Imprensa no Equador contra anúncios críticos do governo

Enquanto isso, no Equador…

Imprensa pede que governo do Equador pare com anúncios críticos na TV

Na Folha de Sao Paulo

Grupos privados de mídia do Equador pediram que o governo esquerdista pare de exibir anúncios na TV estatal, durante as partidas da Copa do Mundo, que acusam jornalistas de distorcerem a verdade no país.

A associação equatoriana de televisão disse que as mensagens do governo “fomentaram a desunião e a estigmatização daqueles que não se submetem aos interesses dos poderosos”.

Um anúncio que foi exibido durante os jogos da Copa sugere que jornalistas são mais leais às empresas que os pagam do que à busca pela verdade.

“A verdade deve ser o maior princípio por trás da liberdade de expressão”, diz a propaganda.

Na semana passada, um comitê do Congresso aprovou um projeto de lei que cria um órgão de supervisão de mídia para assegurar que jornalistas produzam histórias “verdadeiras e razoáveis”.

O projeto de lei agora vai para o Congresso para debate. A proposta é apoiada por legisladores alinhados ao presidente Rafael Correa, que regularmente critica jornais locais e emissoras de TV que questionam suas políticas de esquerda.

O órgão supervisor teria como objetivo garantir que a comunicação de massa é “verdadeira, razoável, dentro do contexto apropriado e baseada em múltiplas fontes”.

O comitê de sete membros, que incluiria duas pessoas nomeadas pelo presidente, não poderia punir jornalistas por não atingirem esses “padrões de qualidade”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora