Em São Paulo, capital da Terra Unificada, o poder do Grande Irmão se fortalece, por Sebastião Nunes

Mesmo através da cortina fechada, a cidade continuava fria. A grande capital do mundo exibia, sem um pingo de vergonha, as entranhas maltratadas: descaso, pobreza e violência eram suas marcas registradas.

Em São Paulo, capital da Terra Unificada, o poder do Grande Irmão se fortalece

por Sebastião Nunes

Wilson Souza se afastou da janela e fechou a cortina esfarrapada, na qual cagadas de mosca e manchas de mofo realçavam a sujeira. Desde a infância, da qual se esquecera quase completamente, estava mergulhado em um mundo poluído, fedorento e miserável. Mas ele nada percebia. Seu olfato há muito estava embotado pelo cheiro de comida podre e óleo queimado. Seus olhos nunca viram outra paisagem além de prédios arruinados, casas construídas de papelão e madeira catada no lixo, ruas esburacadas, esgotos expostos e cobertos de espuma, carcaças de veículos despedaçadas.

Também nunca conhecera outra cidade, senão essa São Paulo, que, em 2050, fora eleita capital da Terra Unificada. Motivo da eleição? Conforme decidiu a Soberana Assembleia dos Povos da Terra (SAPOTERRA), num prolongado congresso sediado na desaparecida Londres, a escolha deveu-se a estar situada abaixo da linha do Equador, estando portando melhor protegida contra as, cada vez mais frequentes, pandemias. As atuais pandemias, cuja eclosão datava de 2019, foram o resultado das muitas tragédias ambientais provocadas pelo homem durante a segunda metade do século XX e as duas primeiras décadas do século XXI, culminando com grandes incêndios que devastaram a floresta amazônica e a transformaram em fazendas de gado e plantações de soja.

O resultado de 64 anos de pandemias contínuas (2020-2084) foi a brutal redução da população mundial para pouco mais de 700 milhões, algo como 8 ou 9% do total registrado em 2020. Essa escassa população concentrou-se nos países tropicais de grande extensão, pois os países temperados tornaram-se inabitáveis, principalmente pelos invernos rigorosos e verões tórridos. Por sua vez, os países tropicais, inclusive os geologicamente estáveis, último refúgio humano, passaram a ser assolados por furacões, enchentes devastadoras, pragas de insetos e secas intermináveis, que transformaram boa parte das terras de cultivo e das florestas restantes em desertos irrecuperáveis. Mesmo assim, foi onde se instalaram 85% dos sobreviventes, oriundos principalmente dos Estados Unidos, do Canadá e da Europa.

 

O MUNDO VISTO DE DENTRO

Mesmo através da cortina fechada, a cidade continuava fria. A grande capital do mundo exibia, sem um pingo de vergonha, as entranhas maltratadas: descaso, pobreza e violência eram suas marcas registradas. Nas paredes e muros, alguns cartazes coloridos convocavam para a “Semana do Ódio”, com a frase A UNIÃO VENCERÁ! repetida até a exaustão. Wilson se fixou num deles, por acaso, já que eram todos cópias de cópias, impressas aos milhões. Ao lado do desenho do vírus, a cara do Grande Irmão olhava tão fixamente que Wilson estremeceu. E, no entanto, era apenas um cartaz – mas o medo estava ali, palpitando em cada um deles.

No Ministério da Verdade (Miniver), Wilson tinha acesso a numerosos documentos antigos, que devia reescrever antes de incinerar, para adequá-los ao Socialismo Inglês (ou Socing) e à Novilíngua. Num deles, aprendera algo sobre o chamado pecado original, que só podia ser perdoado por uma cerimônia denominada batismo, cujo significado não conseguira decifrar. A palavra não existia na Novilíngua. Mas tinha certeza de que esse pecado era o que havia de mais próximo do sentimento de culpa que o angustiava ao receber em cheio o olhar do Grande Irmão. Será que algum outro sentiria o mesmo? Não sabia, e não havia como saber, pois, embora a proibição de falar com outras pessoas não existisse formalmente, ele compreendia que a Polícia do Pensamento não permitiria aproximações a esse ponto. Toda conversação, inclusive entre marido, mulher e filhos, estava limitada a troca de informações sobre trabalho, deveres e tarefas domésticas.

O minitela emitiu um breve assovio acompanhado de delicada vibração, ambos quase imperceptíveis. Estivesse desatento, seria apanhado em falta e teria dificuldade para se explicar: ninguém podia ignorar um chamado. Apreensivo, ligou o pequeno aparelho e viu, olhando fixamente para ele, os olhos ardentes do Grande Irmão. Depois de alguns segundos, a tela escureceu. Era apenas mais um teste banal.

No entanto, nada ganhava por atender. Mostrar que estava atento fazia parte das obrigações informais dos membros do Partido Exterior. Era por isso que a totalidade deles sofria de insônia, e todo ruído fazia qualquer pessoa acordar em pânico, o que explicava os hospitais psiquiátricos lotados e as longas filas de espera por internação.

Na macrotela, vibrou uma espécie de hino patriótico, parecido com qualquer hino de qualquer país. A mesma voz entoou, agora com um arremedo de entusiasmo:

“Temos ótimas notícias. O Minipaz informa que a população mundial cresceu, de janeiro até abril, de setecentos milhões, cento e dezenove mil e quinhentas e trinta e seis pessoas para setecentos milhões, cento e vinte e cinco mil e duzentas e oitenta. Este acréscimo deve-se ao nascimento de proles, mesmo tendo ocorrido a morte, causada pelo SARS-CoV-2 e suas 999 mutações já mapeadas, de cinco milhões, duzentas e oito mil e oitocentas e quarenta e sete pessoas. Não houve nenhuma morte entre os membros do Partido Interno, 7% dos mortos foram do Partido Externo e 93% foram proles.”

A voz se calou. O hino retumbou novamente durante alguns minutos e, em seguida, a mesma voz voltou a enumerar dados infindáveis sobre o combate ao vírus e suas 999 mutações descobertas até então.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Caro sr., não precisamos teorizar sobre o futuro. A tragédia é hoje. A tragédia são 90 anos de Estado Ditatorial Absolutista Caudilhista Assassino Esquerdopata Fascista. A tragedia são 40 anos de farsante Redemocracia de Voto Obrigatório em Urnas Eletrônicas com Biometria Nazista de forma plebiscitária para escolha entre dois medíocres PSDB e PT. O prolongamento destes 90 anos absolutistas. Vejam as Elites Parasitárias do Estado Brasileiro? Vejam os Presídios Brasileiros e sua População Carcerária de menos de 30 anos? Quem foi Governo nestes 30 anos? Vejam as Favelas que só aumentaram? O nosso real problema não é Covid. É Tuberculose. É Dengue. É Diarréía. É Febre Amarela Urbana. É Malária. É Sarampo. É Leschmaníose. É Leptospirose. É Hanseníase. É Cegueira, que impede de enxergar como prolongamos a partir de SP e por todo o Brasil, o Tucanato iniciado entre o Familiar e Ministro do Assassino Fascista, Chefe de Filinto Muller, um tal de Tancredo Neves com o Líder do Regime Militar no Congresso, José Sarney. O resultado não poderia ser de maior sucesso!!! Mais 40 anos enterrados na latrina. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome