Garças no Parque Ecológico do Cocó, um clamor pelas chuvas que virão

Nosso Ceará padece com mais uma terrível seca. Se na capital sentimos os seus efeitos, imagine-se o que não se sente nas pobres e longínquas cidades do nosso interior, algumas já quase desertificadas. Há fome e sede, tristeza e desolação. Os cidadãos bebem água de má qualidade fornecida por carros pipas e esperam o milagre das chuvas, que virá, se Deus quiser, o mais cedo possível. 

Falo em seca porque fiz essa pequena filmagem aproveitando as últimas águas existentes no Parque Ecológico do Cocó, quando as garças que para cá migram ainda se empanturravam de pequenos peixes, moluscos e camarões. Hoje ali há tão somente terra estorricada.

Não há de ser nada. Choverá, choverá e choverá… 

Essas imagens serão, se Deus quiser, muito mais exuberantes e terei prazer em fazê-las novamente, mostrando a quem quiser assistir que no Ceará  tem disso sim. Quando chove a natureza é exuberante e deve ser preservada. 

O intuito maior é mostrar ao Brasil e ao mundo a beleza de nosso Parque Ecológico do Cocó, tão maltratado, tão diminuido, tão desprezado pelos nossos governantes, sem ter sequer uma norma específique que o regule. Atacado por todos os flancos,  ainda assim belo e exuberante como o é nosso povo cearense, igual a madeira de lei, que enverga mas não quebra.

 

 

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

17 comentários

  1. Luciano

    Cada vez melhor.

    Uma lástima o que o governo está fazendo em nome da especulação imobiliária no parque do Cocó.

    São uns imediatistas e irresponsáveis.

    O vídeo é maravilhoso, e a sua “falta de palavras” foi perfeitamente sustituída pelas imagens.

  2. UM FORA

    (de pauta)

    O PAPAI NOEL DE MARANGUAPE

    Conhecido no Brasil como Papai Noel, em Portugal como Pai Natal, nos Estados Unidos como Santa Claus e na Venezuela como Papai Fidel, Papai Noel – Generus Santas Clausus – ‘o bom velhinho’ é tido por todos como um senhor de idade, barbudo, gordo e muuuuito legal.

    No entanto poucos conhecem a sua verdadeira história e é comum ouvirmos que Papai Noel é oriundo da Lapônia.

    A verdade, seja dita, é que o Papai Noel nasceu em Maranguape, no Ceará.

    Em busca de melhores condições de vida, o jovem Papai ‘On The Road’ Noel, migrou para o sul do Brasil.

    Chegando em São Paulo, Noel iniciou uma promissora carreira musical e se tornou um sanfoneiro requIsitado em forrós e réla-buxos desatinados.

    Nesse momento assume o nome artístico de Papai Pascoal, depois Pascoal Noel até chegar a Hermeto Pascoal.

    Como sujeito empreendedor que era, Noel logo percebeu que a galera que frequentava as festas onde tocava, era formada por pessoas ‘chegadas’ em outro tipo de ‘furrupa’.

    Inspirado em um programa dominical da TV matinal, ‘Pequenas Empresa & Grandes Negócios’, Noel reuniu alguns trocados e abriu o seu primeiro empreendimento, conhecido como ‘Zona do Natal’.

    Depois, para dar um upgrade matador, ele trocou o nome para ‘Puteiro Noel’ e, finalmente, o seu estabelecimento porno cult foi batizado como ‘Santa Claus Night Club’, frequentado só por gente ‘xique no úrtimo’.

    Em pouco tempo Noel conquistou a fama e a fortuna, se notabilizando como o maior empresário do ramo da terceirização dos serviços de alcovas e outras mumunhas do ramo do rala-e-rola.

    Com muito dinheiro, Noel se entregou aos prazeres da vida e casou-se várias vezes.

    Comprou ma´quians potentes, mansões, trenós espaciais e tornou-se figurinha fácil nos cassinos de Las Vegas, nas corridas de Fórmula 1, em Mônaco, e nas festas VIPs de Nova York, Londres e Paris, pela qual ele tem uma predileção especial.

    Seu hobby é colecionar mansões enfeitadas com ninhos de sabiás e rouxinóis, carrões e muitos ‘aviões’.

    Apesar da folgança, o ‘Papi’ ainda se sentia angustiado e desacorçoado da vida loca.

    Ele resolveu, então, ‘partir prá outra’ e realizar seu grande sonho de ser cantor, tornando-se um afamado tenor – e também ator.

    O célebre Papai Noel do Ceará participou de importantes filmes e peça do memorável teatro burlesco.

    Entre os seus movies, destacam-se: Hoje é Dia de Natal, Vou Viver um Bom Natal, Um Divertido Natal, Sozinho com as Crianças e O DesTENOR na Casa da Mãe Joana e o impagável Pré-Natal, a sua última atuação na telona.

    Mas, percebia-se, algo crescia e o incomodava bastante.

    Era a merreca, auferida através da exploração da luxúria alheia, que exorbitava e não cabia debaixo do seu polpudo colchão.

    Apesar daquela grana toda, ele continuava insatisfeito e, após a intensa terapia e conversa prá-boi-dormir no divã do Corujão (aquele que não fala nada, mas presta uma atenção danada), Noel se regenerou da vadiagem e decidiu remover o peso na consciência, dando presentes a todas as crianças do mundo, iniciando a lenda que hoje conhecemos.

    A mesma explora o conflito entre o bem e o mau e assegura, aos que se comportaram durante o ano, que vão ganhar  alguma coisa que o Papai Noel tem dentro do saco.

    Por outro lado, quem se comporta incorretamente, será obrigado a comer panetone, a assistir o show do Roberto Carlos e participar de um baile funk na periferia de Fortaleza.

    Embora sua verdadeira idade nunca tenha sido confirmada, os testes de carbono 14 indicam que ela é bastante avançada e que ele deveria estar reumático, sarnento, mau humorado e não poderia, nunca, se apresentar serelepe e faceiro – travestido de inveterado e eloquente pesquisador musical – no blog do Nassif.

    Mesmo se chamando Papai Noel, sabe-se que ele não possui filhos, já que o seu saco é apenas de brinquedo e nem a Marylin deu jeito nesta tragédia.

    Para as crianças, o Papai Noel é um velhinho que nunca morre, está em milhões de shoppings ao mesmo tempo e que – coisa feia!- rouba brinquedos para dar para as criancinhas.

    De acordo com a INTERPOL o Papa Noel responde, atualmente, a 120.645.287.124 processos por invasão a domicílios.

    Hoje o bom velinho mora no Ceará e ninguém nunca viu a casa dele que, precavido e receoso de ser apanhado pela Polícia Internacional, não convida e nem recebe ninguém no seu esconderijo cheio de sabiás laranjeira – uma ironia prá quem só planta palmeiras oriundas de sementes colhidas ‘aquí e acolá’.

    Ele sai do seu esconderijo apenas uma vez por ano e, durante o Natal, quem olhar na direção do Parque do Cocó, verá um grande trenó vermelho com a imensa logomarca da Coca-Cola, voando leve e solto e atirando garrafas de cachaça e rapadura para todos os infelizes que estão sacaneando aquele paraíso ecológico.

    O Papai Noel da Paz e Amor,  pensa, coitado, que vai vencer a ‘cachorrada’ espalhando o seu amor e birinaites nas noites quentes e desidratadas da tépida e inclemente fornalha da sua amada Fortaleza.

    ***

    Fotografias

    De vários sites da Internet.

    E, como não tá fácil prá ninguém, o vendedor de ferro-velho Luís Natálio de Mello, 70 anos, conhecido como Papai Noel, devido à barba branca e ao segundo nome, passeia na sua carroça, muito invocado, na segunda foto introduzida no texto.

    ***

    O texto original sacado a partir de postagens de terceiros na Internet, foi natalicia e hortenciamente deturpado pelo Babuino Simão, o primo primata pobre do Grande Macaco Simão.

  3. A Árvore Leopardo

    Nome Científico: Caesalpinia férrea / Sinonímia: Caesalpinia leiostachya, Apuleia ferrea  /  Origem: Brasil  /  Família: Fabaceae /  Divisão: Angiospermae  /  Nome Popular: Pau-ferro, Pau-ferro-do-Ceará, Jucaína, Icainha, Muiarobi, Muiré-itá, Ibirá-Obi e Imirá-Itá  /  Ciclo de vida: Perene

    A ‘Árvore Leopardo’ cresce até 15m, formando uma ampla coroa de topo achatado apoiada no tronco, normalmente, curto, ramificando, muitas vezes, perto da base.

    Embora o diâmetro possa variar, o máximo que ele atinge varia entre 40 e 60 cm. 

    O nome ‘árvore leopardo’ vem da aparência do tronco que resulta da esfoliação incompleta da sua casca, deixando manchas da cor marrom-escuro contra o fundo claro, assemelhando-se às manchas de um leopardo.

    As flores são amarelo brilhante, típico da Caesalpinioideae, aparecendo em terminais ou inflorescências axilares. 

    As sementes são marrom-escuras, duras, armazenadas no interior de uma vagem plana. 

    Tradicionalmente, a C. ferrea é usada, no Brasil, para o tratamento da Diabetes Mellitus, através do chá feito a partir da haste.

    As frutas também têm sido utilizados tradicionalmente no tratamento de tosse e lesões externas, devido ao crédito sobre as qualidades antibióticas da espécie. 

    A literatura científica tem demonstrado que a C. ferrea possui um potencial para o tratamento de úlceras internas e como agente antiinflamatório. 

    [video:http://youtu.be/BOTcDGaSQI0%5D

    Bragança, L.A.R., 1996. Plantas medicinais antidiabéticas. EDUFF press, Niterói, R. J.

    Carvalho, J.C.T., Teixeira, J.R.M., Souza, P.J.C., Bastos, J.K., Filho, D.S., Sarti, S.J., 1996. Preliminary studies of analgesic and anti-inflammatory properties of Caesalpinia ferrea crude extract. J. Ethnopharmacol. 53, 175–178.

    Hashimoto, G. (1996) Illustrated encyclopedia of Brazilian medicinal plants. ABOC-SHA.

    Nakamura, E. S., Kurosaki, F., Arisawa, M., Mukainaka, T.,  Okuda, M., Tokuda, H., Nishino, H., Pastore, F., (2002) Cancer chemo-preventive effects of constituents of Caesalpinia ferrea and related compounds. Cancer Letters, 177: 119–124

    As informações fornecidas acima não são um guia para o tratamento de condições médicas que utilizam plantas.

     

  4. Ponte estaiada
    Velinho e pensar que o projeto do governador é construir uma ponte gigante estaiada, igual a de são paulo, por cima do parque, e assim expulsar toda esta natureza de nossa vizinhança.

    Que bom seria se nossos governantes se preocupassem com a saude, educação, segurança e o transporte publicos, em nossas cidades

  5. É uma pena constatar que este

    É uma pena constatar que este teu filme, diga-se de passagem, muito bem feito, possa ganhar o prêmio de melhor ficção científica em um futuro não muito distante. A história comprova tudo isso, ontem foram os dinossauros, amanhã serão as garças do Parque “Explorógico” do Cocó. E assim caminha a humanidade….

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome