Gilmar dá mais 60 dias para PF investigar Aécio e Anastasia

Senadores Aécio Neves e Antonio Anastasia – Foto: PSDB-MG
 
Jornal GGN – O ministro Gilmar Mendes concedeu mais 60 dias para a Polícia Federal levantar provas e indícios contra os tucanos Aécio Neves e Antonio Anastasia, nas acusações das delações de executivos da Odebrecht. 
 
O primeiro pedido havia sido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ainda em fevereiro deste ano. Na ocasião, a procuradora-geral Raquel Dodge havia pedido o aumento de tempo para concluir cinco investigações contra Aécio.
 
Relacionados até então a quatro inquéritos com base nas acusações de depoimentos da Odebrecht e também do acordo de colaboração da JBS, a procuradora pediu para coletar provas relacionadas a reuniões e entregas de repasses ilícitos, apreensões em residências e empresas, além de ouvir testemunhas.
 
Pouco a pouco, a PF vai levantando indícios contra o senador tucano. Relator dos processos, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, está concedendo o tempo solicitado pelos investigadores, sem julgar qualquer tipo de mérito das apurações, o que deve ocorrer apenas após a apresentação de denúncias.
 
Uma das investigações, que diz respeito a participação de Aécio na maquiagem de dados sobre o Banco Rural para esconder a existência do mensalão tucano durante a CPI dos Correios, foi estendida por Gilmar.
 
Mas agora, a PF e a PGR querem mais tempo para analisar o recebimento de vantagens indevidas durante a campanha de outro senador, Antonio Anastasia (PSDB-MG), para o governo de Minas Gerais, em 2010. Tanto Anastasia, quanto Aécio e outros dois investigados teriam recebidos repasses ilegais para financiar a campanha do tucano. E quem teria comandado os pedidos seria Aécio Neves.
 
A PF pediu os 60 dias para, entre outras medidas, ouvir o depoimento do ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), Oswaldo Borges da Costa, que também teria recebido montantes ilícitos. 
 
Os investigadores também querem analisar dados dos sistemas de comunicação e contabilidade Drousys e My Web Day, que armazenariam os registros dos repasses ilegais da construtora Odebrecht. 
 
Já a PGR pediu para que os delegados também recolhessem os registros de entrada na Codemig do ex-diretor da Odebrecht em Minas, Sérgio Luiz Neves. De acordo com a empreiteira, não haveria registros nos sistemas, porque supostamente o controle de entradas na empresa seria feito de forma manual.
 
“Defiro a prorrogação do prazo para a conclusão das investigações, por sessenta dias, para realizar as inquirições pendentes e para análise e eventual perícia em dados dos sistemas utilizados pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht”, determinou Gilmar.
 

2 comentários

    • No Corpo de Bombeiros, a uma
      No Corpo de Bombeiros, a uma distância de mil metros da casa dele….daquele jeito: com a porta da gaiola aberta pq tucano preso nem pensar…o IBAMA manda soltar pq se trata de crime ambiental…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome