Dilma se emociona com recepção calorosa em BH e faz críticas ao governo Temer

Vídeo enviado por Messias Franca de Macedo

Da Agência Brasil

A presidenta afastada Dilma Rousseff participou na noite desta sexta (20) da abertura do 5º Encontro de Blogueiros e Ativistas Digitais em Belo Horizonte. Ao chegar ao evento, ela foi recebida por milhares de manifestantes contrários ao processo de impeachment. Após abraçar diversos deles, ela fez uso da palavra e não conteve as lágrimas. “Iremos resistir. Eu agradeço a vocês a imensa energia dessa recepção”, disse.

O 5º Encontro de Blogueiros e Ativistas Digitais começou nesta sexta e vai até o próximo domingo (22). Na abertura, Dilma Rousseff criticou o fim do Ministério da Cultura (MinC) e a possibilidade de redução do Sistema Único de Saúde (SUS). Também acusou o governo interino de planejar cortes no Bolsa Família, acrescentando que o programa é elogiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e permitiu tirar o Brasil do mapa da fome.

Segundo a presidenta afastada, o governo não teria legitimidade para fazer as mudanças que propõe. “Não só as pessoas não foram submetidas às urnas, como o programa que eles estão tentando implantar também não foi. E isso é o mais grave”, disse. Dilma Rousseff considerou que o processo deimpeachment não se justifica e o classificou de golpe. “Não cometi crime algum, não tenho contas no exterior”. Na última quarta-feira, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber notificou a presidenta afastada para explicar o uso da palavra golpe.

Dilma comparou a política externa do seu governo com a do presidente interino Michel Temer. “Uma vez Chico Buarque sintetizou que a política externa deles é a que fala fino com os países ricos e falava grosso com a Bolívia. Na época, a oposição queria até que invadíssemos a Bolívia. Mas a nossa política externa, que criou laços na América Latina e na África, foi a que tornou o Brasil respeitado internacionalmente”, disse.

Leia também:  Criminoso, incêndio no Pantanal repercute na imprensa internacional

Por fim, Dilma disse que não vai ficar presa no Palácio da Alvorada e pretende aceitar convites para participar de atos, além de seguir tentando impedir o impeachment no Senado e em todas as instâncias possíveis do Poder Judiciário. “No meu governo e no governo do presidente Lula sempre asseguramos que as pessoas pudessem se expressar mesmo quando eram contra nós, porque damos imenso valor à democracia. Eu temo que um governo ilegítimo, ao tentar implantar certas medidas, só tenha o recurso da repressão para fazê-las viáveis”, disse.

Durante o discurso, os presentes interromperam a presidenta diversas vezes para gritar palavras de ordem, criticando o presidente interino Michel Temer e a Rede Globo. A emissora de televisão foi acusada de contribuir com o processo que classificam de golpe. Os veículos de comunicação do grupo Globo foram vetados pela organização de receber credenciais para cobrir evento.

O encontro seria feito com patrocínio da Caixa Econômica Federal. Ontem (20), porém, o presidente interino Michel Temer suspendeu o repasse dos recursos. “Se eles acharam que esse corte iria nos impedir de debater a mídia alternativa, eles não nos conhecem”, disse na abertura do evento Renata Mielli, diretora do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, uma das entidades organizadoras.

Manifestação

Um ato contra o afastamento de Dilma Rousseff estava agendado para ontem (20), mas a data foi alterada após a presidenta afastada confirmar que estaria na capital mineira nesta sexta-feira. A jornalista Alessandra Brito, 28 anos, considerou que esse encontro com Dilma precisa estimular mais ações. “É um momento de acolhimento e força, mas a gente precisa ser combativo e seguir ocupando as ruas até que o Temer caia. Esse governo é machista e é racista. É só olhar para o ministério”, disse.

Leia também:  Famílias atingidas pela Barragem de Acauã (PB) conquistam terra para reassentamento após 18 anos de luta

manifestação contra o governo de Michel Temer em BH
Ato contra o afastamento de Dilma Rousseff foi transferido para sexta após confirmação da participação da presidenta afastada em encontro de blogueiros

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Minas Gerais (Sintect-MG), Robson Silva, defendeu uma greve geral e manifestou preocupação com o futuro das estatais. “Este governo é a favor do estado mínimo e das privatizações. Querem entregar nossas empresas para os grupos internacionais”, disse.

Os manifestantes se reuniram na Praça Afonso Arinos, em frente à Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, que está ocupada desde o dia 12 de maio por estudantes contrários ao impeachment. Eles se direcionaram para a entrada do Hotel Othon Palace, onde ocorre o encontro dos blogueiros.

Após a recepção à presidenta afastada, a manifestação seguiu para a sede da  Fundação Nacional de Artes (Funarte). O local está ocupado por artistas contrários ao impeachment desde o último domingo.

A Funarte era vinculado ao recém-extinto MinC e tem como objetivo o desenvolvimento de políticas públicas de fomento às artes visuais, à música, ao teatro, à dança e ao circo. Sua sede nacional fica no Rio de Janeiro e há representações em Belo Horizonte, Brasília, São Paulo e Recife. Na semana passada, o então presidente do órgão, Francisco Bosco, apresentou sua carta de renúncia e justificou sua decisão dizendo não reconhecer o novo governo.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

25 comentários

    • Criticou, sim

      Dilma criticou : a política externa, o fim do Minc, os alardeados cortes do BF, do SUS etc… do “governo” Temer.

  1. Ontem assisti ao primeiro

    Ontem assisti ao primeiro vídeo, com Dilma andando imprensada na mltidão. 

    O que mais me fez arrepiar foi deduzir que uns 70% da massa constituiam-se de gente muito jovens. 

    Foram muitos abraços e beijos nas mãos que Dilma recebeu de rapazes e moçoilas. 

    Com certeza essa foi das mais belas manifestações havidas em favor de Dilma. Soube que ela chorou em seguida no encontro com os blogueiros. Eu já teria chorado muito durante os beijos e abraços recebidos por aquela multidão.

    Foi tudo lindo demais.

  2. Quaquaqua! A direita

    Quaquaqua! A direita transformou Dilma em símbolo da luta contra o golpe e defesa da democracia. Nós já temos um objetivo -Fora temer!- e um símbolo -Dilma- para unificar as forças. Os coxinhas que se prestaram ao papel de massa de manobra não vão mover uma palha e alguns até irão engrossar o “Fora temer!”. Por isso chamo o interventor da casagrande em “presidente” interino e efêmero.

  3. Em conversas informais muitos

    Em conversas informais muitos amigos  já me cobraram justificativas racionais  quando afirmo antipatizar ou até mesmo ojerizar certas pessoas em bases meramente subjetivas, ou seja pessoais,  e ao mesmo tempo defende-las e até expressar simpatia no plano das representações ou dos papéis sociais que exercem ou exerceram.  

    Não se trata, enfatizo, de “dar uma no cravo e outra na ferradura”;de sempre aparecer bem na foto a depender de cada situação, e sim, de separar o que avalio não ser correto indiferenciações a fim de que as percepções não sejam contaminadas reciprocamente.

    Entretanto, tal postura não é irredutível. Seu ponto de inflexão se dará a partir do momento em que os antipatizados, por qualquer que sejam os motivos, passem a ser perseguidos e anulados também no plano pessoal; na dimensão das suas “humanidades”, a exemplo da presidente Dilma e do ex-ministro José Dirceu. Aí não, passa a se impor um verdadeiro imperativo moral que exige, sem tergiversação de nenhuma espécie ou gradação, repudio e denúncia incontinentes.

    Citei os dois por economia na argumentação. Na realidade, os embates políticos envolvendo petistas e esquerdistas em geral tem se desenrolado nos últimos anos mais no plano pessoal que das ideias. Prevalecem mais as adjetivações depreciativas, as imputações injuriosas e caluniosas, que propriamente argumentos. Tais categorias se transformaram em verdadeiros anátemas. 

    Mas retornando ao fio da meada: votei na presidente Dilma por duas vezes. Um voto estritamente político. Pessoalmente, nunca morri de amores por ela. O equivalente quanto à defesa de seu governo; em especial nos primeiros anos do mandato 2010-2014. E, avançando na sinceridade, sempre achei que  não foi uma boa escolha de Lula. Enfim, uma esquizofrenia que só se explica, acredito, a partir de uma visão dualista das personalidades públicas. 

    Enfim, concluo: tenho hoje uma pena danada da presidente Dilma. Como tenho do José Dirceu. Ambos, a meu ver, vítimas de um processo de destruição que nunca visou, e não visa, os aspectos só políticos-ideológicos, mas os humanos;os demasiadamente humanos, na linguagem nietzschiana.

     

     

  4. emocionante,´é de mexer mesmo

    emocionante,´é de mexer mesmo com oocração,,,

    o coxinha que  age como um robozinho infestandio as redes sociais

    com a mesma frase depreciativa, sem qualquer argumetnação lógiva,

    deve sentir inveja desse tipo de manifesrtação de apoio à democracia…

     

  5. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome