Sumiu dos jornais operação da PF sobre tráfico em aviões da FAB

Não é pouca coisa. Um sargento foi preso na Espanha, transportando 39 kg de cocaína em um avião da FAB que fazia parte da comitiva presidencial que, teoricamente, deveria ser supervisionado pela Associação Brasileira de Inteligência (ABIN).

A denúncia veio da Espanha, foi investigada pela Polícia Federal. Ontem, a PF deflagrou uma operação contra uma quadrilha que se valeu mais de uma vez de aviões da FAB – uma notícia explosiva e relevante. Membros da FAB participaram das operações conjuntamente com a PF.

Recorde-se que o principal suspeito, Sargento Manoel Silva Rodrigues, da FAB, processou Eduardo Bolsonaro por tê-lo impedido de apresentar sua versão na Câmara. Segundo os advogados, “não restou alternativa a não ser acionar a Justiça para que pudesse ser ouvido, já que, segundo alega, os membros do Gabinete de Segurança Institucional estariam dizendo inverdades a respeito do caso”, conforme reportagem do DCM.

Vamos ver como os jornais repercutiram a denúncia.

Folha de São Paulo

Nada deu. Julgou mais relevantes os seguintes temas:

Grupo de WhatsApp tem discussão após Kataguiri chamar deputados de tchutchucas do centrão

Na contramão de tendência nacional, Prefeitura de Ilhabela decide comprar ‘kit Covid’

Ex-secretário de Covas que comandou reforma do Anhangabaú assumirá Fundo Social de SP

Estadão

Na primeira página, destinou o espaço menos nobre ao tema: um pequeno quadrado no canto inferior direito da página.

Considerou mais relevantes os seguintes temas:

Benefícios em estatais vão de adicional de férias de 100% do salário a ajuda de R$ 1,2 mil por filho

O Globo

Apenas uma nota no Blog de Bela Megale:

A Justiça Federal do DF determinou o sequestro de imóveis e veículos dos envolvidos no esquema. Militares da FAB também participam do cumprimento das medidas.

As investigações são um desdobramento do caso que envolveu o sargento brasileiro Manoel Silva Rodrigues, flagrado com 37 quilos de cocaína em um avião da comitiva presidencial, em 2019. Segundo a PF, além do sargento, outras pessoas “se associaram ao militar, de forma estável e permanente, para a prática do crime de tráfico ilícito de drogas, tendo sido apresentado à Justiça elementos que indicam pelo menos mais uma remessa de entorpecente para Espanha”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora