Primeiro-ministro do Líbano renuncia em meio à revolta pela explosão em Beirute

O anúncio do primeiro-ministro vem no momento em que cresce a fúria pública sobre a explosão massiva que devastou a capital.

do Al Jazeera

O primeiro-ministro do Líbano, Hassan Diab, renuncia em meio à raiva pela explosão em Beirute

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, anunciou sua renúncia quase uma semana após uma explosão massiva que devastou a capital, Beirute, matando cerca de 200 pessoas e ferindo outras 6.000.

Diab fez o anúncio em um discurso transmitido pela televisão à nação na segunda-feira. A medida arrisca abrir caminho para negociações demoradas sobre um novo Gabinete em meio a pedidos urgentes de reforma.

Diab disse que está dando “um passo para trás” para que possa estar com o povo “e lutar a batalha pela mudança ao lado deles”.

“Declaro hoje a renúncia deste governo. Que Deus proteja o Líbano”, disse ele, repetindo a última frase três vezes.

“Este crime” foi resultado da corrupção endêmica, acrescentou Diab, e pediu o julgamento dos responsáveis ​​pela explosão mortal.

A explosão de 4 de agosto, que foi causada por nitrato de amônio altamente explosivo armazenado no porto de Beirute por mais de seis anos, alimentou a ira popular e derrubou a política em um país que luta com uma grande crise econômica.

Os acontecimentos seguem um fim de semana de protestos antigovernamentais na sequência da explosão da semana passada, que causou destruição generalizada em grande parte da capital. Os protestos se tornaram violentos quando a tropa de choque entrou em confronto com os manifestantes, disparando gás lacrimogêneo e balas reais para dispersar as multidões.

Acredita-se que a explosão tenha sido causada por um incêndio que acendeu um estoque de 2.750 toneladas de nitrato de amônio altamente volátil. O material estava armazenado no porto desde 2013 com poucas salvaguardas, apesar dos inúmeros avisos de perigo.

O resultado foi um desastre que os libaneses atribuem diretamente à corrupção e negligência de sua liderança. As perdas com a explosão catastrófica são estimadas em US $ 10 bilhões a US $ 15 bilhões, com quase 300.000 pessoas desabrigadas.

A última decisão tomada pelo governo de Diab antes de sua renúncia foi encaminhar o caso da explosão ao Conselho Judicial Supremo, que lida com crimes que infringem a segurança nacional do Líbano, bem como crimes políticos e de segurança do estado. O Conselho Judicial Supremo é o principal órgão judicial do Líbano.

Um juiz, na segunda-feira, questionou os chefes das agências de segurança do país. O promotor público Ghassan El Khoury questionou o major-general Tony Saliba, chefe da Segurança do Estado, de acordo com a Agência Nacional de Notícias. Não deu mais detalhes, mas outros generais devem ser interrogados.

Reformas políticas e econômicas

A renúncia tipificou o dilema político do Líbano. Desde outubro, tem havido manifestações em massa exigindo a saída de toda a liderança de base sectária por causa da corrupção entrincheirada, incompetência e má gestão.

Mas a oligarquia governante manteve o poder por tanto tempo – desde o fim da guerra civil em 1990 – que é difícil encontrar uma figura política confiável que não esteja contaminada por conexões com eles.

Embora a renúncia de Diab tenha parecido inevitável após a catástrofe, ele parecia não querer partir e apenas dois dias atrás fez um discurso na televisão no qual se ofereceu para ficar por dois meses para permitir que várias facções concordassem sobre um roteiro para reformas. Mas a pressão de dentro de seu próprio gabinete provou ser excessiva.

O governo de Diab foi formado depois que seu antecessor, Saad Hariri, deixou o cargo em outubro em resposta às manifestações. Demorou meses de disputas entre as facções de liderança antes que eles se decidissem por Diab.

Seu governo, que era apoiado pelo Hezbollah e seus aliados e visto como unilateral, estava basicamente condenado desde o início, com a tarefa de atender às demandas de reforma, mas formado por todas as facções que os reformadores desejam eliminar.

Agora o processo deve começar de novo, com o governo de Diab em um papel de zelador enquanto as mesmas facções debatem um novo.

No domingo, líderes mundiais e organizações internacionais prometeram quase US $ 300 milhões em ajuda humanitária de emergência para Beirute, mas advertiram que nenhum dinheiro para reconstruir a capital seria disponibilizado até que as autoridades libanesas se comprometessem com as reformas políticas e econômicas exigidas pelo povo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Isto porque o enviado do governo Bolsonaro, que precisa ser liberado pela justiça para viajar, ainda não chegou. O desmonte vai acontecendo e assim como o golpe que o Temer participou aqui, não tem pai.
    É de rir, que o Temer vai com a missão de pacificar. Parece que disseram precificar e entenderam errado.

  2. Faliu em corrupção endêmica leia-se golpismo disfarçado,só quem vive lá pra saber a verdade e ainda sim Pode ser equivocado

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome