Lula foi vítima da compra de silêncio de Cerveró por Delcídio, diz MPF

Fotos Públicas
 
Jornal GGN – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi considerado inocente pelo procurador da República Ivan Cláudio Marx, no processo relacionado à suposta compra de silêncio do ex-diretor da área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. Nas alegações finais, o Ministério Público Federal (MPF) considerou que não há provas de que Lula e o banqueiro André Esteves participaram de crimes no caso apurado.
 
Para os investigadores, Lula foi prejudicado propositalmente pelo ex-senador Delcídio do Amaral, na obstrução à Justiça, para que as acusações mirassem o ex-presidente, disfarçando o real interessado na compra de silêncio: Delcídio.
 
O MPF reconstituiu as provas dos autos e chegou à conclusão que o ex-senador teria sido o beneficiário da estratégia de repassar R$ 250 mil à Cerveró, para que ele não fechasse o acordo de delação premiada. Segundo Cláudio Marx, ao contrário do que narrou Delcídio em colaboração, o silêncio do ex-diretor da Petrobras não foi encomendado ou não interessava a Lula, mas ao ex-senador.
 
Por isso,  o MPF pediu a condenação do ex-senador Delcídio do Amaral, do advogado Edson de Siqueira Ribeiro Filho e dos denunciados Maurício Barros Bumlai, José Costa Barros Bumlai e Diogo Ferreira Rodriguez.
 
Segundo os investigadores, o interesse de Delcídio era impedir a revelação do recebimento de R$ 4 milhões da UTC, pagamento de propina e usado em caixa dois em campanha do ex-parlamentar ao governo do estado do Mato Grosso. O advogado Edson Filho teria, assim, orientado seu cliente, Nestor Cerveró, a informar valores falsos destinados à campanha de Lula no ano de 2006, para prejudicar o então presidente.
 
“Delcídio estava agindo apenas em interesse próprio. E Cerveró estava sonegando informações no que se refere a Delcídio, e não sobre Lula, a quem inclusive imputava fatos falsos, no intuito de proteger Delcídio”, afirmou o procurador da República.
 
O dinheiro para a compra do silêncio teria envolvido o pecuarista José Carlos Bumlai, por meio de seu filho, Maurício Bumlai, e que o ex-senador encaminhou o repasse de cinco parcelas de R$ 50 mil ao ex-diretor. Entretanto, ao contrário da informação de Delcídio de que o pagamento ocorreu a pedido de Lula, os procuradores entenderam que não.
 
José Carlos Bumlai e seu filho confessarem entregar R$ 100 mil a interlocutores de Delcídio, mas explicaram que se tratava de um “empréstimo” ao ex-parlamentar. Além disso, os procuradores comprovaram que Delcídio mentiu sobre o quinto pagamento, que não foi feito por Diogo Rodriguez, mas pelo próprio Delcídio.
 
Por isso, o MPF pede a condenação da família Bumlai, por entender que eles sabiam que as remessas de três das parcelas foram usadas para comprar o silêncio de Cerveró. A delação do ex-diretor da Petrobras foi considerada crucial pelos investigadores para agregar nas acusações contra Delcídio.
 
Assine
 
 

13 comentários

  1. Pelo menos, no caso, o mpf

    Pelo menos, no caso, o mpf conseguiu elucidar as tucanagens esmerdeadas desse falso petista. Mas, quanto tempo levou? Quantas vezes o desMoronado não foi pra cima em curitiba, levando isso em consideração? E quem pagará os prejuízos pessoais do Lula? O quanto tais denúncias de merda afligiram a dona Letícia? E os merdiáticos saem “limpinhos” dessa sujeira que ajudaram a espalhar? Quadrilha é muito pouco: a cretinice não possui limites, assim, como o stfezinho não tem cnj que se apresente em tempo e hora: quando, mesmo, o anoronhado pautará efetivamente o processo contra o desMoronado, hein, dona carmencita?

  2. Se houvesse justiça…

    Penso que se houvesse Justiça, Delcídio deveria ser condenado a indenizar Lula pela calúnias. Ao mesmo tempo, Lula deveria ter direito de reparação da informação caluniosa em todos os veículos que usaram a calúnia para assassinar sua reputação.

    Alguém acredita que isso irá acontecer ?

  3. Como de práxis, a mídia

    Como de práxis, a mídia “comprou” sem nenhum certificado de garantia a versão desse mentecapto. Bastou o uso da palavra-chave, do “abre-te Sésamo”, LULA,  para surgir um novo “herói” no horizonte sombrio da política brasileira. 

    De pronto, foi convidado para o Roda Viva da Cultura, comandado por um dos maiores desafetos do ex-presidente, o jornalista Augusto Nunes. Em momento algum o agora emotivo(chegou às lágrimas) Delcídio foi questionado acerca das incongruências da sua delação. Queriam apenas ouvir o de sempre: Lula era o chefão, o capo di tutti de capi do esquema de corrupção na Petrobras. 

  4. Lula, inocente; Delcídio, delator mentiroso. E fica por isso mes

    Lula, inocente; Delcídio, delator mentiroso. E fica por isso mesmo

     

    O procurador Ivan Cláudio Marx, da 10a. Vera Federal de Brasilia, pediu a absolvição de Lula pelo “crime” de obstrução da Justiça que ele teria cometido, denunciado na delação premiada de Delcídio do Amaral, negociada com Rodrigo Janot e apresentada em 21 de julho do ano passado.

    O promotor pede, ainda, a anulação dos benefícios concedidos a Amaral por ele ter, numa palavra, mentido para safar-se de suas culpas.

    Lula, como se sabe, é “bom de delatar”, porque acusá-lo é “verdade” em princípio, vale barganhas maiores e, ao menos lá em Curitiba, independe de prova.

    A sentença de Moro no caso do apartamento do Guarujá – a tal “tecnicamente perfeita” segundo o pré-julgamento do presidente do Tribunal que vai analisá-la antes mesmo de recebidos os autos – funcionou assim: uma série de indícios inconclusivos passa a ser motivo de condenação porque um delator disse que “Lula sabia”  e pronto.

    Bem, ao menos neste caso, justiça foi feita.

    Mas foi feita apenas em parte.

    Porque como pagar pelo abalo de imagem que isso causou ao ex-presidente? Como recolher as milhares de páginas de jornal, de revistas, de internet e os minutos preciosos de Jornal Nacional?

    Ações cíveis? Vai-se alegar “liberdade de imprensa”.

    E é.

    Mas a de informar, não a de difamar.

    Tudo facilitado por uma legislação – e uma prática do MP – de aceitar a delação antes da apresentação de provas.

    http://www.tijolaco.com.br/blog/lula-inocente-delcidio-delator-mentiroso-e-fica-por-isso-mesmo/

  5. O ridiculo e que alguém aceitou a delação.

    Por tudo e pela forma como ocorreu, todos sabemos que o tal banqueiro, que sequer foi indiciado, estava no local do crime, junto com Delcidio. Uma gravação que só dizia respeito a Delcidio. Depois a declaração de Cerveró, tambem acusando Delcidio.  Mas.  como no caso Zelotes, onde  acusaram e ainda acusam Lula e seu filho, a republica de Curitiba distorceu distorceu, e agora estamos aqui festejando o óbvio. Simplesmente porque algum procurador fez de fato o seu trabalho.

    Quanto dinheiro público foi gasto neste processo que não devia sequer ter começado?  Como a distorção  nos leva a transformar a criação de mentes doentias em  realidades  judiciais desastrosas e na  destruição de pessoas. Ou aqui ninguém pensa no que fizeram com o filho de Lula, ou com a esposa, ou com a esposa de seu amigo e seu amigo. A mídia banaliza esta violência, e alimenta os ódios, de forma continua e diuturna, sempre com pequenas frases comprometedoras.  Estas mentes doentias fazem parte do mesmo grupo, que mantém preso Rafael Braga, por portar uma garrafa de detergente. Obviamente distorceram e transformaram a acusação em outra coisa. 

    Enquanto isto bandidos confessos, como todos os delatores, ganham carta de alforria, simplesmente porque fazem o jogo da republica de Curitiba. É o nosso dinheiro sendo gasto, para satisfazer os desejos e a mente doentia de alguns. Enquanto destroem a vida de pessoas, se juntam para comer pipoca no escurinho do cinema. O filme é apenas uma confissão de culpa e de violação das leis. Mas os que riram, na verdade estão apenas dizendo que fizeram e continuarão fazendo simplesmente porque podem. Até quando?  é a pergunta. Pode demorar mas  sabemos que a história vai com certeza sepultá-los em algum jazigo de indigentes.

  6. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome