O caso Witzel: entenda o esquema corrupção no governo fluminense

Adiantamos como os crimes que se ampliaram em contratos de serviços necessários ao combate do novo coronavírus já estavam comprovados

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Jornal GGN – A deflagração da Operação Placedo contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, na manhã desta terça (26), é a junção de uma sequência de investigações de um grande esquema de corrupção dentro do governo fluminense para favorecer o empresário Mário Peixoto em licitações em diversas áreas públicas, entre elas a saúde. O GGN já havia mostrado essa conexão na cobertura especial “O caso Witzel“.

Na reportagem “Ônus do coronavírus alimenta corrupção no governo Witzel, mostra investigação“, por exemplo, adiantamos como os crimes que se ampliaram em contratos de serviços necessários ao combate do novo coronavírus já estavam comprovados.

Detalhamos as apurações de crimes sobre a compra de respiradores para hospitais de campanha criados para receber pacientes com o vírus, a compra de álcool em gel para a Marinha do Brasil, a renovação ilegal da contratação da Organização Social UNIR SAÚDE para a gestão de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), ligada ao empresário, e a contratação da Organização Social Iabas, também ligada a Mário Peixoto, para administrar o hospital de campanha que trata infectados pelo Covid-19, que teria gerado R$ 850 milhões ao grupo criminoso.

Na cobertura, conectamos as diversas pontas desse grande esquema que envolve personagens dentro e fora do cenário político fluminense. Acompanhe:

O caso Witzel e o planejamento da cobertura

Os personagens da corrupção no governo Witzel em contratos ilícitos

Ônus do coronavírus alimenta corrupção no governo Witzel, mostra investigação

Witzel (re)abriu as portas do governo para a corrupção investigada na Lava Jato

Influentes, Pastor Everaldo e Peixoto disputaram “feudos” no governo Witzel

Grampo: Bretas “encobria as coisas” do Witzel, mas agora quer prender o governador

A relação entre Witzel e Mário Peixoto, o empresário preso na Lava Jato

 

Leia também:  Constituição assegura autonomia funcional do Ministério Público, não de procuradores

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome