades do país. Cerca de 80 mil protagonizaram o episódio qie ficou conhecido como a “tomada de Bogotá”, uma série de marchas simultâneas que confluíram na Plaza Bolívar, em frente à sede do governo, no centro da capital colombiana.

De acordo com líderes sociais, foi a mais importante concentração dos últimos dez anos na cidade. Até agora, a maior manifestação havia reunido 50 mil pessoas para protestar “Contra a Guerra” em novembro de 2007, atendendo aos chamados da organização Rota Pacífica de Mulheres.

Num comunicado público horas antes da concentração multitudinária, os organizadores reiteraram suas exigências ao governo: “educação alternativa, democrática, gratuita e à serviço da imensa maioria”…

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador