Dia do mau ambiente: o Brasil mergulha na mediocridade política, por Márcio Santilli

Enquanto o mundo dimensiona os desafios pela frente, o Brasil mergulha na irresponsabilidade ambiental, sem precedentes

Pilhas de madeira durante a Operação Onda Verde, do Ibama, no sul do Amazonas, em julho 2017. BRUNO KELLY REUTERS

O dia 5 de junho é consagrado, mundialmente, como o Dia do Meio Ambiente. Isto porque, em 1972, nessa data, em Estocolmo (Suécia), teve início a primeira reunião internacional sobre o meio ambiente. Vinte anos depois, em 1992, no Rio de Janeiro, chefes de Estado subscreveram as convenções sobre a mudança do clima e sobre a proteção da biodiversidade. Nesta mesma conferência, a Eco-92, o mundo avançou na solução do dilema entre conservação e desenvolvimento por meio da formulação dos princípios do desenvolvimento sustentável.

Embora a crise ambiental e climática tenha se agravado dramaticamente nas últimas décadas, passando da condição de ameaça ao futuro para a de desafio ao presente, o seu enfrentamento deixou de ser uma preocupação apenas de ativistas e alcançou as sociedades em geral, ainda que de forma difusa, compartilhado por autoridades e instituições públicas, igrejas, universidades, empresas, meios de comunicação, artistas, outras personalidades e movimentos sociais urbanos e rurais.

Não é diferente a situação do meio ambiente no Brasil. Problemas graves se acumulam: metade dos municípios não possui plano de saneamento e 100 milhões de pessoas não dispõem de tratamento de esgoto; 35 milhões de brasileiros não têm acesso à água potável e crises hídricas deixaram de ser um fenômeno nordestino para assolar diversas regiões do país, nosso consumo de diesel segue crescendo a cada ano e o lixo de espalha pelas cidades, estradas, rios e litoral com a produção diária em torno de 255.000 toneladas; 18,6% da floresta amazônica foram derrubados e outros 1,5 milhão de hectares são degradados anualmente.

Leia também:  Sem esperar mais por Bolsonaro, Pernambuco convoca pesquisadores para “decifrar” óleo nas praias

Porém, ao mesmo tempo, houve um aumento sem precedentes da consciência (ainda que difusa) da sociedade brasileira sobre a crise ambiental e climática, como atestam diversas pesquisas de opinião. Instituições públicas e privadas se organizaram para promover o controle sobre atividades potencialmente danosas ao meio ambiente, a Constituição derivou um abrangente aparato legal e vitórias importantes foram conquistadas, como a redução da poluição atmosférica em municípios como Cubatão (SP), a criação de parques e reservas extrativistas em vários biomas e a redução do desmatamento na Amazônia entre 2006 e 2012, com o maior corte de emissões de gases estufa de que se tem notícia.

Desde a Eco 92 o Brasil se destaca como referência mundial quando se trata do meio ambiente. É o maior detentor de biodiversidade, associada à diversidade étnica e cultural. É reconhecida a importância da Amazônia na regulação da temperatura e dos regimes de chuvas. O país se destaca nas negociações internacionais, liderou a defesa de instrumentos de repartição de benefícios decorrentes do acesso à biodiversidade e foi o primeiro, entre os países em desenvolvimento, a assumir uma meta nacional de redução de emissões.

No entanto, as conquistas institucionais dos últimos 30 anos estão sendo afetadas por políticas e por reformas legais que fragilizam —em vez de fortalecer— a defesa do meio ambiente. O presidente Jair Bolsonaro pretendeu extinguir o Ministério do Meio Ambiente (MMA), mas acabou por mantê-lo, embora diminuído. O órgão perdeu competências fundamentais, como as para o enfrentamento da mudança climática e o combate ao desmatamento, bem como estruturas inteiras, como o Serviço Florestal Brasileiro, que passou a integrar o Ministério da Agricultura.

Ricardo Salles foi nomeado ministro, mesmo estando condenado por improbidade administrativa devido à forja de informações para licenciar atividades minerárias. Ocorre que o próprio presidente se assume como garimpeiro, além de ter determinado a exoneração de um fiscal do ICMBio que o havia multado por pescar ilegalmente dentro de unidade de conservação. O discurso de aparência rígida com que o presidente aborda os crimes de corrupção não se aplica —muito pelo contrário— a outros crimes, como os que lesam o meio ambiente.

Leia também:  Conferência do Clima segue com críticas ao governo Bolsonaro e desmonte ambiental

Numa sequência de retrocessos, o MMA afrouxou a fiscalização ambiental, reduzindo o Orçamento para operações em campo e a lavra de multas. Ato contínuo, uma nova febre de invasões de garimpeiros, madeireiros e grileiros acomete áreas protegidas em diversas partes da Amazônia. O desmatamento acelera sua curva ascendente. O Governo promete licenciamentos expressos, mesmo que carentes de fundamentos técnicos, para obras e atividades potencialmente impactantes, assim como a revisão, para pior, da respectiva legislação, mesmo diante de gigantescos desastres socioambientais ocorridos recentemente em Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais. Persegue funcionários, levanta suspeitas, genéricas e infundadas, sobre organizações ambientalistas, ameaça rever e reduzir unidades de conservação ambiental.

A participação da sociedade civil organizada e dos Governos estaduais e municipais também reduziu neste Governo com as mudanças na composição e funcionamento do Conselho Nacional do Meio Ambiente. E, com aproximadamente 12% das reservas de água doce do planeta, o Governo acaba com o conceito de uso múltiplo dos recursos hídricos ao transferir a Agência Nacional de Águas (ANA) para uma esfera que administra irrigação e saneamento, ou seja, deixa a gestão das águas subordinada a esses dois grandes usuários.

Neste 2019, enquanto o mundo dimensiona os desafios ainda por enfrentar, o Brasil, na contramão da história, mergulha na mediocridade política e na irresponsabilidade ambiental, sem precedentes. O que nos sobra é a perspectiva de resistência da sociedade diante da deterioração das políticas socioambientais, condição fundamental para limitá-la e revertê-la.

Márcio Santilli é sócio fundador do Instituto Socioambiental (ISA), ex-presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) e ex-deputado federal (PMDB-SP, 1983-1986)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Quatro anos após crime de Mariana (MG), Vale amplia lucros e não garante reparação

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome