A morte de Goldman, o último dos moicanos, por Luis Nassif

Com Goldman desaparece o último vestígio de um partido que, em algum momento, encampou teses modernizantes e visão social.

Passei pelo velório do ex-governador Alberto Goldman. Recebeu meu primeiro voto, nas eleições de 1970, fazendo dobradinha com Marcelo Gatto.

Na ocasião, estudava e votava em São João da Boa Vista e recebi a dica de amigos de confiança. Com a pesada censura já em vigor, mal entrando no AI5, aceitávamos a dica no escuro. E, felizmente, jamais me arrependi.

Depois, em São Paulo, acompanhei a trajetória de Goldman, primeiro no MDB “autêntico”, depois no PSDB. Sempre foi combativo. No período de vice-governador cedeu momentaneamente ao clima de ódio alimentado por José Serra. Mas foi por pouco tempo.

Quando os ventos se tornaram tempestade e o ódio passou a contaminar toda a política, saiu em defesa dos valores civilizatórios. Coube a ele a grande jogada política que revelou, em toda sua extensão, a personalidade dos neo(po)líticos, capitaneados por João Dória Jr, brandindo discursos de ódio. Enquanto a maioria do partido se acomodava às conveniências, e José Serra sumia, como em todo momento de crise, Goldman cresceu e enfrentou. A reação de Dória foi taxar Goldman de “velho”, “aposentado de pijama”. Nunca a personalidade de Dória foi exposta de forma tão cristalina. Foi o último grande serviço público de Goldman.

Agora, no velório, revejo velhos políticos tucanos, da fase mais civilizada da política brasileira, que se esgotou com a ascensão de Serra ao governo do Estado e, posteriormente, a candidatura à presidência.

Em um canto, o ex-governador Paulo Egydio de Souza, que veio de cadeira de rodas homenagear Goldman. Paulo Egydio foi governador na fase mais terrível do golpe, e tentou avançar com a abertura gradual. Em outro lado, o ex-chanceler Celso Lafer, com o olhar perdido dos que, mesmo em público, continuam imersos em pensamentos. Com Goldman desaparece o último vestígio de um partido que, em algum momento, encampou teses modernizantes e visão social.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora