Para teu sujo tráfico, ó Acordo Ortográfico, por Luís Miguel Rosa

Sugestão de Gilberto Cruvinel

Para teu sujo tráfico, ó Acordo Ortográfico

por Luís Miguel Rosa

.

Para teu sujo tráfico, ó Acordo

Ortográfico, sempre ao meu retiro

Vieste, onde inda pérolas respiro,

Pra ficares co’as minhas letras gordo.

.

Entocado e sombroso no rebordo

De arbustos, tumular, sem um suspiro

Qualquer de compunção, dava-te um tiro

Se em vez de abutre fosses mero tordo.

.

Sim, bem sei, de momento estás na mó

De cima, tens do teu lado o cifrão,

O jornal, o político – peró

.

Nâo és, valha a verdade, um grão dragão:

Para travar-te basta-me isto: “O AO

Nestas páginas minhas – não, não, não.”

.

.

……………………………………………………………….

Luís Miguel Rosa nasceu em Lisboa em 1984.  Licenciou-se em Estudos Ingleses pela Universidade de Lisboa. Tem ensaios  publicados através da Revista LER. Estreou na ficção em prosa em 2017 com o livro “Nova arte de conceitos”, onde seguindo um poeta muçulmano na Reconquista ou a desrazão na atualidade, estes contos ora contam ora cantam, em vários estilos onde o barroquismo e o registo mais chunga se alternam numa odisseia pela Língua Portuguesa.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Ora, quem diria: a ministra Tereza Cristina prepara-se para viajar à Amazônia!, por Sebastião Nunes

3 comentários

  1. Esse acordo é uma TRAGÉDIA

    Perturba quem já é alfabetizado, mas nao facilitou em nada a aprendizagem da ortografia. Por causa da ficçao de que o dito Português Brasileiro (PB) ainda é a mesma língua que o Português Europeu (PE), deixa de fazer simplificaçoes desejáveis (por ex, usar Z no lugar do S intervocálico em palavras como rosa e mesa) porque em Portugal há regioes que pronunciam essas palavras sem ser com o fonema /z/, e o mesmo tipo de raciocínio vale para outros casos. E tem a política burra de decidir as regras de acentuaçao nao de modo a torná-las mais cognitivamente fáceis de aprender mas sim de modo a gerar menos acentos, complicando muito a aprendizagem. Além do mais, nao houve consulta popular expressiva sobre isso, tudo foi decidido entre 4 paredes.

  2. Último texto :anarquista lucida
    Excelente! Sou professora de Português e penso exatamente da mesma forma. A língua não pode ser mudada de cima para baixo, mas do uso à normatização. Parabéns!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome